Todos os ônibus “da EMTU” terão ar-condicionado e wi-fi até o final de 2024, diz Doria em entrega de 25 novos articulados da Metra

Novos ônibus da linha 376 têm ar-condicionado, wi-fi e carregadores USB. Foto: Adamo Bazani – Diário do Transporte / Clique para Ampliar

Licitação das linhas metropolitanas deve ser definida até metade do ano

ADAMO BAZANI

Todos os ônibus gerenciados pela EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos terão obrigatoriamente de operar com ar-condicionado, wi-fi, entradas de USB para carregadores de celulares, além de ser acessíveis até o final de 2024.

É o que prometeu no final da manhã desta quarta-feira, 20 de março de 2019, o governador João Doria ao lado do secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy.

Para isso, segundo Doria, as empresas de ônibus devem colaborar.

“Eu orientei o secretário [de Transportes Metropolitanos] Alexandre Baldy para encurtar o prazo junto às [empresas de ônibus] concessionárias para que até 31 de dezembro de 2024, nós tenhamos a totalidade da frota de ônibus que servem à EMTU, com ar-condicionado, USB, wi-fi gratuito, acessibilidade e bancos anatômicos. É obrigação do Estado com a colaboração das concessionárias oferecer as melhores condições de conforto, funcionalidade e agilidade no transporte público seja de pneus ou de trens no Estado.” – disse Doria.

Para que a mudança mais significativa de frota ocorra de fato, é necessária a realização da licitação do sistema de ônibus da Grande São Paulo que transporta quase dois milhões de passageiros por dia.

A concorrência para quatro áreas da região metropolitana de São Paulo deveria ter sido realizada em 2016, quando venceram os contratos da licitação de 2006, e na área 5, do ABC Paulista, nunca foi feita nenhuma concorrência porque os empresários da região achavam insuficientes os valores de remuneração, esvaziando o certame por cinco vezes e o empresário Baltazar José de Sousa, na sexta vez, conseguiu barrar a licitação com base numa recuperação judicial de Manaus referente a uma de suas viações.

A justiça já liberou o certame.

Com novos ônibus, capacidade de linha pode aumentar entre 30% e 40% diz empresa Metra. Foto: Adamo Bazani – Diário do Transporte

Com exceção do Corredor ABD, que pertence a uma concessão à parte da área 5, assinado em 1997 com a empresa Metra, as linhas metropolitanas da EMTU no ABC são as que possuem, em média, os ônibus mais velhos e com menor índice de acessibilidade. As reclamações são altas e as empresas do ABC estão entre as com piores avaliação no Estado de São Paulo.

A estimativa da EMTU é lançar os editais da Grande São Paulo ainda neste primeiro semestre.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/02/22/licitacao-da-emtu-todos-os-onibus-terao-wi-fi-de-imediato-e-havera-cronograma-de-ar-condicionado-alem-da-exigencia-de-motor-traseiro/

A declaração de Doria sobre o novo perfil da frota foi feita em entrevista coletiva, da qual participou o Diário do Transporte, durante entrega de 25 ônibus zero quilômetro pela concessionária do Corredor ABD, Metra.

Governador João Doria promete melhores ônibus nas linhas gerenciadas pela EMTU. Foto: Adamo Bazani – Diário do Transporte

Os veículos, que receberam elogios de Doria, possuem os itens citados pelo governador, como o ar-condicionado e o acesso à internet por wi-fi.

A proprietária da Metra, Maria Beatriz Setti Braga, disse que os investimentos para a compra destes ônibus foram de em torno de R$ 25 milhões.

A empresária destacou que a frota da companhia tem sido renovada, mas enfatizou que o corredor, de responsabilidade do Estado, precisa ser modernizado. Dos anos da década de 1980, quando começou a ter o primeiro serviço ainda pelo Metrô de São Paulo até agora, pouco mudou na infraestrutura do sistema que tem 45 km, sendo 33 km entre a zona Leste (São Mateus) e a zona Sul (Jabaquara) da capital paulista passando pelas cidades de Santo André, Mauá (Terminal Sônia Maria), São Bernardo do Campo e Diadema, e mais 12 km entre Diadema e a região do Brooklin, na zona Sul de São Paulo.

“O corredor é de época do Governador Franco Montoro e tem algumas reformas a serem feitas depois de mais de 30 anos. A gente quer cobrança desembarcada em estações, por exemplo. Na verdade, temos veículos moderníssimos num corredor antigo. Os abrigos ficam fora do alinhamento das portas, temos ônibus de vários tamanhos, 18 metros, 21 metros, 23 metros. Temos esta dificuldade com os ônibus muito modernos em corredor muito antigo, que foi feito para comportar ônibus de 11, 12 metros na época. Nós temos um projeto já feito, em andamento, fazendo algumas análises, mas depende da EMTU e do Governo do Estado. Mesmo assim é importante dizer que mesmo depois de 30 anos, é um corredor bem avaliado, até mais rápido que o carro em vários trechos” – disse a empresária.

Empresária Maria Beatriz Setti Braga ao lado de um dos ônibus novos. Foto: Adamo Bazani – Diário do Transporte

Os ônibus foram comprados para circular na linha 376 – Diadema/Brooklin, alvo de reclamações por causa da superlotação.

Com os ônibus novos, articulados de 21 metros no lugar dos padrons 13 metros, a capacidade da linha deve aumentar entre 30% e 40%, segundo a empresária.

Mas os problemas da ligação não se restringem à frota.

A maior parte da extensão Diadema-Brooklin é feita na capital paulista, onde os ônibus metropolitanos dividem espaço com os municipais e com as longas filas de táxis, que são permitidos de trafegar pelos corredores também à esquerda. Somadas às invasões de carros de passeio e motos, estas características afetam a velocidade comercial, o intervalo entre os ônibus e, consequentemente, impactam na lotação.

O diretor operacional da Metra, José Lindolfo Soares Alves, disse que estas questões foram levadas à prefeitura de São Paulo.

“De fato, todas estas questões afetam, mas isso já está sendo discutido entre Governo do Estado e SPTrans (São Paulo Transporte, gerenciadora dos ônibus da capital paulista). Alguns trabalhos já foram feitos recentemente, mas carece de um pouco mais de atenção e, de fato, a gente está tratando disso” – contou Lindolfo.

Os ônibus entregues têm capacidade para 154 passageiros, sendo 101 em pé e 53 sentados, além de lugar para cadeira de rodas e cão-guia.

Os veículos são de chassi Volvo B340M 6X2, com motor eletrônico Volvo DH12E de 340 cv de potência. A carroceria é modelo Caio Millennium BRT.

Tanto carrocerias quanto chassis trazem elementos tecnológicos de conforto e segurança, como:

– transmissão automática;

– sistema de freios com EBS (Electronic Braking System) e ABS;

– computador de bordo com diagnóstico de falhas, para correções rápidas;

– controle de tração;

– suspensão totalmente pneumática com controle eletrônico, com duas câmaras de ar tipo fole (sistema eletrônico ECS) no eixo dianteiro e quatro nos demais eixos;

– porta dos dois lados com sistema Door Brake (freio de portas) – anti-esmagamento;

– equipamento que impede a circulação com portas abertas;

– ar-condicionado central e saídas individuais;

– sistema para internet grátis por wi-fi;

– tomadas com entrada USB 12 Volts para recarga de celulares, notebooks, tablets e outros dispositivos móveis;

– vidros colados

LINHA 18 PODE TER OUTRO MODAL:

O governador de São Paulo, João Doria, e o secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, disseram no final da manhã desta quarta-feira, 20 de março de 2019, que em até 90 dias a equipe de governo deve definir qual é o modal a ser implantado na Linha 18-Bronze, prevista para ligar os municípios de São Bernardo do Campo, Santo André e São Caetano do Sul até a estação Tamanduateí da Linha 2-Verde do Metrô e 10-Turquesa da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). Inicialmente, o projeto contempla um sistema de monotrilho.

De acordo com João Doria, em entrevista coletiva que teve cobertura do Diário do Transporte, o principal entrave são os custos das desapropriações. Segundo o governador, os imóveis no ABC Paulista se valorizaram e será necessário o levantamento de alternativas de meios de transporte que requeiram menos desapropriações.

Saiba mais neste link:

https://diariodotransporte.com.br/2019/03/20/definicao-de-modal-para-linha-18-bronze-sai-em-ate-90-dias-diz-doria/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

11 comentários em Todos os ônibus “da EMTU” terão ar-condicionado e wi-fi até o final de 2024, diz Doria em entrega de 25 novos articulados da Metra

  1. francisco araujo // 20 de março de 2019 às 19:25 // Responder

    A metra parece ser a unica empresa da grande São Paulo que respeita o passageiro com o máximo de veículos novos com ar condicionados e outras novas tecnologias , fora os veículos elétricos e híbridos, parabéns.

  2. porque ela nao tira foto ao lado dos pau velhos da publx que circulao na regiao do parque sao rafael

  3. Renato Vieira dos Santos // 20 de março de 2019 às 23:25 // Responder

    Com 10% de aumento na lata dos usuarios, também estaria rindo a toa.

  4. Finalmente vao tirar essas carroças dos anos 90 na linha Diadema – Brooklin, vamos ver se melhora um pouco a superlotação, porque é muito complicado, pois somos transportados igual a frangos sem o mínimo de conforto em condições precária, acarretando riscos a nossa integridade fisica e até mental, já que há discussões diárias entre passageiros que estão dentro do onibus e os que querem embarcar mas não conseguem e gente passando mal com o carlor excessivo dentro do ônibus!!

  5. Uso a 376 faz 5 anos, e a coisa que mais faltou dessa empresa foi respeito, os funcionários trabalham estressados de tanto problema de capacidade com esses ônibus Padron que durante esses 5 anos não foram suficientes para a demanda. E há um problema sério nesse corredor entre a estação Brooklin, Roque Petroni, Chucri Zaidan e Berrini.

    Liberar taxis e não segregar a faixa à esquerda dos carros foram erros gravíssimos e precisam ser solucionados.

  6. Quero ver se essa licitação também tire do sistema essa empresas que não cupram acordos trabalhista e diferenças de salários gritantes entre empresas

  7. tomara q nas sugestões tenha-se linhas expressas diadema – berrini e são bernardo – jabaquara.

  8. Vai demorar muito pra isso acontecer….Guarulhos renovação da Vila Galvão são lentas e com carros básicos.

1 Trackback / Pingback

  1. STM diz que está com estudos “bem avançados” para licitação da EMTU, mas ainda não há data para lançamento dos editais

Deixe uma resposta