Empresa alemã prevê a conversão de oito mil ônibus a diesel em elétricos até 2030

Modelos fizeram testes na Alemanha

De acordo com a e-troFit, modalidade pode ser uma opção de mais baixo custo para reduzir níveis de poluição de sistemas de ônibus em operação

ADAMO BAZANI

Quando se fala em eletrificação de sistemas de ônibus, a primeira ideia que vem à cabeça é a compra de coletivos novos que, apesar de estarem mais baratos que há dez anos, ainda têm custos de 40% a 70% maiores que os modelos similares a diesel.

Mas uma possível alternativa pode ser a conversão de ônibus a combustão em elétricos.

Apesar das inovações atuais e lançamentos, na história já houve projetos e conversões de modelos a diesel para de tração elétrica, inclusive no Brasil, como com a Eletra em 2011/2012 e a CMTC – Companhia Municipal de Transportes Coletivos, em 1971, na capital paulista, que converteram veículos comuns em trólebus.

Hoje há tecnologias se expandido para mudar modelos a diesel em elétricos a bateria.

Este mercado pode ter espaços frente às necessidades das regiões metropolitanas de reduzir os níveis de ruído e emissões atmosféricas.

Na Alemanha, a e-troFit GmbH, especializada neste tipo de atividade,  informou nesta semana que planeja oito mil conversões de ônibus comuns a diesel em tração elétrica até 2030.

O número corresponde a 6% do mercado previsto de ônibus elétricos em dez anos para a Europa.

A companhia com sede Ingolstadt e escritórios em Garching, perto de Munique, emprega cerca de 50 pessoas, e garante que com o chamado retrofitting, o preço para ter um ônibus elétrico pode ficar até 50% menor em comparação à compra de um elétrico de fábrica.

“O preço dos kits de retrofit do e-troFit, incluindo a conversão elétrica de ônibus a diesel, está, dependendo do modelo do veículo e dos requisitos de autonomia e desempenho, em uma faixa de preço de cerca de 300.000 euros a 360.000 euros”. – informou a empresa em nota.

Recentemente, a empresa concluiu o desenvolvimento dos equipamentos e a tecnologia para o ônibus Mercedes-Benz Citaro C1 628045.

A e-troFit ainda apresentou um cronograma de outros modelos para desenvolver a conversão para tração elétrica.

“A partir de julho de 2021, a versão eletrificada do Mercedes-Benz Citaro C1 Facelift 628083 estará disponível. Um total de cerca de 7.500 veículos deste modelo estão em trânsito nas vias da Europa. O Mercedes-Benz Citaro C2 é o veículo com maior potencial para transportadoras e frotistas da região DACH. A partir de outubro de 2021, os kits de retrofit em série para o C2 628033 e, a partir de abril de 2022, a versão para o C2 628035 estarão disponíveis. O kit de conversão e-troFit para o modelo MAN Lion City A21 em diferentes variantes estará pronto para produção em série a partir de dezembro de 2021. e-troFit adiciona MAN como marca de veículo adicional com potencial de curto prazo em seu portfólio, e também espera um alto número de retrofits nesta área.”

Em nota, o diretor de vendas da e-troFit GmbH, Robert Reisenauer, disse que tecnicamente é possível converter qualquer modelo de ônibus diesel em elétricos.

“Teoricamente, poderíamos converter qualquer ônibus a diesel do mundo – de acordo com nossa estratégia corporativa para 2030, nos concentramos no desenvolvimento e disponibilidade de nossos kits de adaptação para os modelos mais populares na Europa” – disse no comunicado oficial à imprensa.

A conversão de ônibus a diesel em elétricos não é nova.

Em 17 de setembro de 2018, o Diário do Transporte noticiou que a ZF Aftermarket, divisão da ZF, lançou o conceito de e-troFit na Automechanika Frankfurt, Alemanha, umas das maiores feiras do setor de serviços automotivos do mundo que se encerrou no sábado, dia 15 de setembro de 2018. Trata-se de um conceito que permite a conversão de ônibus urbanos diesel usados em veículos 100% elétricos.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/09/17/zf-aftermarket-lanca-o-e-trofit-servico-de-conversao-de-onibus-diesel-em-eletrico/

CONVERSÃO BRASILEIRA:

No Brasil, ônibus a diesel também já foram transformados em modelos movidos à eletricidade.

Entre 2011 e 2012, a Eletra, empresa de capital nacional com sede em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, conseguiu converter seis ônibus articulados a diesel modelo Volvo B10M, ano 2001, em trólebus. Os veículos com carroceria Busscar Urbanuss Pluss circulam até hoje, no Corredor Metropolitano ABD, pela empresa Metra.

h-25

1- Modelo ainda com motorização a diesel

h-25a

2 – Veículo na fase de conversão

h-25b

2 – Veículo na fase de conversão

H-26

3 – Veículo já operando como trólebus

A opção por trólebus, segundo a Eletra, na época, ocorreu para aproveitar a rede aérea do corredor, mas o veículo poderia ser convertido para elétrico puro, já que a forma de tração é a mesma, só mudando a fonte de alimentação (em vez de rede aérea, as unidades poderiam ser alimentadas com baterias).

Bem antes disso, entretanto, o Brasil já havia realizado uma conversão de ônibus poluente para tecnologia sustentável.

image043

Ônibus Margirius a diesel foi convertido em trólebus pela própria CMTC

Em 1971, a CMTC – Companhia Municipal de Transportes Coletivos, da capital paulista, converteu um ônibus diesel Margirius-Deutz com carroceria Striulli para trólebus, com equipamentos Villares.

Adamo Bazani,  jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta