Eletromobilidade

EMTU homologa consórcio vencedor de licitação para fiscalização de obras do segundo trecho do VLT da Baixada Santista

Foto: Francisco Arrais / prefeitura de Santos

Consórcio VLT – Trecho 2 venceu certame com orçamento previamente estimado para contratação de R$ 22 milhões

ALEXANDRE PELEGI

A EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) publicou nesta quinta-feira, 10 de junho de 2021, o resultado final da licitação destinada a escolher o consórcio que vai gerenciar, supervisionar e fiscalizar as obras do trecho 2 do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) da Baixada Santista e de melhorias de acessibilidade das estações do Trecho Barreiros / Porto, em Santos.

Após haver classificado dois Consórcios na primeira fase da concorrência, a EMTU decidiu por adjudicar e homologar um dos licitantes.

Os dois Consórcios classificados foram:

Consórcio VLT – Trecho 2 (Bureau Veritas do Brasil Sociedade Classificadora e Certificadora Ltda., Future ATP Serv. de Eng. Consultiva Ltda. e LBR Eng. e Consultoria Ltda.)

Consórcio Pólux-Falcão Bauer-MMP (Pólux Eng. Ltda., L.A. Falcão Bauer Centro Tec. de Controle da Quali// Ltda. e MMP – Consultoria e Gerenciamento de Empreend. Imobiliários Eireli)

A Comissão Julgadora de Licitações negou recurso interposto pelo Consórcio Pólux – Falcão Bauer, mantendo a decisão da habilitação do Consórcio VLT – Trecho 2. Diante das propostas apresentadas pelas duas licitantes, adjudicou ao Consórcio VLT – Trecho 2 o objeto da licitação, “cujo valor do orçamento previamente estimado pela EMTU/SP para contratação foi de R$ 22.064.787,91”.

Como havia mostrado o Diário do Transporte, em 16 de abril de 2021, a EMTU havia publicado o resultado do julgamento das propostas técnicas da licitação.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/04/16/194932/

A disputa envolve a prestação de serviços especializados de engenharia para apoio ao gerenciamento, supervisão, fiscalização das obras e gestão ambiental, prestação de serviços especializados de engenharia para apoio à análise e verificação de projeto executivo, supervisão, inspeção, auditoria, fiscalização e acompanhamento da implantação dos sist. elétricos, eletrônicos, eletromecânicos e rede aérea para implantação do Trecho 2 – Conselheiro Nébias / Valongo, parte integrante da etapa prioritária da rede de VLT, compreendido entre a ramificação da via permanente na Av. Afonso Pena (inclusive) junto à Rua Campos Melo, até a Av. Francisco Glicério (inclusive), junto à Av. Conselheiro Nébias, interligando com o Trecho Barreiros / Porto, em Santos, bem como, prestação de serv. especializados de eng. p/ apoio ao gerenciamento, supervisão, fiscalização das obras complementares de acessibilidade das estações do Trecho Barreiros / Porto, nos municípios de Santos e São Vicente, na Região Metropolitana da Baixada Santista – RMBS.


SEGUNDO TRECHO DO VLT

Como informou o Diário do Transporte, em 24 de setembro de 2020, o governador João Doria assinou a ordem de serviço para o início das obras, que necessitam agora do trabalho de supervisão externa.

O segundo trecho do VLT vai da avenida Conselheiro Nébias ao bairro do Valongo, em Santos, no litoral Sul paulista, com oito quilômetros e 14 estações acessíveis, passando pelas ruas Campos Mello, Doutor Cochrane, João Pessoa, Visconde de São Leopoldo, São Bento, Amador Bueno, Constituição, Luiz de Camões e a Avenida Conselheiro Nébias.

A expectativa é de uma demanda diária de 35 mil passageiros em dias normais da semana sem os efeitos da pandemia da Covid-19.

Para o novo trecho, serão colocadas mais sete composições em operação.

Por meio de nota em setembro de 2020, o Governo do Estado informou que “o prazo de conclusão do projeto é de 30 meses”. 

Como mostrou o Diário do Transporte, em 06 de julho de 2020, governador de São Paulo, João Doria, assinou contrato de R$ 217,7 milhões com a construtora Queiroz Galvão para o início das obras.

Relembre:

O sistema é operado pela BR Mobilidade, do Grupo Comporte, de Constantino Oliveira, que opera os ônibus da Viação Piracicabana em Santos, e gerenciado pela EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos.

Com a conclusão, o VLT da Baixada terá, segundo o Governo do Estado, 27 quilômetros de extensão, considerando o trecho de 11,5 quilômetros já em operação entre São Vicente (Barreiros) e o Porto de Santos, além das ligações entre Conselheiro Nébias e Valongo e Barreiros a Samaritá, em São Vicente, que está em projeto. O sistema tem previsão de operar com 33 VLTs transportando 95 mil passageiros por dia.

Arte: site prefeitura de Santos

 

Alexandre Pelegi,  jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta