Licitação de ônibus de Novo Hamburgo (RS) não tem interessados

Em março, Prefeitura reajustou a tarifa de ônibus para R$ 3,85. Foto: Divulgação.

Prefeitura cogita modificar proposta para atrair empresas

JESSICA MARQUES

A licitação para concessão do sistema de ônibus municipais de Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul, não teve empresas interessadas. A abertura dos envelopes ocorreu nesta semana.

De acordo com informações do portal Zero Hora, por conta da ausência de concorrentes, o governo municipal estuda a possibilidade de modificar a proposta e marcar uma nova data para a licitação, ainda neste mês de abril.

Em 30 de março de 2019, a Prefeitura reajustou a tarifa de ônibus para R$ 3,85. Na ocasião, o Executivo firmou um acordo com as concessionárias estabeleceu um novo contrato emergencial para a operação do serviço, com vigência de 180 dias.

O reajuste na tarifa foi uma exigência das empresas para continuarem operando na cidade, conforme noticiado pelo Diário do Transporte.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/03/28/novo-hamburgo-rs-reajusta-tarifa-de-onibus-para-r-385-e-estabelece-novo-contrato-emergencial-com-empresas/

PROCESSO LICITATÓRIO

Confira os pontos destacados pela administração municipal para o atual edital de concorrência pública do sistema de transporte coletivo:

O Edital de Concorrência Pública Nº 02/2019, publicado no site de editais da Prefeitura (clique aqui), prevê que a empresa ou consórcio de empresas coloque à disposição uma frota de 140 ônibus, sendo 127 operantes e 13 reservas. E 45% dos veículos terão ar-condicionado, logo na largada da operação, além de película protetora solar. O sistema de refrigeração, para comodidade dos passageiros, chegará a cem por cento até o final do quinto ano de contrato. Também não serão permitidos ônibus com mais de dez anos de fabricação em tráfego pelas linhas circulares, ou seja, interior dos bairros, e radiais ou transversais, fazendo a ligação entre vários pontos da cidade.

A partir do novo contrato, toda a frota para o transporte público de passageiros em Novo Hamburgo deverá dispor de elevador para acesso de pessoas com necessidades especiais. Também está previsto um espaço interior para acomodar os cães-guias de deficientes visuais.

A bilhetagem eletrônica, assim como a publicidade, ficará a cargo da empresa ou consórcio vencedor da licitação. Os itinerários serão realizados com integração tarifária entre as linhas e pontos de embarque e desembarque.

Também está prevista a bilhetagem com reconhecimento facial. E, ainda no quesito segurança, câmeras de videomonitoramento e botão de pânico estarão instalados nos veículos.

Logística

A nova logística permitirá ao usuário pagar apenas pela primeira tarifa quando utilizar duas vezes a mesma linha circular, no interior do bairro, retornando no prazo máximo de 50 minutos.

Outra situação, também no mesmo prazo de 50 minutos e com pagamento único da primeira tarifa, diz respeito ao uso de linha circular seguida de radial ou vice-versa.

Já quando o usuário utilizar uma linha radial para ir de um bairro ao Centro, por exemplo, e depois embarcar em outra linha radial a fim de se deslocar a outro bairro, pagará tarifa integral na primeira viagem, mas no segundo trecho o custo será de 50%.

Conforme o edital, serão 61 linhas, das quais 15 são circulares (duas em Lomba Grande), 39 radiais e sete transversais. As circulares, por dentro dos bairros, as radiais, para unir cada bairro ao Centro e vice-versa, e as transversais unem dois bairros, passando ou não pela área central.

Será estimulado o sistema de recarregamento de cartões de passagem em totens espalhados por lojas, postos de gasolina e lotéricas, dentre outros pontos comerciais. Também está previsto o uso de aplicativo para celular que permite visualizar a operação do sistema viário, de modo a poder acompanhar online o percurso do ônibus e o tempo que levará até a parada de interesse.

Audiência pública prevista em lei

Realizada em 26 de fevereiro deste ano, na Casa das Artes, a segunda audiência pública sobre transporte coletivo foi um dos últimos passos antes da publicação do edital relativo ao tema. A necessidade de audiência pública está estabelecida em observação às leis federais nº 8.987/1995 e nº 8.666/1993, além dos termos previstos no artigo 39 da Lei Orgânica Municipal.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Ou seja, foi tanta exigência da prefeitura que simplesmente pelo preço da tarifa nenhuma empresa se habilitou.

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Parabéns empresas do buzão de Novo Hamburgo.

    Só assim se muda o Barsil e se elimina os Jurássicos com o poder da caneta.

    Seria interessante saber o real motivo desta desistência.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta