Metrô adia licitação para projeto básico da linha 19-Celeste entre São Paulo e Guarulhos

Abertura das propostas foi remarcada para 06 de maio

ADAMO BAZANI

A companhia do Metrô de São Paulo adiou para o dia 06 de maio de 2020 a data da entrega de propostas para a concorrência de elaboração do projeto básico da linha 19-Celeste entre as estações Anhangabaú e Bosque Maia, ligando São Paulo e Guarulhos.

A data inicial era 06 de abril, mas devido ao avanço do coronavírus no Brasil, principalmente em São Paulo, todo o tipo de aglomeração e atividade não essencial foi suspenso.

De acordo com publicação oficial desta terça-feira, 24 de março de 2020, todos os documentos e certidões obtidos para a sessão de 06 de abril continuarão valendo.

Como mostrou o Diário do Transporte, a Companhia já havia dado um passo importante na tão aguardada linha prevista para ligar Guarulhos, na região metropolitana à região central da capital paulista, ao emitir em 6 de dezembro de 2019 Ordem de Serviço para o início dos estudos de Mapeamento de Cadastro de Interferências. Relembre: Metrô dá início a estudos da linha 19 que vai ligar Guarulhos ao Anhangabaú e prevê projeto básico para 2020

Segundo a estatal, a “etapa é uma das mais importantes entre os trabalhos que precedem a implantação de uma linha de metrô.”

As ações começaram naquela semana e tinham o objetivo de “identificar as redes de utilidades públicas de infraestrutura urbana ao longo do trajeto previsto inicialmente.”

Sem estes estudos, é impossível iniciar o projeto básico que, segundo o Metrô, seria contratado ainda em 2020, o que já é concretizado hoje por este Aviso.

O trecho Bosque Maia (Guarulhos) – Anhangabaú deve ter 15 estações em 19,4 km, de acordo com o Projeto Funcional.

Após a elaboração do projeto básico, os próximos passos são definir as fontes de recursos financeiros e contratar os Projetos Executivos, para só assim as obras terem início.

O Metrô não informou na nota a previsão para que a linha esteja em funcionamento, mas destacou em que consistem estes estudos.

“As atividades começam nesta semana e servirão para identificar as redes de utilidades públicas de infraestrutura urbana ao longo do trajeto previsto inicialmente. Isso garante mais precisão na previsão de interferências para a construção da linha, permitindo mais assertividade nos projetos de remanejamentos de redes como de abastecimento de água, esgoto, energia e galerias de águas pluviais, bem como de outros serviços públicos.”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. peter disse:

    A população merece e precisa tanto desse transporte e massa pois que sofrem por não termos um transporte digno Para nos locomover Perdemos muito tempo no trânsitos e nos engarrafamentos perdendo o que é mais valioso em nossas vidas o “tempo” e além de que com o aumento das frotas dos carros vem junto o aumento da poluição. Resumindo o que se perde é tempo de vida e qualidade.

Deixe uma resposta