Monotrilho da linha 15 se “solta” de viga e não consegue terminar manobra

Publicado em: 15 de maio de 2019

Parte dianteira da composição sendo inspecionada

Incidente ocorreu no pátio Oratório, na zona Leste. Metrô diz que apura

ADAMO BAZANI

A composição M 11 do monotrilho da linha 15-Prata, da zona Leste, se deslocou de uma viga no pátio Oratório no início das operações desta quarta-feira, 15 de maio de 2019.

Segundo fontes ouvidas pelo Diário do Transporte, o incidente ocorreu num equipamento de mudança de via. O trem entrou em uma rota para a qual não estava programada, ainda de acordo com estas fontes.

“Foi no AMV [Aparelho de Mudança de Via] 37, via 6. Rota estava alinhada para a via 5”.

Ninguém se feriu.

O Metrô afirmou em nota ao Diário do Transporte que apura as causas do incidente.

“Por volta das 5h, uma composição que ainda seria preparada para a operação comercial, teve um pneu deslocado da viga de rolamento do Pátio Oratório, o que impediu a conclusão da manobra. As causas do incidente estão em apuração.”

O Metrô informou ainda que as operações não foram prejudicadas.

Monotrilho “deslocado” de via.

Parte dianteira da composição sendo inspecionada

À frente, é possível perceber “desalinhamento”

OUTROS PROBLEMAS:

O monotrilho da linha 15-Prata já registrou ocorrências anteriores.

No final da noite do dia 29 de janeiro de 2019,  duas composições M22 e M23 bateram na região da estação Jardim Planalto, na zona leste da capital paulista. Ninguém se feriu gravemente. A estação não recebia passageiros.

Um laudo do Metrô, divulgado em 05 de fevereiro de 2019, trouxe a conclusão de que “não houve qualquer falha do sistema de sinalização e sim erro humano” .

Mas o resultado foi contestado pelo Sindicato dos Metroviários que sustenta que há uma lacuna no sistema que controla os trens do monotrilho.

Segundo a entidade sindical, o sistema de controle da Linha 15-Prata não permite que um trem identifique o outro quando um deles está desligado. “Ao se desligar o trem, ele desaparece para o sistema” – sustentou o sindicato.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/02/07/sindicato-dos-metroviarios-diz-que-acidente-com-monotrilho-foi-causado-por-ausencia-de-sistema-de-comunicacao/

Também no dia 29, uma peça do sistema elétrico do monotrilho da Linha 15-Prata se soltou da via no trecho entre as estações São Lucas e Vila União, mas por haver grades que retém quedas de objetos, a avenida professor Luís Inácio de Anhaia Melo, que passa embaixo, não foi atingida.

https://diariodotransporte.com.br/2019/01/29/metro-confirma-que-peca-de-sistema-eletrico-de-monotrilho-se-soltou-mas-diz-que-linha-15-possui-telas-que-evitam-queda-de-objetos-na-rua/

No dia 10 de outubro de 2016, uma composição do monotrilho, que trafega em vias elevadas com cerca de 15 metros de altura,  partiu da estação Oratório com as portas abertas, conforme mostram as imagens do circuito do Metrô:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Rodrigo Zika! disse:

    Tem que ter cuidado e ter uma manutenção decente, essa linha têm muitos problemas com falhas fora do normal, mais pro Metro nunca e isso, piada.

    1. Arthur de Almeida Júnior disse:

      Não existe “falhas” desse tipo ocorrendo “por acaso”. Os sistemas metro-ferroviários se baseiam no princípio da “falha segura”. Quando ocorre algo como o ocorrido é por ter-se conscientemente optado por operar o sistema sem que todas as redundâncias estejam funcionais. Lamentável e, em última instância, o responsável a ser punido é o presidente da CMSP

  2. EDU disse:

    Pra mim, está atendendo muito bem, com ou sem falhas, importante é que trabalham para corrigir! Só critica quem não usa!

  3. Fernan disse:

    Só não esqueçam que a Linha 15 prata é privatizada! Não é privatização que o povo(ignorante) quer? Então toma!

    1. DiSantos disse:

      A empresa privada ainda não assumiu amigo.

      1. José de Athayde disse:

        Ainda estamos (Brasil) aprendendo a operar sistemas de transporte desse tipo. E estamos tendo sorte pois não houve vítimas.

    2. Val disse:

      Ignorante é você, que fala sem saber. Se tivesse o mínimo de noção, ia saber que a operação está sob responsabilidade do Metrô, e que a concessionária sequer tem alguém trabalhando na operação atualmente.

  4. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Esse Aerotrem fala por si só; dispensando comentários.

    Quantas ocorrências e vítimas serão necessários para a implosão?

    Quem vai pagar o desperdício do dinheiro do contribuinte?

    Ministro Paulo Guedes, sua equipe tem de calcular o total desse desperdício.

    Pode até aprovar o pacote do INSS, mas enquanto o desperdício do dinheiro do contribuinte continuar a ocorrer; nem a conta do cafezinho vai fechar; quiça o resto.

    É matemática basiquinha que a Tia Cotinha ensinou para todos.

    Att.

    Paulo Gil

Deixe uma resposta