Doria cede a prefeitos e divide Grande São Paulo em cinco regiões para relaxar quarentena

Publicado em: 29 de maio de 2020

João Doria em entrevista coletiva nesta sexta-feira, 29 de maio de 2020

Consórcios de municípios se queixaram do fato de só ter havido inicialmente flexibilização na capital

ADAMO BAZANI/ WILLIAN MOREIRA

O Governo do Estado de São Paulo anunciou nesta sexta-feira, 29 de maio de 2020, a mudança na divisão das cidades da Grande São Paulo para classificação de fases para que a quarentena seja relaxada nos municípios que circundam a capital paulista.

A alteração vem após reclamações públicas de prefeitos da região metropolitana, como das cidades do ABC Paulo, da região Oeste e do Alto Tietê, por exemplo, questionando os critérios adotados na classificação dos municípios quanto  a reabertura das atividades econômicas, o trânsito e a demanda de transporte que será gerada entre a cidade de São Paulo e municípios em volta.

Segundo o Governador João Dória a região metropolitana será divida em cinco regiões de Saúde e haverá análises mais específicas para a retomada das atividades econômicas.

O vice-governador Rodrigo Garcia disse que não significa mudança de fase de controle da quarentena de forma imediata, mas análise do desempenho de cada um destes grupos de cidades quanto a critérios, como transmissibilidade do vírus, evolução da doença e vagas em UTIs.

O secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, acrescentou dizendo que o principal critério será a capacidade hospitalar.

A capacidade hospitalar é um índice entre taxas de ocupação de UTI por Covid-19 total e taxas de ocupação por Covid-19 a cada 100 mil habitantes .

Taxa acima de 80%, a fase será vermelha, sem nenhuma flexibilização. Entre 70% e 80% será fase laranja, com pouca flexibilização.  Abaixo desses percentuais, serão as outras fases com mais flexibilidade.

Até terça-feira será feita a primeira aferição de dados destas cinco regiões, e os resultados que serão divulgados na próxima quarta-feira.

Doria negou que cedeu a pressões políticas de prefeitos e disse que houve diálogo.

Ao todo, a Grande São Paulo tem 38 cidades mais a capital paulista, totalizando 39 municípios.

Região Metropolitana dividida em 5 sub-regiões

Norte: Caieiras, Cajamar, Francisco Morato, Franco da Rocha, Mairporã;

Leste: Arujá, Biritiba-Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Guarulhos, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Salesópolis, Santa Isabel, Suzano

Sudeste: Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul;

Sudoeste: Cotia, Embu,Embu-Guaçu, Itapecerica da Serra, Juquitiba, São Lourenço da Serra, Taboão da Serra, Vargem Grande Paulista;

Oeste: Barueri, Carapicuíba, Itapevi, Jandira, Osasco, Pirapora do Bom Jesus, Santana de Parnaíba

 

De acordo com a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, cada fase terá um nível de restrição diferente e cita exemplo de shoppings e comércio:

“Na fase 2, a abertura do comercio e shoppings sera de 20% e com funcionamento de 4 horas.  Na fase 3 capacidade de 40% e 6 horas de funcionamento” de acordo com Patrícia Ellen

Na mesma coletiva, o prefeito da capital paulista, Bruno Covas, reforçou o que já havia declarado; apesar da permissão do Governo do Estado da retomada de parte das atividades na fase laranja de flexibilização, nada vai abrir no dia 01º de junho sem antes a definição dos protocolos de saúde e segurança. Covas disse que haverá multa e fiscalização para quem abrir sem os protocolos definidos.

“Se alguns desavisados abrirem, na segunda teremos uma fiscalização mais intensificada” – disse Covas

Como haverá um aumento da demanda de pessoas pelo transporte público, o Secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, informou que haverá um aumento da frota, chegando a capacidade máxima de 100% no horário de maior movimento para evitar aglomerações em trem e estações.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2020/05/29/transportes-metropolitanos-devem-voltar-com-100-da-frota-com-relaxamento-de-quarentena-e-trecho-de-monotrilho-vai-ser-definido-ate-sabado/

Já o prefeito Bruno Covas, da capital paulista, prometeu que serão colocados à disposição em torno de dois mil ônibus municipais.

Retomada de atividades da cidade de São Paulo terá dois mil ônibus a mais para demanda maior

Veja a coletiva na íntegra:

Como mostrou o Diário do Transporte, o Governo do Estado de São Paulo criou cinco fases de flexibilização dividas por cores.

Fase 1 (Vermelha): Alerta Máximo – Fase de contaminação, com liberação apenas para serviços essenciais (como é agora)

Fase 2 (Laranja): Controle – Fase de atenção, com eventuais liberações.

Fase 3 (Amarela): Flexibilização – Fase controlada, com maior liberação de atividades

Fase 4 (Verde): Abertura Parcial – Fase decrescente, com menores restrições

Fase 5 (Azul): Normal controlado – Fase de controle da doença, liberação de todas as atividades com protocolos de segurança e higiene.

O Estado foi dividido em 17 regiões e, segundo o Governo do Estado de São Paulo, com exceção da capital, todos os municípios da Grande São Paulo e também da Baixada Santista e de Registro permanecem na fase vermelha e não terão nenhum tipo de mudança na quarentena em vigor desde o dia 24 de março. Nas três regiões, o sistema de saúde está pressionado por altas taxas de ocupação de UTI e avanço de casos confirmados de pacientes com o novo coronavírus.

Em nota, o Governo do Estado de São Paulo relacionou os critérios e as fases da retomada da economia:

• A retomada consciente dos setores da economia começa a funcionar em 1º de junho. O Estado está dividido em 17 Departamentos Regionais de Saúde, que estão categorizados segundo uma escala de cinco níveis de abertura econômica.• Cada região poderá reabrir determinados setores de acordo com a fase em que se encontra. As regras são: média da taxa de ocupação de leitos de UTI exclusivas para pacientes com coronavírus, número de novas internações no mesmo período e o número de óbitos.

• A requalificação de fase para mais restritiva será feita semanalmente, caso a região tenha piora nos índices. Para que haja uma promoção a uma fase com menos restrições e mais aberturas, serão necessárias duas semanas.

• O Plano São Paulo dá autonomia para que prefeitos diminuam ou aumentem as restrições de acordo com os limites estabelecidos pelo Estado, desde que apresentem os pré-requisitos embasados em definições técnicas e científicas.

BOM PRATO GRÁTIS

O Bom Prato passa a ser gratuito nas 59 unidades espalhadas pelo estado de São Paulo a partir de 1º de junho por três meses, exclusivamente para moradores em situação de rua registradas nos municípios.

Adamo Bazani, e Willian Moreira, jornalistas especializados em transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta