Sérgio Moro critica restrições a transportes interestaduais por decretos de governadores

Ônibus da TransBrasil. Empresa quer fornecer informações contra as proibições.

Empresa Transbrasil quer participar de análise do STF em ação para derrubar estas proibições. Ministro ainda aponta queda de 49% nos roubos a ônibus em estradas por causa de quarentena

ADAMO BAZANI

O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, criticou em entrevista coletiva no final da tarde desta segunda-feira, 13 de abril de 2020, as restrições por parte de alguns governadores de acessos de ônibus e outros meios de transportes vindos de outros Estados.

Bahia, Maranhão, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Minas Gerais, são alguns dos exemplos de estados que impõe as restrições de acesso.

Sérgio Moro, apesar de ter dito entender os motivos dos estados e as necessidades de conter o avanço da Covid-19, defendeu que as restrições devem ser ponderadas e que elas já criaram situações complicadas.

“As restrições que vários estados colocaram sobre transporte interestadual de passageiros: Até se entende o motivo dessa medida para evitar que eventualmente um estado como o Maranhão ou um estado como Pará receba alguém infectado de outro estado. Por outro lado, muitas situações complicadas de brasileiros que, por exemplo, trabalham em São Paulo e por conta da pandemia queriam voltar ao seu estado onde está sua família e, no entanto, encontraram restrições ao transporte interestadual. Então acho que estas restrições têm de ser muito bem ponderadas, muito bem refletidas, embora nós entendamos os propósitos destas medidas. Isso tem de ser muito bem ponderado, mas tem de ser vista situação por situação. Não é possível fazer um juízo abstrato a estas restrições no presente momento” – disse Moro.

Ouça:

Ainda sobre o setor de transportes, devido às medidas de isolamento social que diminuiu o número de viagens, Sérgio Moro informou na entrevista coletiva, que a queda do número de roubos a ônibus nas rodovias em março foi de 49%.  Roubo de cargas teve queda de 19%. Os acidentes em rodovias federais caíram mais de 20%, o que ajuda a aliviar os sistemas de saúde.

TRANSBRASIL QUER PARTICIPAR DE JULGAMENTO SOBRE RESTRIÇÃO A ÔNIBUS INTERESTADUAIS:

O impedimento por parte de alguns governadores do acesso de ônibus e de outras formas de transportes de outros Estados foi parar no STF –Supremo Tribunal Federal.

A empresa Transbrasil – Transporte Coletivo Brasil, que opera linhas de ônibus rodoviárias interestaduais, pediu ao STF para participar da análise sobre a ação movida pela CNT – Confederação Nacional do Transporte contra os decretos de governos estaduais que proíbem veículos de outros estados em seus territórios, como medida de isolamento social para evitar o avanço do novo coronavírus, que surgiu na China e em semanas se alastrou por todo mundo.

A ADPF – Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, número 665, que em resumo questiona a constitucionalidade das medidas por parte dos governadores, foi movida pela CNT – Confederação Nacional do Transporte e já teve manifestações da ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres e AGU – Advocacia Geral da União contra as proibições de acessos. Ambos os órgãos defenderam que os serviços interestaduais e internacionais de cargas e passageiros são de competência da União e não dos estados.

O relator da ação é o ministro Luiz Fux e não há data para decisão.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/03/30/agu-e-antt-pedem-que-supremo-reverta-decisao-que-permite-governadores-impedirem-transportes-interestaduais/

A empresa quer participar como amicus curiae, que em livre tradução quer dizer “amigo da corte”.

Segundo a jurista Esther Maria Brighenti dos Santos, em artigo no site especializado “Jus.Com”, amicus curiae é uma pessoa, entidade ou órgão, com profundo interesse em uma questão jurídica, na qual se envolve como um terceiro, que não os litigantes (participantes da ação), movido por um interesse maior que o das partes envolvidas no processo.

Assim, a figura do amicus curiae, se aceita pelos juízes, pode ajudar com informações técnicas e pareceres.

O advogado da Transbrasil, Anderson Gama, criticou a decisão dos governadores.

“Não estamos num estado de sítio, assim, não podem os governantes estaduais e municipais se valerem do subterfúgio da pandemia para invadir competência de matéria, praticar ilegalidade e cercear direitos constitucionais, afinal, ainda estamos num Estado democrático de direitos e não numa ditadura ou monarquia absolutista” – defendeu.

Como mostrou o Diário do Transporte, o ministro do STF, Marco Aurélio Melo, atendeu em 24 de março de 2020, ação do PDT e liberou os estados e municípios a adotar medidas de restrição de circulação, como fechar portos, rodovias, rodoviárias e até aeroportos, como medidas de contenção ao avanço do coronavírus.

A ação foi contrária a uma medida provisória do presidente Jair Bolsonaro, de 20 de março de 2020.

Mas no entendimento de Marco Aurélio, a MP 926/2020, que considerou o transporte rodoviário interestadual entre as atividades essenciais e que não poderiam ser impedidas por governadores e prefeitos, não afasta a liberdade de os Estados e Municípios de tomarem suas medidas.

“Descabe a óptica no sentido de o tema somente poder ser objeto de abordagem e disciplina mediante lei de envergadura maior. Presentes urgência e necessidade de ter-se disciplina geral de abrangência nacional, há de concluir-se que, a tempo e modo, atuou o Presidente da República – Jair Bolsonaro – ao editar a Medida Provisória. O que nela se contém – repita-se à exaustão – não afasta a competência concorrente, em termos de saúde, dos Estados e Municípios”

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/03/24/stf-libera-estados-para-fechar-rodovias-portos-rodoviarias-e-ate-aeroportos-contrariando-mp-de-bolsonaro/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. vagligeiro disse:

    Nunca imaginei ler TCB e Sérgio Moro na mesma notícia.

  2. narlon braga disse:

    Vejam a situação! Não está havendo linhas para o Nordeste. Mas,vários ônibus piratas estão rodando . A fiscalização dos estados, pela primeira vez, está atuando , pela situação de saúde pública. Como este país não tem estrutura de saber quem está com o vírus, todos ficam tolidos de viajar.

  3. rodblackcharm disse:

    Muitos estão usando politicagem pra comer a grana da união, e depois quando passar dever mais ainda, vergonha.

  4. RodrigoZika disse:

    Muitos estão usando a politicagem pra pegar a maior quantidade possível de dinheiro do governo federal, e lá na frente não conseguir pagar, vergonha.

  5. Transbrasil não é empresa. Vende uso de suas duvidosas liminares. Não deveria ocupar esse espaço. Principalmente, num momento que precisamos de pessoas qualificadas discutindo o futuro do setor.
    Paulo Lima.

  6. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Esta matéria realmente é super interessante; pois ela é a prova cabal do que o zilhão de leis existentes no BarsiLei, provoca diariamente na gestão pública e privada do BarsiLei.

    Afinal de quem é a competência?

    A TB é uma empresa regulamentada?

    Se a TB pode por que a BUSER não pode?

    Estamos em estado de sítio?

    O buzão é caro porque o salário mínimo é baixo?

    Ou

    O salário minimo é baixo porque o buzão é caro?

    Meeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeuuuuuuuuuu Deus!

    Será que ninguém ainda entendeu o recado do COVID-19?

    O recado é simplifiquem as coisas, tá provado que tudo pode ser feito de forma mais simples e prática, o que ainda não está provado vai ser provado.

    Portando cabe a UNIÃO determinar a eliminação de 95% do zilhão de Leis e estirpar o desperdício do dinheiro do contribuinte.

    Não há formulas complexas e muito menos milagres.

    Basta simplificar o volocar o BarsiLei pra rodar.

    O COVID-19 é uma pandemia; portanto não precisa ser formado em nenhuma universidade para saber que a competência é FEDERAL.

    Sim FEDERAL em todos os sentidos, afinal quem vai pagar a CONTA é o governo FEDERAL, apesar dos governadores e prefeitos estarem mandando e desmandando na hora H, o PAIZÃO será o governo FEDERAL, aonde já estão correndo para chorar a exemplo da frente de prefeitos e outros.

    É simples se a TB opera, a BUSER também opera; ou ninguém opera, liminar é remédio para casos de muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiita especificidade.

    Portanto cabe ao Congresso Nacional e todos os poderes existentes a simplificar a coisa e fazer a UNIÃO FUNCIONAR, chega desse condemônio de quinta categoria.

    SIMPLIFICAR E EVOLUIR ESSA É A MENSAGEM DO COVID-19.

    Portanto sigam as ordens do COVID-19:

    SIMPLIFIQUEM, TRABALHEM, NÃO CHOREM, SEJAM EFICIENTE E EFICAZES, PRODUZAM E DEIXEM O BARSILei RODAR E OS BRASILEIROS SEREM FELIZ.

    CARAMBA SERÁ QUE É TÃO DIFÍCIL FAZER A COISA CERTA?

    Ou será que precisa vir o COVID-99 para a coisa andar.

    Não se esqueçam, apesar das reclamações do Paulo GIl, o buzão só foi limpo internamente com o apoio do COVID-19; agora para eliminar o desperdício do dinheiro do contribuinte e 95% do zilhão de leis do BARSILei será preciso vir o COVID-99.

    Não esperem, comecem já a transformar o BARSILei em BRASIL.

    SAÚDE A TODOS!

    Att,

    Paulo Gil

  7. vagligeiro disse:

    Se há alguém “tio eleitor do bolsonaro” que é prolixo pra caramba, este alguém é o Paulo Gil

Deixe uma resposta