Câmara de Vitória (ES) aprova subsídio ao transporte público

Publicado em: 5 de maio de 2020

Trabalhadores da Viação Tabuazeiro estão em greve por atraso de dois meses nos salários. Foto: Carlos Gabriel Melacarne / Ônibus Brasil.

Projeto seguirá para sanção do Executivo

JESSICA MARQUES

A Câmara de Vereadores de Vitória, no Espírito Santo, aprovou um Projeto de Lei que prevê o pagamento de subsídio ao transporte coletivo municipal. A aprovação da redação final do PL 71/2020 ocorreu em Sessão Ordinária nesta terça-feira, 05 de maio de 2020.

A proposta, de autoria dos vereadores Cleber Felix, Sandro Parrini e Wanderson Marinho, autoriza a Prefeitura a instituir o Regime Emergencial de Operação e Custeio do Transporte Público Coletivo. O objetivo é contribuir para o enfrentamento econômico e social da emergência em saúde pública decorrente da pandemia do novo coronavírus.

Agora, o prefeito de Vitória, Luciano Rezende, tem até 15 dias para sancionar ou vetar o projeto. Caso a lei seja sancionada, a greve de ônibus municipais da cidade pode chegar ao fim.

Conforme já noticiado pelo Diário do Transporte, a greve na capital começou no dia 23 de abril somente com a Tabuazeiro. No dia 27, pararam os coletivos das outras empresas nas linhas municipais.

As empresas de ônibus alegam dificuldades financeiras devido à queda do número de passageiros ocasionada pela crise da Covid-19. Nesta terça-feira, 05, os ônibus também não circularam.

Relembre: Rodoviários de Vitória mantêm paralisação total nos ônibus

O sindicato dos rodoviários informou que os funcionários da empresa de ônibus Tabuazeiro estão há dois meses sem receber os salários. Na quinta-feira passada, 30 de abril, houve uma nova rodada de negociações, que terminou sem acordo entre os trabalhadores e as viações.

O Sindirodoviários informou ao portal A Gazeta que aguarda nova reunião dos trabalhadores. “Hoje pela manhã os trabalhadores entenderam em aguardar alguma manifestação do prefeito sobre alguma ajuda ou sanção ao projeto que foi aprovado na Câmara na última quinta. Amanhã teremos nova assembleia com os trabalhadores para decidir se será mantido o movimento, e se serão aceitas as propostas feitas pelo Ministério público do trabalho na audiência de ontem (04)”, informou.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta