‘Nos próximos anos nada deve acontecer com a EMTU’, diz deputado sobre conversa com Baldy

Ônibus gerenciado pela EMTU

Secretário de Transportes Metropolitanos já havia afirmado que possível extinção da gerenciadora das linhas só deve ocorrer entre dois e três anos

ADAMO BAZANI

Em sessão de homenagem ao “Dia do Funcionário Público”, realizada nesta quarta-feira, 28 de outubro de 2020, na Alesp – Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, a lei 17.293/20, fruto do Projeto de Lei – PL 529, que autoriza o governo, entre outras medidas, a extinguir empresas públicas voltou a ser tema dos discursos.

A EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, que gerencia a mobilidade em regiões metropolitanas, foi uma das companhias citadas.

Segundo o deputado Carlos Cezar (PSB), o secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, disse acreditar que nos próximos anos nada mudará no gerenciamento dos transportes com a EMTU ainda sendo mantida.

“Estive reunido com Alexandre Baldy, secretário dos Transportes Metropolitanos. Ele me pediu que tranquilizasse esses funcionários, pois a Alesp autorizou o estudo, mas ainda não há nada definitivo, ele não acredita que nos próximos anos isso aconteça efetivamente”, comentou Carlos Cezar, de acordo com nota da assembleia.

O Diário do Transporte já havia noticiado em 22 de outubro de 2020 que, durante a cerimônia de apresentação de um trem novo para a linha 13 Jade da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), Baldy tinha afirmado que a extinção definitiva da EMTU poderá ocorrer entre dois e três anos com a transferência de suas atribuições para uma agência reguladora, que no caso seria a Artesp – Agência de Transportes do Estado de São Paulo.

Relembra e ouça o secretário:

https://diariodotransporte.com.br/2020/10/22/audio-transicao-da-emtu-para-a-artesp-deve-durar-ate-tres-anos-diz-baldy/

A EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos gerencia ônibus intermunicipais metropolitanos, o corredor ABD de ônibus e trólebus operado pela Metra, o VLT – Veículo Leve sobre Trilhos entre Santos e São Vicente operado pela BR Mobilidade, a ponte ORCA de vans e micro-ônibus e os ônibus de fretamento nas regiões metropolitanas.

O polêmico projeto causou divisão entre os parlamentares e recebeu críticas de especialistas em mobilidade.

Adamo Bazani jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. JOSÉ LUIZ VILLAR COEDO disse:

    Uma das maiores ASNEIRAS de Doria é EXTINGUIR A EMTU e por a ARTESP pra fazer o trabalho específico da EMTU!

Deixe uma resposta