Mercedes-Benz lança padron de 14 metros para até 100 passageiros

O 500 R Super Padron é indicado para sistemas de transportes em corredores

JESSICA MARQUES

A Mercedes-Benz do Brasil lançou um chassi de ônibus de motor traseiro na manhã desta quarta-feira, 17 de março de 2021. O novo modelo O 500 R Super Padron é indicado para sistemas de transportes em corredores, como o BRT (Ônibus de Trânsito Rápido).

O lançamento foi realizado em coletiva de imprensa, com participação do Diário do Transporte. O chassi é 4×2 com capacidade de transportar até 100 passageiros, conforme detalhado por Walter Barbosa, diretor de Vendas e Marketing Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil.

“É indicado para sistemas de BRT, corredores, vias segregadas, pode operar também em vias urbanas normais, porque o veículo hoje vem na configuração piso alto, mas é mais indicado para uma linha segregada, de BRT”, disse o diretor.

Com piso alto, este novo modelo de ônibus pode receber até cinco portas na carroceria, três à direita, dando acesso pela calçada por degraus, e duas à esquerda, dando acesso aos corredores, atendendo à altura das plataformas de embarque de 920 mm. O chassi pode ser equipado com carrocerias de 13 ou 14 metros.

Os clientes podem escolher entre três versões de layout do novo Super Padron O 500 R 1830 4×2. A de maior comprimento da carroceria, com 14 metros, pode ser configurada para até 95 passageiros (64 em pé, 30 sentados e 1 cadeirante), ou 90 passageiros (60 em pé, 29 sentados e 1 cadeirante), além do motorista. As duas opções são indicadas para linhas mais longas, em que as pessoas ficam mais tempo sentadas.

Outra versão de carroceria de 13,6 metros tem capacidade para até 100 passageiros (76 em pé, 23 sentados e 1 cadeirante), além do motorista. Segundo a fabricante, a maior lotação é indicada para linhas com maior frequência de embarque e desembarque.

Entre os itens de conforto e segurança está o câmbio automático ZF Ecolife AP1200 de série, com retarder integrado e auxílio de partida em rampa. O chassi também conta com coluna de direção regulável, volante multifuncional com teclas de comando, entre outras funcionalidades. Confira:

Entre as vantagens citadas por Walter Barbosa para o uso do novo chassi estão “motorização, muito mais conforto para os usuários, para o motorista, mais acessibilidade e um custo operacional muito inferior à concorrência, porque tem somente dois eixos. Dois pneus a menos em manutenção, barras de ligações em terminais para suspensão, oito pontos de engraxamento”.

Ainda segundo o diretor, com o chassi com motor traseiro, o balanço dianteiro aumenta, facilitando o acesso e proporcionando menos ruído para os motoristas e passageiros. Trata-se de um chassi para uma carroceria de até 14 metros, mas com a mesma capacidade de passageiros que um chassi para ser encarroçado por uma estrutura de 15 metros, mas com um eixo a menos, por não haver necessidade do eixo direcional.

“O O 500 R Super Padron chega no melhor momento, visando oferecer às empresas do segmento urbano um modelo que possa operar nos horários de pico e entrepico, otimizando custos operacionais, o que é extremamente importante”, afirmou também.

O lançamento da Mercedes-Benz pode transportar o mesmo número de passageiros que os modelos concorrentes 6×2 de 15 metros. Outro destaque apresentado durante a entrevista coletiva é a relação peso/potência, com 310 cv e PBT de 19.600 kg, tornando-se, portanto, o maior da categoria.

A partir desta quarta (17) os empresários já podem contatar a fabricante para fazer o pedido. “A expectativa neste ano ainda não é tão grande, mas é algo em torno de 50 a 80 unidades, mas eu diria que um mercado certamente promissor para esse carro é de 150 a 200 unidades por ano. Deve começar por Belo Horizonte, cidade que tem impulsionado bastante esse produto”, projetou Barbosa.

O diretor explicou que Belo Horizonte renovou todo o sistema de transporte há pouco tempo, para o sistema BRT. Contudo, logo depois vieram os desafios de manter os números de passageiros que foram acordados. Assim, os empresários entendem que em uma próxima renovação, em vez de comprar veículos maiores ou articulados, eles vão caminhar para modelos menores que um articulado e maiores que um OF 1724, por exemplo.

CONTEXTO DE PANDEMIA

Durante o lançamento, Barbosa ressaltou que o segmento urbano vem sofrendo, de cinco anos para cá, uma queda na demanda de passageiros, por diversas razões, inclusive novos modais que vão surgindo. Recentemente, por conta da pandemia, o impacto foi fortíssimo no segmento de urbano. Contudo, neste cenário a Mercedes-Benz do Brasil encontrou uma oportunidade de negócio.

“A grande vantagem do Super Padron é ‘substituir’ um ônibus naquelas linhas onde um articulado ficou grande. Essa é a grande questão, você compara um veículo de 14 metros com os de 15 e 18 metros, que são os articulados. Antes, o cliente não tinha opção: ou comprava o de 18 metros ou o padron. Agora, ele pode comprar o de 14 metros, que é o veículo do mercado com o menor custo operacional, neste segmento, não comparando com o OF”, detalhou.

“A Mercedes-Benz não para. Com ou sem pandemia, temos o compromisso com a mobilidade do nosso país e vamos continuar desenvolvendo as melhores soluções para os nossos clientes e usuários, sempre pensando no coletivo e no futuro”, afirmou também o diretor.

VÍDEOS DE APRESENTAÇÃO

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Claudio Boff disse:

    41 anos se passaram desde o início da criação do projeto PADRON pela Secretaria de Transporte Público de SP, comandada pelo Eng. ADRIANO BRANCO.
    Muitas reuniões aconteceram entre a Comissão Técnica da FABUS e a MBB, visando conseguir convencer a MBB a proceder algumas alterações no chassis para enquadrar o ônibus nas especificações técnicas determinadas pela Promec para o ônibus PADRON.
    Hoje vejo que alterações ainda estão sendo implementadas. Demora mas acontecem.

  2. William Santos disse:

    Acho que a Mercedes perdeu uma grande oportunidade de criar um chassi trucado pra competir com a Scania. De todo modo, achei interessante essa iniciativa e espero que ela vingue. Creio que dependendo da necessidade do mercado, seja criado um chassi de piso baixo

    1. Zé Tros disse:

      Isso foi explicado na apresentação do chassi:”Ainda segundo o diretor… Trata-se de um chassi para uma carroceria de até 14 metros, mas com a mesma capacidade de passageiros que um chassi para ser encarroçado por uma estrutura de 15 metros, mas com um eixo a menos, por não haver necessidade do eixo direcional. Entre as vantagens citadas por Walter Barbosa para o uso do novo chassi estão “motorização, muito mais conforto para os usuários, para o motorista, mais acessibilidade e um custo operacional muito inferior à concorrência, porque tem somente dois eixos. Dois pneus a menos em manutenção, barras de ligações em terminais para suspensão, oito pontos de engraxamento”.”

  3. Milton Braga disse:

    Em virtude de hoje a maior parte das cidades estarem adotando a questão da mobilidade urbana nós ônibus, mais na questão das pessoas de mobilidade reduzida. É importante a MBB fazer um chassi deste mas de piso baixo. Este modelo parece ter sido criado para o sistema de transporte de Curitiba, que tem em seus corredores BRT plataformas no lado direito de embarque e desembarque!

Deixe uma resposta