Grande Recife reajusta passagens de ônibus a partir de domingo (07)

Desconto fora do horário de pico se aplicará exclusivamente nos dias úteis e com o uso do VEM Comum. Foto: Divulgação.

Tarifa será mais barata no chamado “horário social”

JESSICA MARQUES

O Grande Recife Consórcio de Transporte vai reajustar o valor das passagens de ônibus a partir de domingo, 07 de fevereiro de 2021. O anúncio foi feito nesta sexta (05).

O CSTM (Conselho Superior de Transporte Metropolitano) aprovou, durante reunião ordinária realizada virtualmente, a proposta de revisão tarifária baseada em estudos realizados pelo consórcio. Assim, as tarifas ficam mais altas na Região Metropolitana de Recife, em Pernambuco.

Com o reajuste, a passagem de ônibus no anel A passa a custar R$ 3,75 e o anel B R$ 5,10, refletindo percentuais de acréscimo de 8,7% e 8,5%, que segundo o consórcio são menores do que a inflação acumulada de 2019 e 2020, que foi de 9%. Por sua vez, o anel G passa de R$ 2,25 para R$ 2,45 (aumento de 8,8%).

Além disso, com a decisão, foi ratificada a criação de uma tarifa mais barata no chamado “horário social” de fora pico. Das 9h às 11h da manhã e das 13h30 às 15h30 da tarde, a passagem ficará mais barata, passando dos atuais R$ 3,45 para R$ 3,35 no anel A, e de R$ 4,70 para 4,60 no Anel B.

“Esse desconto se aplicará exclusivamente nos dias úteis e através do uso do VEM Comum. Seu objetivo é estimular o melhor escalonamento do uso do sistema, reduzindo a pressão no horário de pico, mantendo maior modicidade tarifária para seu usuário”, esclareceu o consórcio, em nota.

Horário Anel A Anel B Anel G
Horário Social* R$ 3,35 R$ 4,60  
Demais horários R$ 3,75 R$ 5,10 R$ 2,45

*Horário social = 9h às 11h e 13h30 às 15h30

A proposta do Horário Social havia sido apresentada pelo Grande Recife, consórcio público formado pelo Governo de Pernambuco e prefeituras.

Relembre:

Grande Recife propõe aumento de tarifa de ônibus nos horários de maior demanda e redução da passagem fora do pico

JUSTIFICATIVA PARA AUMENTO

Em nota, o consórcio Grande Recife informou que realizou estudos que “buscaram assegurar uma proposta que mantenha a sustentabilidade do sistema e proporcione uma melhor oferta de serviços ao usuário, no atual cenário de pandemia, que vem afetando os sistemas de transportes em todo o Brasil”.

Confira a justificativa:

Desde o início da pandemia, o STPP vem sofrendo com a redução sistemática de demanda, que atualmente representa 62% da que existia em março/2020. A partir dos esforços do Governo do Estado, a oferta de serviços vem sendo mantida sempre proporcionalmente maior, pelo menos 10% a mais que a demanda.

Mesmo com todo o quadro de dificuldades econômicas e fiscais, o Governo tem feito um grande esforço para manter subsídios, como o do diesel, passe livre estudantil, transporte complementar e na gestão do próprio STPP, para evitar que a passagem alcance valores mais altos, como acontece em outros estados. Além disso, está intensificando as ações de melhoria da estrutura que serve ao transporte, com intervenções nos terminais e estações e de segurança para a população.

Os esforços feitos ao longo de 2020 representaram gastos superiores a R$ 300 milhões, entre isenções, subsídios e investimentos em estações e terminais.

No último ano, entre outras ações, o governo sancionou lei que acabou com o prazo de validade dos créditos do VEM, ampliou a integração temporal, que já alcança 50% dos terminais integrados, criou o benefício do VEM Idoso, incentivou municípios a ampliar a malha de faixas azuis/exclusivas e ampliou o convênio com a SDS do Programa de Jornada Extra de Segurança (PJES), que garantirá o lançamento de mais de 2.500 policiais militares nos 10 principais terminais integrados do Grande Recife e na proteção das 44 estações de BRT. Mais recentemente, foram iniciadas as obras de requalificação que alcançarão, em sua primeira fase, 20 estações de BRT e seis terminais integrados.

Ainda este ano, o governo pretende lançar a licitação de concessão da gestão dos terminais à iniciativa privada. A futura parceria tem como objeto a contratação de um parceiro privado para administração, manutenção, conservação, exploração comercial e requalificação dos 26 Terminais Integrados e das 44 Estações de BRT, com possibilidade de implantação de empreendimentos associados. Também já está em licitação a concessão que requalificará 1 mil abrigos e 2 mil totens na RMR e finalizado o chamamento público para a revisão da rede de transportes e sua nova licitação.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta