Entidades da Engenharia nacional cobram Governo Federal por atrasos na implantação do People Mover do aeroporto de Guarulhos

Instituto de Engenharia, acompanhado de várias entidades da área de transportes, pede urgência do início imediato das obras do modal. Após reunião, governo Doria promete emitir Ordem de Serviço na segunda quinzena de março 

ALEXANDRE PELEGI

O Instituto de Engenharia (IE), ao lado de outras entidades do setor de transportes, reforçou por meio de ofício ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, a urgência do início das obras do People Mover do aeroporto de Guarulhos.

O modal fará a ligação por trilhos entre a Linha 13 – Jade da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e os terminais do Aeroporto de Guarulhos. Desde a inauguração da Linha 13, para chegar aos Terminais de embarque do Aeroporto, é preciso utilizar um serviço de ônibus para completar o acesso.

Previsto para entrar em operação desde 2014, o People Mover é um serviço aguardado há muitos anos pelos passageiros da Grande São Paulo e relevante para a modernização do maior aeroporto da América Latina, afirmam as entidades.

Este não é o primeiro ofício das entidades enviadas ao ministro Tarcísio.

Como mostrou o Diário do Transporte, duas correspondências foram encaminhadas nos dias 02 e 13 de dezembro de 2020. Em ambas, o IE, ao lado das mesmas entidades parceiras – ABIFER, AEAMESP, ALAF, ANTP, ANPTrilhos e SIMEFRE –, já pedia pela implantação do People Mover como forma de requalificação do Aeroporto de Guarulhos por meio dessa tecnologia de transporte.

Nesse derradeiro ofício, com data de 26 de janeiro de 2021, o Instituto de Engenharia e suas entidades parceiras demonstram preocupação quanto a eventuais atrasos e custos maiores no cronograma da obra. Em parte do texto manifestam a intenção de “compartilhar com o Governo Federal algumas preocupações com recentes manifestações divulgadas na mídia, que tanto podem prejudicar o Erário quanto afetar todo o cronograma de modernização do acesso ao sítio aeroportuário, já bastante atrasado”.

Cabe lembrar que o Governador João Doria já havia prometido que o People Mover estaria implantado entre o final de 2020 e o primeiro semestre de 2021.

A GRU Airport, concessionária do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, na região Metropolitana, a quem cabe a contratação e implantação da obra, abriu convite ao mercado destinado a empresas interessadas no projeto no dia 16 de agosto de 2019.

No entanto, para que a concessionária possa realizar as obras, o Governo Federal precisa conceder o desconto na outorga de concessão do Aeroporto para compensar os investimentos necessários.

O governador de São Paulo, João Doria, chegou a dizer em outubro de 2020, que poderia entrar na Justiça caso o Governo Federal não cumprisse com o compromisso.

Nessa sexta-feira, 29 de janeiro de 2021, o secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, publicou no Instagram o resultado de uma reunião conjunta entre ele, o Governador Doria, equipes da GRU Airport e da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac). No encontro “os órgãos firmaram compromisso de emitir a ordem de serviço na segunda quinzena do mês de março”, o que deverá ocorrer, no entanto, após liberação do Tribunal de Contas da União (TCU) pelo ministro Vital do Rêgo.


Outro ponto que seguramente preocupa as entidades é quanto à escolha final do projeto.

Dentre as empresas que oferecem o modal, está a tecnologia Aeromovel que, além de reunir empresas brasileiras, tem custo mais baixo.

Por fim, o Instituto de Engenharia destaca a importância econômica e social do People Mover para o Aeroporto de Guarulhos, que pode ser medida de várias formas. Entre outras:

= Capacidade do projeto para a geração de renda e empregos qualificados, durante e depois de sua implementação.

= Impacto positivo para a engenharia nacional e para os profissionais do setor.

= Aplicação de tecnologia viável para o transporte de passageiros de baixa emissão de poluentes em grandes centros urbanos.

= Integração da malha de transporte metroferroviário da maior região metropolitana do país

Leia o ofício na íntegra:


 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Paulo Bolliger Lane disse:

    A falta de conclusão deste projeto é uma vergonha. Um atestado de incompetência. Está atrasado +6 anos. A Concessionária do GRU não fez e não tem interesse em concluir a obra e o poder público não toma atitude para resolver. Os transtornos aos passageiros e usuários não importa à concessionária e ao poder público. Os aeroportos nas grandes cidades pelo mundo levam os passageiros direto ao terminal, sem necessidade de baldeação. O absurdo da história é que foi feito uma obra, se gastou milhões, mas não se conclui. O usuário tem que pegar um ônibus para chegar no terminal. Isto é um absurdo e desrespeito ao cidadão contribuinte. Promessas, promessas eleitoreiras!!!

Deixe uma resposta