Ceturb-ES e GVBus afirmam que rodoviários não cumpriram frota mínima nesta terça-feira, na Grande Vitória

Greve ocorre por conta da retirada de cobradores do sistema e inclusão de veículos sem o posto do cobrador. Foto: Divulgação / GVBus.

Justiça determinou que 75% dos ônibus deveriam estar em operação

JESSICA MARQUES

Os rodoviários da Grande Vitória, que estão em greve, não cumpriram a frota mínima de operação dos ônibus nesta terça-feira, 13 de agosto de 2019. É o que dizem o GVBus (Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória) e a Ceturb-ES (Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado do Espírito Santo).

A paralisação teve início na segunda-feira, 12, e a Justiça determinou que o percentual mínimo de 75% da frota deve ser respeitado durante a paralisação.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/08/10/justica-determina-frota-minima-em-caso-de-greve-de-onibus-na-grande-vitoria-contra-retirada-de-cobradores/

Segundo o GVBus, de 5h às 7h, horário de pico, o percentual determinado não foi cumprido em nenhuma garagem.

“Nesse período, a porcentagem variou entre 28% e 57%. Entre 7h e 8h, as ações de impedimento se concentraram especialmente nas garagens das empresas Praia Sol, Vereda, Serramar, Serrana, Santa Paula, Granvitur e Satélite. Nesse período, apenas 67% dos coletivos circularam. O que caracteriza descumprimento legal da liminar”, informou, em nota.

Em seguida, a Ceturb-ES informou que, pela manhã, apenas o Consórcio Sudoeste cumpriu o estabelecido, na faixa horária de 7h às 8h.

“Após o fechamento do monitoramento do relatório de frota operante em circulação na hora pico na manhã desta terça-feira (13), ficou claro que o Sindirodoviários não cumpriu a decisão da Justiça. No período de maior pico, a média de cumprimento não passou de 58,8%, caracterizando o descumprimento de determinação”, diz a nota da Ceturb-ES.

A Companhia informou ainda que continua monitorando o sistema para verificar os percentuais de frota na rua.

O Sindirodoviários, que representa a categoria, ainda não se manifestou sobre a questão do descumprimento.

NEGOCIAÇÃO

Após duas horas de negociações, na noite desta segunda-feira, 13, a desembargadora Ana Paula Tauceda Branco apresentou uma proposta, elaborada em conjunto pelo TRT-ES (Tribunal Regional do Trabalho do Espírito Santo) e MPT-ES (Ministério Público do Trabalho do Espírito Santo), para que o sistema de bilhetagem eletrônica seja implantando observando um projeto piloto, contemplando os seguintes itens:

  1. Os cobradores atuarão durante 90 dias como orientadores, para auxiliar o cidadão que tenha dúvidas, bem como assistir deficientes físicos, idosos, gestantes e crianças;
  2. Serão oportunizados, no mínimo, três cursos de qualificação para o aproveitamento dos cobradores, a fim de que possam ser efetivamente requalificados dentro das atividades do próprio sistema;
  3. O sistema de bilhetagem eletrônica terá acompanhamento de uma comissão tripartite, formada por representantes do Governo do Estado, dos rodoviários e dos empregadores, que deverão se reunir mensalmente para a necessária avaliação e aperfeiçoamento do próprio sistema;
  4. Reconhecimento do direito à garantia provisória no emprego de quatro anos;
  5. As partes analisarão a conveniência de adoção de programa de dispensa voluntária para os cobradores interessados em não aderir à nova realidade.

Uma nova rodada de negociações entre rodoviários, empresários, Governo do Estado, Ministério Público e TRT começou às 14 horas, na Sala de Sessões Jó Cardoso – Edifício Castelo Branco, 6º andar.

GVBUS AFIRMA QUE NÃO HÁ JUSTIFICATIVA PARA GREVE

O Sindirodoviários/ES – Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Espírito Santo anunciou greve de ônibus no dia 9 de agosto por conta da retirada de cobradores do sistema e inclusão de veículos sem o posto do cobrador.

Relembre: Sindicato anuncia greve de ônibus do sistema Transcol na Grande Vitória por causa de retirada de cobradores

Em nota, o GVBUs informou que acredita não haver justificativa para a greve. Confira a nota, na íntegra:

O Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória – GVBus repudia o descumprimento por parte do Sindirodoviários da ordem judicial que determinava a operação com 75% da frota de ônibus do Sistema Transcol. As empresas fazem um apelo aos trabalhadores para que coloquem 100% dos ônibus nas ruas, mas espera que pelo menos a determinação da Justiça do Trabalho desta segunda-feira, na mesma porcentagem, seja cumprida. Inclusive, o número de ônibus que devem circular por garagem já foi informado ao sindicato dos trabalhadores.

Além disso, o GVBus rebate as afirmações realizadas pelos líderes do movimento grevista, que transferem para os trabalhadores do setor a responsabilidade pela greve. Tais afirmações são facilmente desmentidas por registros feitos nas ruas e nas garagens, que mostram claramente a ação de representantes do Sindirodoviários impedindo o trabalho dos profissionais que desejam cumprir sua carga horária. Alguns foram retirados de seus postos de trabalho, outros ameaçados e impedidos de sair das garagens. Houve ainda ações de depredação, com veículos danificados ou com pneus esvaziados.

Tais ações mostram total desrespeito à Lei de Greve, à decisão da justiça e, principalmente, para com os trabalhadores que dependem do transporte coletivo, que foram impedidos de exercer seu direito de ir e vir.

O Sindirodoviários alega ainda que o descumprimento da determinação judicial também se deve ao fato de que as empresas não repassaram as escalas de forma adequada e dentro do estipulado pela justiça. Tal alegação é mentirosa, uma vez que a programação feita pelas empresas e repassada para a Ceturb-ES foi para circulação de 100% da frota, com um plano para atendimento dos 75% previstos pela determinação judicial do último sábado.

Entendemos que não há justificativa para qualquer movimento grevista nesse momento, uma vez que foi amplamente divulgado que não haverá demissões em função do início da operação dos ônibus com ar-condicionado, já que as empresas se comprometeram nesse sentido com a Secretaria de Mobilidade e Infraestrutura (Semobi).

Para isso, elaboraram um Programa de Qualificação para Cobradores, com o objetivo de realocá-los em outras funções, dentro do próprio sistema. Dessa forma, vagas já foram abertas para formação nas escolas de motoristas; foi feita uma parceria com o Sest/Senat nesse sentido. Além disso, parte dos cobradores já estão sendo aproveitados como bilheteiros para comercializar créditos para o Cartão GV.

não há justificativa para greve

O sindicato dos rodoviários não se posicionou sobre a nota do GVBus até a publicação desta reportagem.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta