Coronavírus: Presidente do RioÔnibus afirma que transporte coletivo pode parar a partir de sexta no Rio de Janeiro

Ao todo, mais de 26 mil rodoviários trabalham no sistema. Foto: Divulgação.

Cláudio Callak afirma que, sem ajuda do poder público, empresas não conseguem custear despesas

JESSICA MARQUES

O presidente do RioÔnibus, sindicato das empresas de ônibus do Rio de Janeiro, Cláudio Callak, afirmou que o transporte coletivo pode parar a partir de sexta-feira, 27 de março de 2020.

“Depois de seguir todas as determinações do poder público fielmente, não temos mais como suportar o pagamento de insumos básicos como óleo diesel e folha de pagamento de aproximadamente 26 mil famílias que são os nossos rodoviários”, afirmou Callak.

Além disso, o presidente do RioÔnibus fez também um apelo ao poder público e a órgãos competentes, para que a crise seja superada em conjunto.

Assista:

NOTA

O RioÔnibus também divulgou uma nota sobre a situação das empresas de ônibus no Rio de Janeiro. Confira:

O Rio Ônibus adotou todas as medidas estipuladas pelo poder público e até se antecipou para tentar manter o emprego dos mais de 26 mil rodoviários e o transporte público por ônibus, neste momento tão difícil para todos. Porém, sem ajuda do poder concedente, as empresas de ônibus não têm mais condições de operar a partir dessa sexta-feira (27).

O setor de ônibus que está entrando em completo colapso total com o agravamento da crise por conta da pandemia do conronavirus, na última terça-feira (24) registrou queda da demanda de passageiros de 72,6%. Hoje a queda é ainda maior. Com o baixíssimo número de pessoas embarcando e sem nenhuma ajuda das autoridades, diferentemente de como acontece em São Paulo, as empresas não têm mais condições de manter a compra de combustível e os salários dos rodoviários.

O Rio Ônibus está totalmente aberto ao dialogo e espera que o poder publico apoie o transporte publico por ônibus neste momento de suma importância para o combate ao Covid-19.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta