Em um ano, Linha 5-Lilás tem aumento de 90% no fluxo de passageiros

Número de estações passou de 10 para 17 neste período

JESSICA MARQUES

Em um ano, a Linha 5-Lilás do metrô de São Paulo teve um aumento de 90% no fluxo de passageiros e o número de estações passou de 10 para 17 neste período. A informação foi divulgada pela concessionária ViaMobilidade.

“Com integração à malha ferroviária e aos terminais de ônibus, a Linha 5-Lilás funciona como um dos principais corredores de transporte coletivo na zona sul da cidade, ligando bairros populosos com o centro expandido de forma rápida e eficiente. Além disso, passa por áreas movimentadas, com complexos hospitalares, centros empresariais e polos comerciais”, informou a concessionária, em nota.

Em 04 de agosto de 2018, a linha passou a ser operada pela ViaMobilidade, por meio de contrato de concessão de 20 anos. Na época o trecho operacional era compreendido por 10 estações de Capão Redondo a Moema e 16 trens em circulação.

A linha transportava 320 mil passageiros por dia útil. Atualmente, são transportados quase 600 mil passageiros por dia útil nas 17 estações, acréscimo de 90% em relação a 2018, quando a concessionária assumiu. Para atender essa demanda, atualmente estão em circulação 24 trens da frota P, fabricados em 2009.

“A ViaMobilidade investe na capacitação contínua dos seus colaboradores, em melhorias na operação, manutenção e conservação da linha e no atendimento de qualidade, oferecendo transporte ambientalmente sustentável e de alto desempenho. E trabalha diariamente para levar conforto, agilidade e segurança aos passageiros”, afirmou Francisco Pierrini, diretor-presidente da ViaMobilidade.

AMPLIAÇÃO

Para atender ao crescimento de demanda, a concessionária iniciou no dia 31 de julho obras de melhorias na estação Capão Redondo para facilitar o fluxo de passageiros, atualmente em torno de 100 mil pessoas em dias úteis.

Entre os serviços programados, estão a ampliação do espaço de entrada, implantação de uma passagem exclusiva para o terminal de ônibus e aumento do número de catracas. A área de acesso à estação será ampliada em 63%.

Ainda como parte da adequação da estação, construída em 2000, a escadaria da calçada será substituída por uma rampa, com ligação direta à área das catracas, para oferecer acessibilidade a pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Além disso, as máquinas de autoatendimento e recarga de bilhetes serão reposicionadas.

“As mudanças contribuirão para aumentar a fluidez no embarque e desembarque, especialmente em horários de maior movimentação. Ao término das adequações, a capacidade de absorção do fluxo de passageiros vindos da rua crescerá 40%. O número de catracas também terá acréscimo de aproximadamente 40%”, informou a ViaMobilidade, em nota.

A previsão informada pela concessionária é de que as obras sejam concluídas na primeira quinzena de novembro deste ano. “Não haverá impacto na operação da linha durante as intervenções, pois os serviços serão realizados em áreas segregadas ou no período noturno”, prometeu a ViaMobilidade.

HISTÓRICO

O primeiro anúncio do projeto da linha foi feito em 20 de junho de 1990 pelo Metrô, e havia três alternativas de trajeto: com saída da estação Paraíso, Saúde ou São Judas. Nenhuma delas se concretizou.

Em março de 1998 começou a construção do atual trajeto.

Inicialmente, as operações seriam pela CPTM – Companhia Paulista de Três Metropolitanos e o trajeto se chamaria Linha G.

Mas em 2001, o Governo do Estado de São Paulo transferiu a operação para o Metrô, passando a denominar o trajeto de linha Lilás.

O primeiro trecho, de 8,4 quilômetros de extensão, foi entregue à população em 20 de outubro de 2002, com operações das 10h às 15h.

Os horários foram prolongados muito lentamente. No dia 28 de outubro de 2002, passou a ser das 9h às 15h. Em 18 de novembro de 2002, das 8h às 15h. No dia 16 de dezembro de 2002, o horário de operação passou a ser das 7h às 16h. Somente em 5 de fevereiro de 2003, os trens passaram a operar das 6h às 20h. Em 4 de agosto de 2003, a operação passou a ser das 5h às 22h. Quase seis anos depois do início das operações, é que a linha 5 Lilás passou  a funcionar aos domingos e feriados, em 10 de agosto de 2008.

Como as estações não eram integradas às outras linhas de Metrô, no início, a linha 5 Lilás era deficitária, causando prejuízos de R$ 2,8 milhões ao mês à Companhia do Metrô, pelo fato de a arrecadação tarifária ser menor, na época, que os custos de operação e manutenção.

Em 2010, a linha 5 foi envolta numa investigação do Ministério Público.

Os nomes das empresas que atuariam nas obras entre as estações Largo Treze e Chácara Klabin se tornaram conhecidos seis meses antes da realização do certame.

A linha inteira contempla as seguintes estações: Capão Redondo, Campo Limpo, Vila das Belezas, Giovanni Gronchi (ligação com o futuro Pátio Guido Caloi), Santo Amaro (acesso a Linha 9  da CPTM), Largo Treze, Adolfo Pinheiro, Alto da Boa Vista,  Borba Gato, Brooklin, Campo Belo (acesso ao previsto monotrilho Linha 17), Eucaliptos, Moema, AACD-Servidor, Hospital São Paulo, Santa Cruz (acesso a Linha 1 Azul do Metrô) e Chácara Klabin(Acesso a Linha 2 Verde).

A linha 5-Lilás de Metrô, quando completa deve transportar em torno de em torno de 855 mil passageiros por dia até 2020 e tende a ser lucrativa.

Toda a linha chegou a ser prometida para 2014. Mas problemas com as empreiteiras, nos planejamentos, contratos e até litígios jurídicos foram fatores que se se somaram e provocaram os atrasos.

O governador Geraldo Alckmin prometeu entregar ainda em 2017 as estações Eucaliptos, Moema, AACD-Servidor, Hospital São Paulo, Santa Cruz e Chácara Klabin. A estação Campo Belo deveria começar a funcionar no “início” de 2018, sem uma previsão mais concreta.

Entretanto, no meio de novembro de 2017, o secretário de transportes metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, disse que a entrega da estação Eucaliptos seria em janeiro. As estações Moema e Hospital do Servidor deveriam por esta promessa ser concluídas em fevereiro e, em abril seriam possíveis as integrações da linha 5 com as estações Chácara Klabin (linha 2-Verde) e da Santa Cruz (linha 1-Azul). A estação Campo Belo só deveria ser entregue até dezembro de 2018.

Em dezembro de 2017, a gestão mudou as datas. A estação Eucaliptos deveria ser entregue em janeiro de 2018 e, Moema, AACD-Servidor e Hospital São Paulo, no mês de fevereiro.

Mas em janeiro de 2018, surgiram novas datas. A estação Eucaliptos foi prometida para ser entregue até o final de fevereiro de 2018.

Já as estações Moema, AACD-Servidor e Hospital São Paulo foram previstas para até o final de março de 2018.

A abertura das estações Santa Cruz e Chácara Kablin, que vão permitir acesso às linhas 1-Azul e 2-Verde, respectivamente, só deverá acontecer em abril de 2018, por esta nova promessa.

A operação da Linha 5-Lilás foi à iniciativa privada, juntamente com a linha 17-Ouro de monotrilho.

Em 19 de janeiro de 2018, venceu o leilão o Consórcio ViaMobilidade (formado pela CCR, que tem participação majoritária na linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo e em outros empreendimentos ligados a transporte público e rodovias por todo o País e pela RuasInvest, ligado a empresas de ônibus da Capital Paulista). O lance oferecido foi de R$ 553,88 milhões, ágio foi de 185% em relação ao valor inicial de outorga exigido pelo Metrô.

No dia 02 de março de 2018, foi inaugurada a Estação Eucaliptos sob forte tom político. O então governador Geraldo Alckmin, que sairia do cargo para tentar as eleições presidenciais, comandou o evento. O então prefeito de São Paulo, João Doria, que deixaria o mandato municipal para disputar as eleições para governador, também participou. Alckmin perdeu e Doria ganhou. Após aumentar as horas de funcionamento de forma gradativsaa, a estação passou a ter operação comercial integral em 28 de março de 2018.

Em 31 de agosto de 2018, com Alckmin não ocupando mais a cadeira de governador, foi entregue a estação AACD-Servidor que, por ficar ao lado dos equipamentos de saúde e reabilitação, tem o dobro de itens de acessibilidade em comparação às outras estações. A estação AACD-Servidor passou a operar em horário integral em 13 de setembro de 2018.

Em 28 de setembro de 2018, foram inauguradas, com a apresentação do então secretário de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, três estações da Linha 5-Lilás: Hospital São Paulo, Santa Cruz e Chácara Klabin. Geraldo Alckmin estava em campanha presidencial pelo País e o vice, Marcio França, que assumiu o governo, não poderia participar de inaugurações porque tentava as eleições estaduais. França foi derrotado por João Doria em uma eleição bem disputada, decidida somente no final do segundo turno. No dia 13 de outubro de 2018, as estações passaram a atender em horário comercial completo.

No dia 05 de abril o Diário do Transporte anuncia logo nas primeiras horas da manhã, que a estação Campo Belo será inaugurada no dia 08 de abril. O Metrô confirmou a informação no final da tarde. A estação era a última que faltava para a linha estar completa.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/04/05/estacao-campo-belo-da-linha-5-lilas-deve-ser-inaugurada-na-segunda-feira-08-de-abril/

Mais informações sobre a Linha 5-Lilás:

Concessão – Em janeiro de 2018, o Governo do Estado de São Paulo outorgou à ViaMobilidade a concessão das linhas 5-Lilás de metrô e 17-Ouro de monotrilho. Colaboradores da concessionária realizaram treinamentos técnicos, de campo e de operação supervisionada pelo Metrô e, a partir de 4 de agosto de 2018, a ViaMobilidade assumiu a operação completa da linha.

A concessão, que tem validade pelos próximos 20 anos, contados a partir 4 de agosto, contempla investimentos de mais de R$ 3 bilhões em manutenção, conservação, melhorias, requalificação, adequação e expansão das linhas ao longo do contrato.

Estações – A Linha 5-Lilás conta com 17 estações em operação: Capão Redondo, Campo Limpo, Vila das Belezas, Giovanni Gronchi, Santo Amaro, Largo Treze, Adolfo Pinheiro, Alto da Boa Vista, Borba Gato, Brooklin, Campo Belo, Eucaliptos, Moema, AACD-Servidor, Hospital São Paulo, Santa Cruz e Chácara Klabin.

Integração – Pela Linha 5-Lilás, o passageiro pode fazer conexões com a Linha 9-Esmeralda da CPTM na Estação Santo Amaro, com a Linha 1-Azul de metrô na Estação Santa Cruz e com a Linha 2-Verde de metrô na Estação Chácara Klabin. Quando completa, as transferências poderão ser feitas com a Linha 17-Ouro de monotrilho na Estação Campo Belo.

Achados e Perdidos – O setor fica localizado na Estação Adolfo Pinheiro (rua av. Adolfo Pinheiro, 301). O serviço funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h, exceto feriados.

Bicicletários – Possuem bicicletários as estações Alto da Boa Vista (100 vagas), Borba Gato (84 vagas), Brooklin (30 vagas), Campo Belo (144 vagas), Eucaliptos (92), Moema (68 vagas), AACD-Servidor (36 vagas), Hospital São Paulo (30 vagas) e Santa Cruz (80 vagas). Os espaços funcionam das 6h às 22h diariamente.

Sobre a ViaMobilidade: A ViaMobilidade é a concessionária responsável pela operação e manutenção das linhas 5-Lilás de metrô e 17-Ouro de monotrilho em São Paulo.

A Linha 5-Lilás é composta por 17 estações e atende a Zona Sul de São Paulo, de Capão Redondo a Chácara Klabin. Ela se integra ao Metrô na Estação Santa Cruz (Linha 1-Azul) e na Estação Chácara Klabin (Linha 2-Verde) e à CPTM (Linha 9-Esmeralda) na Estação Santo Amaro.

A Linha 17-Ouro, quando concluída pelo Governo do Estado de São Paulo, terá oito paradas entre as estações Morumbi e Jardim Aeroporto, com integrações à Linha 5-Lilás, na Estação Campo Belo, e com a Linha 9-Esmeralda da CPTM, na Estação Morumbi.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta