Diário no Sul

Número de passageiros de ônibus cai 52% em Porto Alegre (RS) em 2020

Queda na demanda é resultado da pandemia de covid-19. Foto: Divulgação.

Dados foram divulgados pela ATP, em comparação com o ano de 2019

JESSICA MARQUES

O número de passageiros de ônibus caiu 52% em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, em 2020.

A informação foi divulgada pela ATP (Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre) e considera os dados de demanda de 2019 para comparação.

Segundo a associação, em 2019 foram transportadas 233.645.234 pessoas nos ônibus de Porto Alegre. No ano passado esse número caiu para 112.736.258.

Conforme a ATP, o principal motivo para o recuo em 2020 foi a pandemia de covid-19. Contudo, a entidade relata uma diminuição constante no número de passageiros. Em 2018, foram transportadas 247.674.496 pessoas, enquanto em 2017 foram 265.961.740.

Para a ATP, “entre as medidas para a recuperação do setor estão a revisão das isenções e a busca de receitas extra tarifárias, revertendo em um fundo do transporte, que possa ser utilizado para custear as gratuidades e outras necessidades do serviço”.

“Dados da ATP revelam que em 2020 as empresas chegaram a transportar somente 20% da demanda em alguns períodos. Embora em um contexto difícil, a entidade reforça que foram feitos investimentos em novas tecnologias e adotadas medidas de prevenção para segurança de passageiros e funcionários. As empresas montaram um protocolo de embarque seguro, no qual adotaram medidas como o reforço na higienização dos ônibus e a disponibilização de álcool gel nos coletivos – já foram adquiridos pelas empresas privadas quase 10 mil litros do produto. “, informou a ATP, em nota.

Relembre:

Ônibus de Porto Alegre têm lotação limitada e empresas dizem que já compraram 9,6 mil litros de álcool em gel para colocar nos coletivos

“Para a higienização dos ônibus a cada viagem, nos principais terminais do centro, já foram comprados 297 mil panos para limpeza e utilizados 25,7 mil litros de produto de desinfecção, o mesmo utilizado na higienização hospitalar para garantir a eficácia. O produto também é utilizado na limpeza noturna dos ônibus, quando retornam para a garagem. O processo é auditado pela EPTC”, detalhou também.

Em relação ao investimento em tecnologias, as empresas reforçam que nos últimos dois anos foram feitos avanços como a implantação do GPS e do monitoramento por câmera em 100% da frota. Também foi lançada no ano passado a recarga expressa, que disponibiliza em até 30 minutos os créditos do cartão TRI, e a parceria com a fintech RecargaPay, possibilitando mais opções de recarga do cartão.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. DIEGO disse:

    Símples. Cada vez que sobem a tarifa e piora a qualidade do serviço, tirando horários e ônibus das linhas, o cidadão da um jeito de ir a pé, carona ou de carro. Aqui ao invés de promover e incentivar o uso do sistema coletivo, prefeituras/empresas fazem o contrário, estimulando o uso do automóvel na maioria das vezes somente com o motorista, ai gera aqueles congestionamentos diários e dizem que não tem a mínima ideia do pq de acontecer aquilo ou como resolvê-los.

Deixe uma resposta