Empresas que participaram de licitação da CPTM para contratação de vigilantes devem detalhar propostas até segunda, 21

Publicado em: 18 de outubro de 2019

Estatal definiu as licitantes mais bem classificadas após disputa em pregão eletrônico realizado ontem, 17

ALEXANDRE PELEGI

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) realizou nesta quinta-feira, 17 de outubro de 2019, a sessão pública do pregão eletrônico para a contratação de serviços de Vigilância e Segurança Patrimonial nas instalações e trens da CPTM, divididos em quatro diferentes lotes.

Segundo informações da estatal, encaminhadas ao Diário do Transporte, houve participação de empresas na disputa no pregão eletrônico. Ao final, a Companhia definiu as licitantes mais bem classificadas.

A CPTM não revelou os nomes das concorrentes, nem os valores das propostas, o que deve se tornar público com a publicação da Ata do certame.

Até a próxima segunda-feira, 21 de outubro, segundo a Companhia, as empresas deverão apresentar as planilhas detalhando suas propostas, para permitir a realização das próximas etapas da licitação.

Somente após o cumprimento de todas as etapas do processo licitatório, e conforme análise da CPTM, serão homologados os vencedores.

HISTÓRICO

Como mostrou o Diário do Transporte, a CPTM decidiu contratar vigilantes para prestação de serviços de vigilância e segurança patrimonial.

O aviso de licitação saiu publicado no Diário Oficial do Estado de 03 de outubro de 2019, prevendo a realização de pregão eletrônico no dia 17 de outubro para o serviço, distribuído em 04 lotes.

A Sessão Pública de processamento do Pregão Eletrônico de fato aconteceu como previsto e na data marcada, realizada por intermédio do Sistema Pregão Eletrônico de Contratação – BEC/SP.

A licitação vai ao encontro do que afirmou em 30 de julho deste ano o presidente da CPTM, Pedro Moro. Em um encontro com portais especializados em mobilidade urbana, dentre os quais o Diário do Transporte, Moro afirmou que a Companhia de Trens deveria lançar ainda neste ano uma licitação para ampliar o número de vigilantes privados nas estações e nas composições. Relembre: Licitação da CPTM vai prever mais agentes de segurança e vigilância dentro dos trens, diz Pedro Moro

Entre os maiores problemas relacionados à segurança está a presença dos ambulantes, principalmente dentro dos trens.

Além do comércio ilegal, muitos ambulantes têm se envolvido em casos de agressões mútuas com seguranças, funcionários das áreas operacionais (como maquinistas) relatam ameaças e há investigações policiais sobre o possível envolvimento de alguns vendedores em atividades criminosas, como roubo, fraude à bilhetagem eletrônica e até tráfico de drogas.

Nos trens, vendem-se muitas coisas: eletrônicos (a maioria de qualidade duvidosa), água, doces, salgadinhos, acessório de celulares, carteiras, pomada para dor muscular e, em alguns horários, principalmente aos fins de semana, até cerveja é vendida, inclusive para adolescentes, sem qualquer cerimônia.

Nos horários em que a lotação é menor e dá para andar dentro dos vagões (o nome técnico correto é carros), às vezes fica difícil até conversar no trem ou falar ao celular: dois ou mais “marretas” (como alguns se intitulam) gritam vendendo produtos diferentes.

No encontro com os portais de mobilidade, o presidente da CPTM reconheceu que a companhia constatou nos últimos anos aumento no número de ambulantes.

“O fato é que nos últimos anos houve um crescimento no número de ambulantes muito acima da capacidade de atuação do corpo de vigilantes de segurança presente hoje. A gente deu uma efetividade maior nestes primeiros meses, que vai ser ainda maior ao longo dos próximos meses com o contrato que deve ser lançado em breve. Nossa programação é para este ano.” – disse Pedro Moro.

O presidente da CPTM ainda disse que o contrato deve contemplar mais agentes de segurança dentro dos trens e que o treinamento destes profissionais vai se assemelhar aos ministrados para os seguranças próprios da companhia.

A gente vai ter uma efetividade maior da presença destes agentes, principalmente dentro dos trens. O que a gente tem programado para este contrato é uma proximidade maior em relação ao treinamento e ao final eles [vigilantes contratados] vão atuar para auxiliar melhor nosso corpo de segurança” – disse.

No dia 27 de maio deste ano, com base na Lei de Acesso à Informação, o Diário do Transporte mostrou que em 2018, a CPTM apreendeu mais de dois milhões de mercadorias de vendedores ambulantes. O número é 15% maior em relação a 2017.

Ao todo, foram feitas 50,8 mil abordagens em 2018 para a apreensão das mercadorias. O número de retenções foi ligeiramente superior aos 49,2 mil casos registrados em 2017.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/05/27/em-um-ano-cptm-apreende-mais-de-2-milhoes-de-mercadorias-de-vendedores-ambulantes/

Além da questão dos vendedores ilegais, há problemas relacionados à segurança como evasão de tarifa (pessoas que pulam muros e grades para não pagar passagem) e denúncias de venda e consumo de drogas em alguns pontos perto das linhas, já nas faixas de domínio da CPTM.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. António aurilane ribeiro da silva disse:

    Como fazer pra cicandidata pra uma vaga de vigilânte

  2. Josué Pereira de Lima disse:

    A quem interessa esse tipo de serviço? Já que os terceirizados não tem autoridade policial… deveria abrir concurso e colocar mais policiais ferroviários…a CPTM virou terra de ninguém…os terceirizados sempre arrumam confusão na composição deixando os passageiros em situações desconfortável.

    1. Ismael Junior disse:

      Do jeito que estão querendo privatizar tudo vai ser bem difícil abrir concurso na CPTM

      1. Maria ap.l.da Silva disse:

        Eu Maria vou deixar minha indignação acho errado vigilante ter que entrar dentro dos trens e pegar as mercadorias de ambulantes isso é trabalho para policiais segurança não é polícia. Segurança é pra tomar conta do patrimônio que é a mesma estação. Não ficar correndo atrás de ambulantes sei que eles vão com medo do desemprego. Mas estão errados essa é minha opinião

    2. Plinio Integral disse:

      De onde vc tirou isso? Com que certeza vc diz isso?? Vc está completamente equivocado, Zé! Venha trabalhar de vigilante nas plataformas da CPTM.. Aí vc terá uma visão real do que a gente passa; aturar marginais e bêbados urinando e usando drogas ao lado de crianças e mulheres (pode ser sua esposa e filhos), ameaças e indiretas constantes, pressão por parte dos concursados e dos nossos supervisores. E se o trem atrasa somos nós que ouvimos xingamentos. Já os tais guardas da própria CPTM são os que mais se envolvem em casos de agressão, muitas vzs sem nem saber direito o que se passa. Se informe melhor antes de falar besteira e cometer injustiça. O vigilante está ali para proporcionar ou tentar, uma experiência MENOS RUIM dentro da estação para o usuário; somos nós que damos o primeiro atendimento para mal súbito, informações, separamos briga, orientamos indivíduos com aparelho de som alto dentro dos vagões, etc.. Raramente vc vê um guarda da própria CPTM fazendo isso! Vc não sabe nem 1% do que um terceirizado passa ali, então não fale asneira!

    3. Jair Rodrigues Souza disse:

      Policiais Ferroviários, são agentes de segurança, fazem curso de vigilante na provig, ao meu entender tem o mesmo poder do vigilante, não vejo diferença alguma

  3. Deco disse:

    a podridão que é o Sistema ferroviário chamado CPTM principalmente as condições e qualidades que não existem é um verdadeiro Inferno todos os dias Pegar Trem é atrasos, plataformas não adequadas é vendedores Ambulantes é uma bagunça tremenda tanto de dia e pior ainda a noite e ainda finais de semana sábado Domingo e Feriados onde é uma tremenda bagunça é agressões físicas o Tempo todo contra os agentes de seguranças tanto concursados contra os terceirizados.
    São vários os problemas a serem tratados:
    1- Esse tipo de “comércio” sem autorização do Metrô/CPTM, não é permitido.
    2- A forma como esses “vendedores” abordam as pessoas incomodam a maioria, falando alto, jogando as coisas no colo até de quem não vai comprar.
    3- Problema de desemprego não se resolve agindo de maneira irregular.
    4- A origem das mercadorias são duvidosas, principalmente aquelas de produtos/acessórios eletrônicos. Provavelmente sem nota fiscal, muitas vezes “pirata”, que financiam o crime organizado e o “vendedor” desconhece ou finge desconhecer e na verdade sabem de onde vem.
    5- Todos os “vendedores” sabem que estão agindo de maneira irregular e alguns ainda se voltam contra os funcionários concursados e Terceirizados, ofendendo e até agredindo, quando estão no exercício legal das suas funções.
    6- Essa atividade incentiva a muitos adultos explorarem crianças, solicitando doações alegando necessidades.

    Condeno totalmente o comércio dentro da CPTM e do Metrô porque ele é considerado irregular, independentemente da procedência da mercadoria, o comércio é proibido.Uma vez liguei no número que está no trem para denúncias, até que foi rápido o atendimento, estava na linha da CPTM, achei um absurdo, o trem cheio e com tantos ambulantes se sentido donos do pedaço, importunando a todos com seus vai e vem, fora a gritaria, bom o que mais me revoltou foi os seguranças agirem certo e os marreteiros ter jogado os passageiros contra os seguranças e é assim todos os dias e até agridem os seguranças e não respeitam ninguém. E todo mundo sabe que a mercadoria não é nada adquirido em atacados, é distribuído por quadrilhas que roubam as mercadorias em estradas e usam esse comércio pra financiar o tráfico de drogas ou você acha coincidência que eles entrem em bando dentro dos trens e fiquem se comunicando o tempo todo por whatsapp?e fazendo emboscada para agridirem e matarem os seguranças que cumprem com suas funções e deveres,os marreteiros que são irregulares fazendo a distribuição da mercadoria dentro do trem, são vários e vários deles todos em conjunto em locais determinados. Esses indivíduos andam inclusive armados de faca, pedra, e Pedaços de Pau para atacar os seguranças, e usam artifícios desconhecido para arrombar as portas dos trens para poder circular de um vagão para o outro na linha doze principalmente. É simplesmente absurdo o que acontece e o grau de irritação é extremamente exagerado,o incomodo que causa na viagem dos usuarios uma pessoa gritando dentro do vagão e colocando os produtos sobre as pernas dos outros, só que o medo é muito grande eles ameaçam e até agridem principalmente quando estão com efeitos de alguma substância fazem até uso de drogas nos fundos das plataformas, Além de grande parte desses comerciantes serem agressivos e ter envolvimento com o crime, é uma venda intimidadora e agressiva e são
    irregulares e fazendo sujeira nos trens.A maioria das mercadorias são de origem duvidosa ,e os marreteiros são barulhentos e mau educados.”sera mesmo que eles compram em atacado”,.Sou totalmente contra a venda de bebidas dentro do trem e metrô porque muitos que estão indo para festas e baladas acabam ficando muito agressivos e violentos, a maioria destes ambulantes irregulares são ex presidiários, a maioria não paga a condução fazem invasão de renda no fundo das plataformas para estar ali praticando roubos de celulares e praticando o vandalismo com pichação e depredação do patrimônio público,Marreteiros irregulares comercio irregular, todos eles pulam a estação.A maioria dos produtos são de origem duvidosa, é só você ir perguntar a uma pessoa que trabalha em mercado próximo a qualquer estação das linhas de trem que eles te dirão que os itens mais furtados são chocolates e itens que são vendidos nos trens, eles são barulhentos e mau educados, os guardinhas da CPTM nada fazem, quando fazem são hostilizado e jogados contra a população e agredidos e ameaçados por esses marreteiros. Não vejo a hora de criarem uma lei para que esta pratica seja um crime.
    Esses caras irritam muito! Quem pega todo dia o trem e metrô ja deve estar saturado disso.não adianta dizer que fone de ouvido resolve porque não resolve absolutamente nada. Já chega dessa palhaçada. Que o governo extermine esse comércio ilegal e arrume uma lei criminal contra o comércio dentro dos trens da CPTM e METRÔ,a outras maneiras de gerar emprego e renda pra população. E o imposto nunca é roubo, o roubo é o desvio do imposto.

    1. Alessandro Alex disse:

      Na verdade ser cada pessoa colaborar. já vai ajudar muito tanto cptm como metro , mas verdade e que a população não ajudar o sistema e nem eles mesmo que precisa dos trens em querquer região tanto p trabalhar como p passear com familiares. Vamos colaborar ai sim o sistema vai ficar melhor em todos os sentido tanto p usuários como p os funcionários vamos ter o bom senso si colocar no lugar do outro ai sim vai sentir na pele . Eu casei de ver gente pegando trem às. 4:00 hs da manhã imaginei nso e para todos que quer sai de casa esse horário p trabalhar. Ai veja So o cara chegar às. 9 hs e a hora que conseguir acordar p pedi entrar no trens começar o chororo de pediçao uma história comovente para arrancar dinheiro dos usuários que tá ali p trabalhar às. 4 hs da amanhã bater cartão de ponto na entrar. E depois na saída. Ainda com chefe o dia. Todo cobrando serviço a ser feito .será que todos tão preparado para jornada de cobraça pessoal vamos pensa nisso Ficar para. Nós todos pedir ficar mas faço não tem chefe p mandar e nem cartão de ponto né. Vamos colaborar e não sustenta vagabundos tempo todo pedindo com conversar fiada. Isso quer é a verdade. Bater cartão não e p todos só. P quem que compromisso

      1. Daniel Dos Santos Araujo disse:

        Meu Deus! Quanta bobagem! Falta concordância verbal e nominal em tudo que vc escreveu. A pontuação está horrível. Volta pra escola urgente. Vá estudar. Quanta ignorância!

  4. Neto do Nascimento Silva disse:

    Na minha opinião deveria ter um salário digno para nós vigilantes,eu treino jiu-jitsu e pratico tiro esportivo, tenho que me sacrifícar para estar preparado para o pior. Mesmo assim, ninguém respeita nós vigilantes, pelo simples fato de não sermos políciais, não entendem que as nossas atividades são complementares às atividades da segurança pública.

  5. Neto do Nascimento Silva disse:

    Outra coisa; vigilante faz aquilo que o contratante fala,mas infelizmente quando sai do trabalho,sai desarmado sem direito a legítima defesa,mas infelizmente a culpa são dos parlamentares,salvo engano, já é o terceiro decreto do Presidente que os parlamentares derrubam.

  6. Denilson Alves da Silva disse:

    Que empresa pegou a cptm agora?

    1. Dario Gomes disse:

      Albatroz Segurança e Vigilancia Ltda

Deixe uma resposta