Bruno Covas revê metas de Doria e reduz plano de construir 72 km de corredores para apenas 9,4 km

Foto: Divulgação.

Outra vítima dos cortes foi o BRT “Rapidão”, anunciado por Doria em março de 2017. Para realizar investimentos, prefeitura conta com 400 milhões de reais provenientes do corte do número de viagens do Bilhete Único vinculado ao vale-transporte

ALEXANDRE PELEGI

A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta segunda-feira, 8 de abril de 2019, um novo Plano de Metas para o período de 2019-2020.

O destaque negativo vai para a redução da meta do programa de Doria que previa a construção de 72 km de corredores de ônibus. Na mudança, Bruno Covas prevê implantar pouco mais de 10% disso, apenas 9,4 km de faixas exclusivas.

Outra “vítima” do novo Plano de Metas é o “Rapidão”, corredor no sistema BRT que deveria ser implantado experimentalmente na zona sul da capital paulista. A obra foi anunciada por João Doria no dia 30 de março de 2017, na entrega do Plano de Metas pelo então prefeito. Relembre: Plano de Metas: Corredor Rapidão será por PPP e sobre licitação, não cita frota menos poluente

Bruno Covas atribui a mudança a alterações ocorridas no governo Federal: “Se previa muito recurso, em especial de transferência do Ministério das Cidades para poder ampliar a quantidade de corredores, que não se realizou, e nosso foco nessa gestão é botar para funcionar o que existe“.

Ainda segundo o prefeito, o programa inicial definido por seu antecessor previa que no segundo biênio ele poderia ser ajustado.

A expectativa econômica no primeiro bimestre de 2017 era uma, por conta de uma possível aprovação da reforma da previdência. Essa reforma não foi aprovada, a expectativa de crescimento não se realizou, e nós tivemos uma frustração do comportamento do PIB em 2017 e 2018 em relação ao que se projetava”, disse Bruno Covas em coletiva na tarde de ontem.

Na mudança, além da alteração de metas, houve a mudança de objetivos reunidos em três eixos: “cuidar da cidade”, “proteger o cidadão” e “inovar a gestão”.

Ainda no item Transportes, o novo plano de metas de Bruno Covas prevê construir 173 km de ciclovias ou ciclofaixas e requalificar 310 km.

Mas a tarefa de cumprir o plano não será fácil: será necessário quase dobrar os investimentos realizados nos últimos dois anos. Os recursos, segundo a prefeitura, virão de políticas restritivas de cortes, como a redução recentemente anunciada no número de viagens do Bilhete Único vinculado ao vale-transporte. A administração estima uma economia de mais de R$ 400 milhões.

Relembre: Bruno Covas atualiza regras do Bilhete Único na cidade de São Paulo

A medida está suspensa pela Justiça.

Relembre: TJ suspende medida de Bruno Covas que reduziu para dois, o número de embarques pelo vale-transporte

Em entrevista ao Diário do Transporte em 27 de março de 2019, o prefeito lamentou a decisão da Justiça que suspendeu o decreto que reduzia de quatro para dois embarques possíveis pelo Vale-Transporte no sistema de ônibus e nas integrações com o Metrô e CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). Ele informou que a prefeitura vai recorrer da decisão.

Relembre: Bruno Covas diz que só em 10 dias poderá cumprir decisão que suspendeu redução de embarques pelo Vale-Transporte

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

5 comentários em Bruno Covas revê metas de Doria e reduz plano de construir 72 km de corredores para apenas 9,4 km

  1. Sério que não vai ter o RAPIDÃO?
    Sério que o único corredor de ônibus de verdade da zona leste vai continuar sendo o da Paes de Barros?
    É sério?

    O pior é que todo mundo sabia. E o que fizeram?
    Elegeram o cara Governador.

  2. Aee Bruninho. Você não usa o transporte público e fica ai diminuindo de 72 para 9 o corredor de ônibus. Temos que marcar uma manifestação.

  3. Esse prefeito e um lixo, sem mais.

  4. Provavelmente esse corredor é o da avenida Itaquera. Que não é tão interessante assim. Pontos fora das necessidades do usuário, locais mais problemáticos não serão solucionados é etc.

  5. Um fiasco essa administração, herança de alguém que prometeu gestão e deixou frustração, o pior que o responsável por essas promessas vazias agora é o governador , acho que a única coisa que acontecerá mesmo é a venda das empresas estatais, que resultará em serviços mais caros e desemprego dos funcionários públicos, PSDB cada vez pior

Deixe uma resposta