Iniciativa privada se une para buscar soluções para a mobilidade urbana

Publicado em: 29 de agosto de 2019

Empresas do segmento de transporte se reuniram em agosto para pensar em soluções de forma conjunta e sustentável para a evolução dos grandes centros urbanos. Foto: Adamo Bazani (Diário do Transporte) – Clique para ampliar

São Paulo, 30 de agosto de 2019 – Cidades inovadoras são as que discutem seus problemas e buscam soluções integradas com os diversos setores da sociedade. A mobilidade urbana é um dos grandes desafios das grandes cidades e o tema tem ganhando cada vez mais importância, tendo em vista que o tempo gasto com deslocamento e o modo como ele é feito interfere diretamente na qualidade de vida das pessoas.

Representantes das empresas do segmento de transporte, por iniciativa do Google, se reuniram no mês de agosto para trabalhar de forma integrada e pensar em soluções de forma conjunta e sustentável para a evolução dos grandes centros urbanos. Além da Autopass, que gerencia o Cartão BOM na Grande São Paulo, empresas de aluguel de carros, aplicativos de serviços, montadoras, além de membros de empresas que fazem o transporte público e especialistas em trilhos estão focados em torno do tema e buscam somar esforços para criar soluções mais eficientes e organizadas que melhorem o deslocamento nas cidades.

“O envolvimento de todos os setores da cadeia que envolvem a mobilidade é um passo importantíssimo para o surgimento de novos projetos que vão gerar crescimento sustentável para as cidades e qualidade de vida para seus moradores. Tudo isso levando em consideração o tempo de deslocamento e como esse tempo pode ser melhor aproveitado pelos usuários”, destaca Othavio Parisi, superintendente da área Institucional e de Expansão da Autopass.

A proposta não é só melhorar o trânsito, mas também tornar o trajeto mais eficaz, criando oportunidades para que as pessoas possam aproveitar este tempo de forma mais produtiva. Uma pesquisa realizada em conjunto pela Universidade de Brasília, universidades Federais de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul, além da Oxford Brookes University, da Inglaterra, aponta que a mobilidade urbana precária afeta negativamente a qualidade de vida e o bem-estar e que são necessárias medidas para permitir aos cidadãos uma mobilidade urbana saudável.

Com mais de 80% da população brasileira vivendo nas grandes cidades é fácil de entender como o adensamento gera uma série de desafios. O crescimento de forma acelerada e desordenada gerou problemas de infraestrutura que requerem investimentos pesados como é o caso do transporte público. “Mas esse desafio não é só do setor público. A iniciativa privada, por meio dos vários setores envolvidos, precisa tomar a dianteira e buscar soluções para inovar e atender às demandas existentes”, observa.

De acordo com o levantamento, é necessário reduzir o tempo de deslocamentos pelas cidades e ampliar e integrar as opções de deslocamento, a exemplo do que vem sendo feito com as bicicletas e patinetes. A pesquisa ressalta que o padrão de mobilidade urbana influencia na qualidade de vida e na saúde física e mental e que investimento em infraestrutura urbana e novos modais diminui o custo de tratamento de saúde, pois diminui o risco de doenças associadas ao estilo de vida como obesidade e diabetes.

Para o executivo da Autopass, embora o desafio seja grande, as empresas do setor estão no caminho certo e envolvidas na busca por soluções. “Iniciativas como as que temos visto na Grande São Paulo, como a integração dos diversos modais (ônibus, metrô, trem, bicicletas e patinetes), o uso de aplicativos como o VouD, que fornece informações em tempo real, além do sistema de bilhetagem do Cartão BOM gerenciado pela Autopass, têm produzido importantes avanços e gerado dados para entender o comportamento dos usuários. O que precisamos agora é ampliar a discussão e avançar com o desenvolvimento e a adoção de novos serviços”, completa.

Sobre a Autopass:

Autopass é uma empresa de soluções e serviços para a mobilidade urbana. Atualmente, gerencia 3,3 milhões de transações diárias na Região Metropolitana de São Paulo e possui mais de 9 milhões de clientes cadastrados no Cartão BOM (bilhete de transporte da região metropolitana de São Paulo) e em outros cartões do Sistema Autopass. A empresa é referência no desenvolvimento de soluções tecnológicas e inovadoras para o transporte coletivo, que facilitam a vida do cidadão e contribuem para a construção de cidades inteligentes. Em 2017, foi eleita como melhor “operadora de sistema de bilhetagem” pelo quinto ano consecutivo pela revista Maiores do Transporte & Melhores do Transporte. Recentemente foi contemplada no ranking das 100 empresas mais inovadoras do país pelo Prêmio Whow! Inovação 2018.

Comentários

  1. Rodrigo Zika! disse:

    Na verdade a iniciativa privada precisa ter novas ideias de parcerias pra prefeitura de SP que tem um prefeito poste, porque quem sabe sairia alguma obra decente pra corredores novos de ônibus, quero ver quem será o prefeito que terá culhão pra tirar os táxis dos corredores, vergonha.

  2. Antonio carlos palacio disse:

    São Paulo tem alguma coisa contra corredores de ônibus, não constroem, não terminam , não conservam os poucos que tem, aí vereadores são donos dos corredores é autorizam todos a usarem.

  3. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa tarde.

    Há alguns anos atrás ao atravessar a avenida Rebouças no cruzamento com a Avenida Henrique Schauman, na faixa de segurança seguia na minha frente uma moça que tinha uma tatuagem na batata da perna com a seguinte frase.

    “FOCO, FORÇA E FÉ”

    No assunto mobilidade, está faltando FOCO.

    Todas as ações descritas na matéria são apenas marketing social.

    A iniciativa privada visa LUCRO, mesmo com essa balela social.

    O FOCO A SER ESTUDADO E TER O PARADIGMA QUEBRADO é o PODER PÚBLICO E POLÍTICO DO BARSIL, o resto evolui sozinho e a todo instante.

    O que está na IDADE DA PEDRA é o PODER PÚBLICO E POLÍTICO DO BARSIL EM TODAS AS ESFERAS, da base ao cume da pirâmide.

    A s montadoras podem desenvolver o buzão movido a luz e que ande na velocidade da luz mesmo quando lotadaço na saída em 1a marcha de um ponto de parada; que de nada vai adiantar.

    DEVIDO AO JURASSISMO E A INÉRCIA DO PODER PÚBLICO E POLÍTICO DO BARSIL, o buzão de Sampa continuará a operar a lá CMTC; 20 em 20, linhas caranguejadas ziguezagueadas e natimortas.

    Portanto o que deve ser estudado e modernizado é o PODER PÚBLICO E POLÍTICO DO BARSIL.

    Chega de marketing social.

    Direito todo brasileiro tem (incluindo o buzão) quero ver é exercer o direito em menos de 15 anos por intermédio de um simples processo judicial, mesmo que digital.

    BUSQUEM A SOLUÇÃO AONDE PRECISA DE SOLUÇÃO.

    AFINAL O PODER PÚBLICO E POLÍTICO DO BARSIL ESTÁ ANTES DA IDADE DA PEDRA LASCADA, MESMO EM 2020.

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKkkkkkkkkkkkkkkkk

    Acordem para cuspir.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta