Por solicitação do Sindmotoristas, prefeitura muda integrantes de comissão que debate futuro dos cobradores de ônibus em São Paulo

Ônibus padrons e básicos já poderiam ser inseridos no sistema sem cobrador a partir de 02 de setembro. Secretaria revogou ofício da SPTrans. Foto. Adamo Bazani (Diário do Transporte) - Clique para Ampliar

Mudança ocorre apenas entre os membros do sindicato. Valdevan Noventa deixa de fazer parte da comissão. Entidade alega agenda de compromissos em Brasília, já que sindicalista é deputado federal por Sergipe

ADAMO BAZANI

A Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes de São Paulo mudou a composição da parte referente ao Sindmotoristas, sindicato que representa os trabalhadores das viações, na comissão que debate a requalificação dos cobradores de ônibus para outras funções.

Gradativamente, estes profissionais devem deixar as linhas dos subsistemas estrutural e de articulação regional (das viações mais antigas), mas ainda não há data para que isso aconteça.

Os micro-ônibus e ônibus do subsistema local (ex-cooperativas) já operam sem cobradores.

Deixam a comissão o presidente licenciado José Valdevan de Jesus Santos e Almerindo Santos Oliveira. Entram Pedro Moreira de Alcantra e Cristiano de Almeida Porongaba. Permanecem Francisco Xavier da Silva Filho; Valdemir Santos Soares e Nailton Francisco de Souza.

De acordo com a assessoria da presidência da entidade sindical, Noventa deixa a comissão por causa da agenda que possui como deputado federal em Brasília. O sindicalista foi eleito por Sergipe.

A nova composição foi publicada nesta sexta-feira, 09 de agosto de 2019, no Diário Oficial da cidade passa a ser da seguinte maneira:

SMT – Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes

Edson Caran (Secretário de Transporte), Hugo Koga, Gilberto Rodrigues Pereira.

SPTrans –  São Paulo Transporte (gerenciadora de transportes)

Paulo César Shingai (presidente SPTrans); Wagner Chagas Alves; Marcelo José de Almeida; Sebastião Ferreira Braz; Antonio Hamilton de Carvalho; Elizabeth Yukiko Tagata; Evelyn Bareto Santiago

Sindmotoristas – Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo

Valmir Santana da Paz (presidente em exercício); Valdemir Santos Soares; Francisco Xavier da Silva Filho; Pedro Moreira de Alcantra; Cristiano de Almeida Porongaba

SPUrbanuss – Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo:

Carlos Alberto Fernandes Rodrigues de Souza; Antonio Roberto Pavani Junior; Antonio Sampaio Amaral Filho; Wagner Palma Moreira; João Carlos Fernandes.

A portaria entra em vigor a partir da publicação, ou seja, nesta sexta-feira, 09 de agosto de 2019.

Como mostrou o Diário do Transporte, na terça-feira, 06 de agosto, a juíza Soraia Gonçalves de Melo, titular da 2ª Zona Eleitoral de Aracaju, chegou a expedir mandado de prisão contra o sindicalista, mas no mesmo dia, o ministro do STF – Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, acatou pedido de reconsideração da defesa e determinou que Noventa fique em liberdade até o julgamento pela corte do Supremo de seu pedido de Habeas Corpus.

O sindicalista é acusado pelo Ministério Público Eleitoral de fraudar a prestação de contas de sua campanha por meio de doações simuladas.

Segundo o MP, Noventa e seu grupo “teriam arregimentado cerca de oitenta pessoas para efetuar doações em espécie, no valor idêntico de R$ 1.050,00” cada.

Entretanto, a prisão, que foi revertida momentaneamente, ocorreria porque, ainda de acordo com o Ministério Público Eleitoral, “o parlamentar estaria agindo para atrapalhar a investigação sobre fraudes na prestação de contas de sua campanha por meio de doações simuladas. Ele e subordinados estariam aliciando testemunhas para mentir nos depoimentos a serem colhidos pelo Ministério Público e pela autoridade policial.”

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/08/06/stf-concede-liberdade-a-valdevan-noventa-deputado-federal-e-presidente-licenciado-do-sidmotoristas-de-sao-paulo/

A entidade sindical diz que não há relação entre o processo e a saída de Noventa da comissão.

Nesta quinta-feira, 08 de agosto de 2019, foi realizada a segunda reunião da comissão que discute o futuro dos cobradores de ônibus. As empresas estudam os custos de programas de qualificação e a estruturação de um PDV – Programa de Demissão Voluntária.

No dia 02 de agosto, em entrevista exclusiva ao Diário do Transporte, o secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Edson Caram, disse que a gestão não vai aceitar demissões. Uma das alternativas para não demitir, mas ao mesmo tempo ir gradativamente implantando os ônibus sem cobradores, é não repor os profissionais que saírem, já que o nível de rotatividade de trabalhadores no setor de transportes é grande.

Para ler e ouvir, clique neste link:

https://diariodotransporte.com.br/2019/08/02/entrevistas-em-primeira-reuniao-de-comissao-sobre-cobradores-de-onibus-secretario-edson-caram-garante-que-profissionais-nao-vao-ser-demitidos-em-sao-paulo/

A SPTrans – São Paulo Transporte, gerenciadora dos ônibus da capital, chegou a enviar por e-mail para as empresas de ônibus uma circular pela qual permitia que os veículos básicos ou padrons que fossem incluídos no sistema já viessem sem o posto do cobrador.

A circular causou revolta entre os trabalhadores. Após o anúncio de paralisação em todos os terminais pelo sindicato, a prefeitura recuou e o secretário Edson Caram revogou o ofício.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/07/30/gestao-bruno-covas-revoga-oficio-que-permitia-onibus-sem-cobrador-a-partir-de-02-de-setembro/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta