Empresa de ônibus de Goiânia reage a ‘Uber’ e cria serviço próprio

Cada veículo possui capacidade para transportar 14 passageiros. Foto: Divulgação / HP Transportes.

Com vans, HP Transportes é pioneira em transporte coletivo sob demanda e pretende tirar 650 carros das ruas por dia de operação

JESSICA MARQUES

Os aplicativos de transporte individual, como Uber e 99, estão preocupando os empresários de ônibus por uma suposta concorrência “desleal”. Para reagir a essa nova tendência de mercado, a HP Transportes, de Goiânia, em Goiás, criou um serviço coletivo sob demanda.

Conforme já noticiado pelo Diário do Transporte, o CityBus 2.0 é um aplicativo que vai permitir que os passageiros chamem uma van com capacidade para até 14 pessoas, para realizar o trajeto que pretendem percorrer em menos tempo e por um valor mais baixo do que seria cobrado em um serviço prestado por automóvel.

Relembre: Goiânia recebe aplicativo para transporte público com tarifa flexível por distância percorrida

O aplicativo de celular tem valor mínimo de R$ 2,50 por “corrida” feita com os veículos do transporte coletivo. Segundo Hugo Santana, diretor de transportes da HP Transportes, o valor pode chegar a até R$ 10.

Em entrevista ao Diário do Transporte, Santana disse que o aplicativo está sendo desenvolvido para suprir a nova necessidade das pessoas com relação à mobilidade.

“Identificamos três problemas de mobilidade: tempo, conforto e segurança. Constatamos que esses problemas não são somente das pessoas que utilizam o modo coletivo, mas também o modo individual de transporte, acrescido do alto custo do automóvel e transporte individual por aplicativo” afirmou.

O executivo informou ainda que este serviço é inovador no Brasil e pode se tornar uma referência para outros municípios brasileiros e, até mesmo, cidades da América Latina.

“Independente de ser um público que utiliza o coletivo ou individual, conseguimos tempo, conforto e segurança”, completou o diretor de transportes da empresa.

O download do aplicativo CityBus 2.0 poderá ser feito gratuitamente a partir de 10 de fevereiro. A ferramenta será para celulares com os sistemas Android e iOS.

A ferramenta estará disponível no dia seguinte, 11 de fevereiro, para os usuários. Inicialmente, o serviço será realizado por um período de testes de 180 dias a partir da data de início do funcionamento do aplicativo.

Segundo o executivo a expectativa é de que 3.500 pessoas utilizem o serviço por dia durante o período de testes. Dentro da previsão, Santana informa que a meta é retirar 650 veículos das ruas por dia, transformando os motoristas em passageiros por meio do CityBus 2.0.

AUTORIZAÇÃO PARA O SERVIÇO

Unir veículos de transporte coletivo com aplicativos de viagens sob demanda é uma prática que não possui um bom histórico na Justiça. Exemplo disso é a Buser, empresa criada para que viagens rodoviárias sejam feitas com base no número de passageiros que têm interesse em determinado destino.

A empresa conseguiu realizar a primeira viagem em 2 de março, com destino a São Paulo. Na ocasião, outras duas rotas, previstas para Ipatinga e Uberlândia, em Minas Gerais, foram impedidas pela Justiça.

A suspensão dos trajetos ocorreu por meio de uma liminar do Sindpas-MG (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Minas Gerais).

Sobre a autorização para a execução do serviço, a diretora executiva da HP Transportes, Indiara Ferreira, garante que tudo foi feito com permissão por parte do poder público.

“Goiânia tem um diferencial: nosso contrato de concessão já permite que as empresas concessionárias executem serviços complementares ou diferenciados. O que a gente teve foi uma resolução do poder público para aprovar a implementação desse serviço em fase experimental”, afirmou a executiva.

Inicialmente, a autorização expressa por meio da resolução garante a operação em fase de testes por 180 dias. Em seguida, haverá análise dos resultados e possível continuidade dos serviços.

CONCORRÊNCIA

Segundo Indiara, o CityBus 2.0 não concorre com o transporte público convencional, feito por ônibus municipais cuja tarifa básica integrada é de R$ 4.

“Essa é a evolução de um serviço já existente. Já existe um serviço complementar abarcado pelo contrato de concessão, o que fizemos foi evoluir”, afirmou.

O serviço já existente é o CityBus 1.0, que possui sete rotas de transporte complementar em Goiânia e Região. A linha mais curta percorre 25 quilômetros com 65 paradas e a mais longa, 40 quilômetros com 180 pontos.

Neste caso, horário, itinerários e pontos de paradas já são previamente determinados. A diferença é que os veículos são menores, mais ágeis e com itens de conforto, segundo informações da HP Transportes, como ar-condicionado, por exemplo.

COMO FUNCIONA

Inicialmente, 30 motoristas trabalharão para as corridas do aplicativo, que serão realizadas em horários e linhas flexíveis.

A ferramenta atenderá, na primeira fase, uma área geográfica chamada “centro expandido”. Nove bairros serão atendidos: Central; Sul; Jardim Goiás; Universitário; Leste Vila Nova; Bueno; Oeste; Nova Suíça; e Bela Vista.

Confira no mapa:

868c9ee8-f277-400b-97ec-30a11df0e8f7.jpg

O CityBus 2.0 foi desenvolvido pela HP Transportes e será implantado em parceria com a Via, uma empresa americana fundada em 2012, que atua em mais de 50 locais, com aproximadamente 40 milhões de viagens já realizadas.

Por meio do CityBus 2.0, o passageiro pode visualizar a localização do veículo, acessar a identificação do motorista, a placa do ônibus, além de avaliar como foi a viagem.

Confira o passo a passo para solicitar a corrida:

  • download do app;
  • passageiro se cadastra no aplicativo;
  • solicitação de viagem, com informações do destino e do número de passageiros;
  • usuário precisa se deslocar até o ponto indicado pelo aplicativo;
  • embarque no ônibus;
  • pagamento poderá ser feito por meio de cartão de crédito ou dinheiro.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

3 comentários em Empresa de ônibus de Goiânia reage a ‘Uber’ e cria serviço próprio

  1. JOSE LUIZ VILLAR COEDO // 1 de fevereiro de 2019 às 17:26 // Responder

    PARABÉNS GOIÂNIA – GO E SÃO BERNARDO DO CAMPO – SP !!! EMPRESAS AGEM ASSIM… AJUDAM A POPULAÇÃO E SE SALVAM DOS PREJUÍZOS ! POREM… AQUI EM SAO PAULO E GRANDE SÃO PAULO (LINHAS DA EMTU/RMSP…) OS CLANDESTINOS E SEUS MICRO – ONIBUS E VANS VELHAS… E OS QUE DIZEM TER “AUTORIZAÇÃO JUDICIAL ” ESTAO PROLIFERANDO! NAS LINHAS DO CONSÓRCIO INTERNORTE RESPONSÁVEL PELA ÁREA 03 SA EMTU/ RMSP TEM VÁRIOS… FAZENDO LINHAS DE GUARULHOS PARA OS METRÔS TUCURUVI E PARADA INGLESA – ZONA NORTE DA CAPITAL ! – CULPA DO ESTADO, PREFEITURAS E EMPRESAS !

  2. Ta de parabéns essa empresa, pelo menos teve atitude e não ficou de mimimi igual as de São Paulo

  3. jose antonio silva // 4 de fevereiro de 2019 às 10:58 // Responder

    UAI, PODERIA TER UMA LINHA QUE PASSASSE NO SETOR JAÓ, GENOVEVA E AEROPORTO

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Primeiro transporte coletivo por aplicativo de celular da América Latina inicia fase de teste em Goiânia nesta segunda, 11 – Diário do Transporte
  2. Transporte coletivo por aplicativo de celular inicia fase de teste em Goiânia nesta segunda, 11 – Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: