PF cumpre mandados contra empresários vacinados clandestinamente em garagem de ônibus em Minas Gerais

Policiais federais em uma das garagens de ônibus

Operação ocorre em endereços relacionados à empresa Saritur

ADAMO BAZANI

A Polícia Federal cumpre na manhã desta sexta-feira, 26 de março de 2021, mandados de busca e apreensão em endereços ligados à empresa de ônibus Saritur para investigar possíveis fraudes e crimes na importação e compras de vacinas contra a covid-19 da Pfizer.

Uma reportagem da Revista Piauí mostrou que foram compradas doses para aplicação em cerca de 50 pessoas, custando R$ 600 para cada imunizado.

A legislação brasileira permite compra pela iniciativa privada desde que as doses sejam repassadas para o Ministério da Saúde.

Ainda de acordo com a reportagem, foram vacinados em uma garagem de ônibus políticos e empresários do setor de transportes, entre os quais, o ex-senador Clésio Andrade (PMDB-MG), ex-presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT) e familiares; e os donos da Saritur, os irmãos Rômulo e Robson Lessa.

Em nota, a Saritur disse que os irmãos não fazem parte do quadro societário e desconhece a vacinação em garagens.

Os quatro mandados de busca e apreensão foram expedidos pela 35º Vara Federal Criminal de Belo Horizonte.

Um vídeo feito por vizinhos da garagem mostram o suposto processo de vacinação.

O Ministério Público Federal (MPF) entende que se houver confirmação da vacinação, os envolvidos podem ter cometido crimes de contrabando, descaminho e de uso e importação de medicamento farmacêutico sem registro.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Santos Dumont disse:

    É impressionante como o setor de transporte rodoviário (o de passageiros) produz tanto escândalo – de propina na majoração de tarifas, passando por processos fraudulentos de manutenção de mercados e sonegação fiscal, e agora até preservação da ‘espécie’.
    Esse ex senador e ex CNT e ex vice governador de Minas, sempre esteve metido em maracutaias, e malandramente se sai delas com base na política tipo ‘amigo- dos-amigos’.
    Sabem em que isso vai dar? Em nada. O Santo STF sempre estará de olho nos ‘excessos’ da justiça.

    1. vagligeiro disse:

      Mas também os busólogos não cobram, ao invés disso defendem os criminosos das empresas de ônibus em troca de fotos e passeios gratuitos.

      Busólogo tinha que defender transporte público E o público, não o privado.

      Quanto mais barulho fazer, mais a justiça atua para botar estes empresários idiotas na cadeia.

      1. Riberson disse:

        👏🏿👏🏿👏🏿

  2. Riberson disse:

    Estava aguardando essa matéria aqui no Diário do Transporte ,parabéns pela informação.

    Santos Dumont, concordo com você, seu comentário é bem esclarecedor sobre esses donos de empresas de ônibus, sempre chorando, mas não largam o osso.

  3. carlos souza disse:

    O mundo acabando, mais de 300 mil mortes pelo coronavirus, e eles,zombando do povo.E quem realmente precisa e é de grupos prioritários,ó…É o apocalipse ético e moral generalizado desse mundo.Como diria Marcelo Falcão,se fosse país sério,esses criminosos e o Sistema criminoso e ilegal iriam pro paredão,e não é do BBB.É o do Tribunal de Haia.

  4. Santos Dumont disse:

    A Policia Federal, por seus Delegados e Agentes, com base em mandados de juízes de 1a instância, são exemplos irretocáveis de ação profilática contra ratazanas empresariais nesse setor (ao qual se juntam outros que lidam com merendas escolares, implantação de hospitais de campanha, venda de produtos hospitalares vencidos, etc), que se esgueiram pelo esgoto geralmente de mão dadas com políticos ao estilo ‘Justo Veríssimo’ (remember Chico Anísio). Esperemos que não desanimem com a ‘proteção’ que virá de cima em algum momento, buscando o menor erro (às vezes uma vírgula em algum documento) para invalidar a ação. Essas ratazanas e suas proles viverão de que, num tempo em que a ser imoral e sem ética é a regra? Na Disney?

  5. carlos souza disse:

    Parafraseando o João Plenário,da Praça é Nossa(SBT):querem é que o povo se lasque,mas a lembrança do grande Chico Anísio e o seu personagem corrupto,demófobo e picareta Justo Veríssimo vale.E o que dizer do populista Odorico Paraguaçu de “O Bem-Amado” imortalizado pelo saudoso Paulo Gracindo?E aquele outro,esse do extinto Zorra Total, que dizia “o que eu quero é mamar”.Só crime esse país.Decreta a extinção desse e outros países do crime(cerca de uns 97%) desse mundo que acaba a M.erdhi@.

Deixe uma resposta