JTP é homologada para operar o transporte público de Bragança Paulista

Publicado em: 16 de janeiro de 2020

Empresa opera em Embu das Artes e participa de outras licitações

Como já tinha mostrado o Diário do Transporte, empresa do Grupo Belarmino e Sancetur foram desclassificadas

ADAMO BAZANI

A prefeitura de Bragança Paulista, no interior de São Paulo, homologou nesta quarta-feira, 15 de janeiro de 2020, a empresa “JTP – Transportes, Serviços, Gerenciamento e Recursos Humanos Ltda”, na licitação para operação das linhas municipais.

A empresa deve assumir em até seis meses e ofereceu a menor tarifa de remuneração na concorrência: R$ 4,69, que é o valor que será recebido por passageiro transportado. Se o valor pago nas catracas pelo usuário for menor, a prefeitura terá de subsidiar a prestação do serviço.

Em primeira mão, o Diário do Transporte já tinha mostrado em 7 de janeiro de 2020, que a prefeitura desclassificou as empresas “Carretero – Agência de Viagens, Turismo e Fretamentos”, de Belarmino de Ascenção Marta, e a “Sancetur – Santa Cecília Turismo Ltda”, de parte da família Abi Chedid.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/01/07/braganca-habilita-jtp-e-inabilita-empresa-de-belarmino-e-sancetur-em-licitacao-do-transporte/

Com isso, a empresa Nossa Senhora de Fátima deixará Bragança Paulista.

Entretanto, há ainda a possibilidade de recursos na esfera judicial contra o resultado caso as empresas perdedoras queiram contestar o resultado.

A JTP que, segundo a Jucesp – Junta Comercial do Estado de São Paulo pertence a Paulo Henrique Wagner e Tadeu Wagner Júnior, opera desde outubro de 2019 o transporte municipal de Embu das Artes, na Grande São Paulo, e tem sido figura comum em diversas licitações de transportes.

Como mostrou o Diário do Transporte, a companhia participa da disputa pelo sistema de Porto Velho, em Rondônia, onde deve apresentar a documentação revista para continuar na concorrência.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/12/20/jtp-transportes-tem-prazo-ate-10-de-janeiro-para-apresentar-nova-documentacao-em-licitacao-em-porto-velho-ro/

A empresa também entrou com recursos para bloquear as licitações de São Bernardo do Campo e do sistema de Vila Luzita, em Santo André, ambas no ABC Paulista.

Já a Carretero e a Sancetur são de grupos que travam uma verdadeira queda de braços pelos transportes no interior paulista.

A rivalidade se intensificou desde que a empresa Citi – Companhia de Transportes de Indaiatuba, cuja razão social é Viação Rápido Sumaré, de Belarmino, foi descredenciada em janeiro de 2018 pela prefeitura de Indaiatuba, que alega que a companhia descumpriu uma série de cláusulas, como operação de ônibus antigos, má conservação da frota, atrasos e quebras constantes.

A empresa que assumiu no lugar foi justamente a  Sancetur – Santa Cecília Turismo Ltda, em um contrato emergencial. Houve uma licitação para a operação de um contrato regular, cuja vitória foi atribuída pela prefeitura à Sancetur. Mas em 31 de julho de 2019, a juíza Erika Folhadella Costa, da Terceira Vara Cível da cidade atendeu ação da West Side Turismos e Viagens Ltda e suspendeu os efeitos da licitação até esclarecimentos sobre a concorrência. A West Side pertence a Belarmino. No dia 30 de agosto de 2019, o juiz José Maria Câmara Junior, da 8ª Câmara de Direito Público de Indaiatuba, no interior de São Paulo, negou recurso da Sacentur e manteve a suspensão. A empresa de parte da família Chedid continua operando emergencialmente.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/08/30/justica-nega-recurso-da-sancetur-e-mantem-decisao-que-suspendeu-licitacao-de-indaiatuba/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta