Retomada de atividades na capital fora do pico deve evitar aglomerações na EMTU, CPTM e Metrô, diz STM

Publicado em: 4 de junho de 2020

Algumas linhas da CPTM operam com frota total mesmo com redução de demanda, diz STM

Bruno Covas disse que notificou transportes metropolitanos. Frota de ônibus municipais será reforçada em mais de dois mil coletivos. Concessionárias de carros e escritórios podem voltar nesta sexta-feira

ADAMO BAZANI

A STM – Secretaria dos Transportes Metropolitanos diz acreditar não haver grandes impactos na demanda dos ônibus da EMTU, trens da CPTM e Metrô com a retomada gradual das atividades na capital paulista, que está na fase 2-Laranja da quarentena no Estado de São Paulo.

Como mostrou o Diário do Transporte, na tarde desta quinta-feira, 04 de junho de 2020, o prefeito Bruno Covas anunciou que a partir desta sexta-feira, 05, já estarão autorizados a funcionar com restrições de horários, medidas de higiene e distanciamento, os escritórios e os estabelecimentos de vendas de carros.

Cada local vai definir o período do dia que vai funcionar, respeitando o limite de quatro horas para ficar aberto, não podendo ser no horário de pico. Assim, os estabelecimentos não poderão abrir depois das 7h ou antes das 10h e não podem fechar depois das 17h ou antes das 20h, para não sobrecarregar os ônibus, trens e metrô.

É justamente este escalonamento de horários a aposta da STM para que não haja superlotação nos transportes metropolitanos, como diz a pasta em nota ao Diário do Transporte:

A Secretaria dos Transportes Metropolitanos (STM) está com “Operação Monitorada” desde o início da quarentena. A oferta de trens nos horários de pico chega a 100% em linhas que haja necessidade, mesmo com queda média de 70% do número de pessoas no Metrô, na CPTM e na EMTU. A retomada de atividades econômicas de forma gradativa anunciada pelo prefeito prevê a entrada e saída dos trabalhares exclusivamente fora do horário do pico – possibilitando que a STM garanta o transporte, evitando aglomerações aos esses cidadãos.

Quanto ao transporte municipal na capital paulista, atendido pelos ônibus das empresas privadas gerenciados pela SPTrans – São Paulo Transporte, Bruno Covas reiterou que serão colocados mais dois mil coletivos em bolsões. Atualmente são 8,3 mil ônibus em circulação.

A frota habitual da cidade é de quase 14 mil coletivos.

Nesta semana, a portais de mobilidade, entre os quais o Diário do Transporte, o secretário municipal de mobilidade e transportes, Edson Caram, disse que podem ser colocados à disposição uma frota superior aos dois mil ônibus extras que foram pensados para a reabertura.

Caram ainda disse que para o relaxamento e até mesmo para o pós-pandemia, devem ser feitos ajustes nos contratos com as empresas de ônibus, como a exigência de limpeza mais frequentes e rigorosas nos coletivos.

Relembre:

FROTA:

https://diariodotransporte.com.br/2020/06/02/prefeitura-de-sao-paulo-pode-colocar-reforco-superior-aos-dois-mil-onibus-prometidos-em-flexibilizacao-de-quarentena-diz-caram/

CONTRATOS:

https://diariodotransporte.com.br/2020/06/02/contratos-de-onibus-da-capital-paulista-serao-readequados-para-o-pos-pandemia/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta