Ônibus municipais de Salvador (BA) têm operação especial após fim da circulação dos trens no Subúrbio

Ao todo, 31 linhas de ônibus convencional fazem a operação no Subúrbio, além de cinco linhas do Stec. Foto: Ícaro Chagas / Ônibus Brasil.

Ao todo, são oito veículos reforçando a frota das 5h30 às 9h e das 16h às 19h

JESSICA MARQUES

A operação do Trem do Subúrbio de Salvador foi suspensa a partir desta segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021. A interrupção está sendo realizada para obras do elevado do VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos).

Com o fim da operação dos trens no Subúrbio de Salvador, a Prefeitura, por meio da (Secretaria de Mobilidade), montou uma operação assistida para atender a nova demanda de passageiros que devem passar a utilizar os ônibus municipais na região.

A operação também teve início nesta segunda-feira (15), mesmo dia em que os trens deixarão de circular. Ao todo, são oito veículos das 5h30 às 9h, dos quais quatro ficam em frente ao centro de abastecimento de Paripe e quatro no Largo do Luso. No pico da tarde, das 16h às 19h, oito veículos da frota reguladora ficam à disposição no Terminal da França.

Segundo a Prefeitura, os agentes de trânsito e transporte estarão na região para observar a demanda de passageiros e realizar os ajustes necessários de forma imediata.

SEM NOVAS LINHAS

Ao todo, 31 linhas de ônibus convencional fazem a operação no Subúrbio, além de cinco linhas do Stec (Sistema Complementar). Durante a operação, 394 veículos estarão alocados na região da Avenida Suburbana e Estrada do Derba.

“Além do reforço da frota reguladora, neste primeiro momento não foi necessária a criação de nenhuma nova linha. A região do Subúrbio já possui diversas linhas que atendem os mais variados destinos da cidade”, afirmou o secretário de Mobilidade, Fabrizzio Muller, em nota.

A operação foi dividida dando atenção especial ao ponto final das linhas, sendo elas Comércio, Largo do Tanque, Estação Pirajá, Largo dos Mares e Baixa do Fiscal.

“Nós daremos uma atenção especial à região nestes primeiros dias, avaliando a demanda de passageiros e fazendo os ajustes que se mostrarem necessários, para que a população tenha à disposição um sistema de transporte adequado”, completou o secretário.

INTEGRAÇÃO

Os passageiros que utilizarem os ônibus poderão agora contar com a integração, opção não que não era contemplada pela operação de trens.

A integração poderá ser feita entre ônibus convencionais, Stec ou mesmo com o metrô, pagando apenas uma passagem pelo período de duas horas, utilizando o Salvador Card. Após a conclusão das obras do VLT, a integração também vai contemplar o novo modal, segundo a Prefeitura.

“Para garantir que aqueles passageiros que ainda não possuem o cartão possam adquiri-lo, equipes do Salvador Card estarão com promotores de vendas no ponto de ônibus do Centro de Abastecimento de Paripe, na Estação do Trem de Periperi e no Largo do Luso entregando o Bilhete Avulso, que pode ser utilizado por qualquer pessoa sem a necessidade de uma identificação. A entrega será gratuita apenas para o cartão, que custa normalmente R$5. Já as passagens devem ser adquiridas pelo usuário.”

TARIFA SOCIAL

A Prefeitura informou também que não será possível a aplicação de tarifa social para aqueles que utilizavam os trens. A justificativa é que o modal possui uma tarifa muito abaixo do praticado nos ônibus municipais, sendo R$ 0,50 e R$4,20, respectivamente

“Infelizmente a prefeitura não tem como arcar com uma tarifa social neste momento, visto que não há subsídio para as empresas de transporte de Salvador, que já estão passando por um momento difícil em decorrência da baixa demanda de passageiros por conta da pandemia, inclusive com uma das concessionárias sob intervenção”, pontuou o secretário Muller.

VLT

Com custo de R$ 2 bilhões, a promessa do modal é promover avanços na qualidade do transporte e deslocamento de 600 mil pessoas na região.

Quando pronto, o trajeto atualmente feito em 40 minutos, cairá para 25 minutos e o intervalo entre os trens para 4 minutos no pico. Tempo bem menor que os 50 atuais.

Movido a propulsão elétrica, o VLT vai transportar 170 mil pessoas por dia e terá 21 estações com 19,2 quilômetro na primeira fase, ligando o bairro do Comércio em Salvador até a Ilha de São João em Simões Filho. Já a segunda fase prevê mais cinco estações e a extensão até São Joaquim, integrando com o Metrô, segundo o Governo do Estado.

A previsão é que o primeiro trem adquirido na China seja embarcado para o Brasil e chegue ainda em abril deste ano.

Leia também:

MP entra com ação para garantir acesso ao transporte público no subúrbio de Salvador

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta