Relaxamento de quarentena preocupa transportes e ainda não há modelos totalmente exitosos a seguir, diz Baldy

Publicado em: 15 de maio de 2020

Higienização e lotação estão entre as dúvidas

Grande quantidade de pessoas é característica de transportes coletivos. Formas de limpeza, desinfeção e lotação estão entre os grandes desafios

ADAMO BAZANI

O relaxamento, mesmo que gradual, da quarentena no Estado de São Paulo, traz preocupações à STM – Secretaria dos Transportes Metropolitanos sobre como controlar o fluxo de demanda e tomar medidas sanitárias eficientes para que não sejam justamente os trens da CPTM, do Metrô e os ônibus os grandes focos até mesmo de uma segunda onda de contágio.

E o pior: ainda não há um modelo a seguir.

No início da noite desta quinta-feira, 14 de maio de 2020, o secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, em entrevista a portais de mobilidade, dentre os quais o Diário do Transporte, afirmou que a pasta tem estudado possibilidades de adotar medidas sanitárias diferenciadas para a abertura gradual e que nos sistemas de mobilidade de outros países que já optaram pelo relaxamento da quarentena ainda não houve sucesso total nas ações de higienização e para o distanciamento social indicado pelas autoridades de saúde.

“O diálogo com os sistemas mundiais metropolitanos é recorrente, mas nós não estamos enxergando fórmulas que sejam exitosas do ponto de vista de pós-pandemia. Nova Iorque passou a higienizar o metrô diariamente, coisa que o Metrô de São Paulo já faz antes da pandemia há muitos anos. Temos até sido consultados pelos outros sistemas de transportes do mundo. Quando a França começou a abrir, o Metrô de Paris superlotou” – disse Baldy.

Segundo o secretário da gestão do governador João Doria, muito mais que a limpeza noturna completa dos trens e estações, um dos desafios é a higienização ao longo do dia de superfícies onde os passageiros tocam.

“A higienização de superfícies tem sido um desafio. Produtos estão como vimos na China aquelas lâmpadas ultravioletas e buscamos aqui para experimentar. Provou-se que são medidas eficazes nas descontaminações e o IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) demonstrou que funcionaria sim, agora estamos vendo a viabilidade econômica e operacional. Por exemplo, como podemos fazer a aplicação das luzes em cada carro (vagão) em um minuto e meio que é o intervalo em média quando um trem chega à Itaquera ou Barra Funda” – exemplificou

Segundo Baldy, um dos problemas frente à pandemia é que o transporte público é dimensionado em todo o mundo para receber um alto volume de pessoas ao mesmo tempo, lotado, mas sem estar hiper lotado.

Como mostrou o Diário do Transporte, na segunda-feira 11 de maio de 2020, um dia depois de o primeiro-ministro da Inglaterra, Boris Johnson, ter anunciado a flexibilização da quarentena, o Metrô de Londres e linhas de ônibus registraram aglomeração, inclusive com pessoas usando o transporte público sem máscara.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/05/11/metro-e-onibus-de-londres-superlotam-apos-anuncio-de-relaxamento-de-quarentena/

Se o Metrô e a CPTM que têm maior controle e ação direta do Estado já causam preocupação, a situação dos ônibus da EMTU pode ser ainda mais complicada. Isso porque, o sistema de ônibus é mais capilar, pulverizado e heterogêneo. São empresas de ônibus espalhadas por todas as cinco regiões metropolitanas do Estado e com diferentes qualidades.

Enquanto há companhias de ônibus que são consideradas referências positivas no setor em que atuam, outras prestam uma qualidade de serviço inferior, inclusive na limpeza dos coletivos.

O desafio será inicialmente quanto à fiscalização.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Se tivessem dado ouvidos ao Paulo Gil, já teriam aprendido a limpar o buzão faz tempo.

    Mas como pagar a multa por NÃO limpar é mais barato do que limpar, deu no que deu.

    Mas como existe um grande Princípio que eu aprendi aqui leno o DT, tá tudo certo.

    Poluiu pagou, sem problemas.

    “O PRINCÍPIO DO POLUIDOR PAGADOR”

    Agora segure o ônus.

    Não adianta se preocupar com isso, se liberar o isolamento não há como limpar o buzão, nem mesmo evitar a super lotação.

    Não percam tempo com isso.

    Passem alimpar o buzão que irá melhorar 100%, afinal como nunca foi limpo, qualquer limpadinha dá um índice de 100%.

    PREVISIVELLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL

    Simples, luz e robos para limpeza rápida e a seco.

    SAÚDE A TODOS!

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta