Nova prefeita do México anuncia investimentos de meio bilhão de dólares no transporte público

Metade dos recursos irá para sistema de metrô; a outra metade será utilizada nos sistemas de ônibus e trólebus da cidade

ALEXANDRE PELEGI

O presidente do Instituto de Energia e Consumo, uma espécie de instituto de defesa do consumidor no México, Victor Alvarado, disse que 64% da rede de trólebus foram desativados nos últimos anos.

Essa informação está em matéria publicada pelo Diário do Transporte de 28 de outubro deste ano, na qual noticiamos que um grupo de associações e especialistas da Cidade do México anunciou que levaria ao Congresso um plano para o governo nacional estimular a eletromobilidade com poucos recursos e confiabilidade tecnológica. Relembre: Entidades pedem reativação de rede de trólebus na Cidade do México para combater a poluição e aumentar a qualidade dos transportes

Victor Alvarado, conforme noticiado, afirmou à época que os investimentos para que os trechos de trólebus desativados voltassem a operar seriam relativamente baixos diante dos custos anuais com saúde pública por causa da poluição.

Com a mudança de governo na Cidade do México a reivindicação de especialistas e grupos ambientais está muito perto de se tornar realidade.

Claudia Sheinbaum, a primeira mulher eleita para governar a megalópole de mais de 8 milhões de habitantes, assumiu o cargo no dia 5 de dezembro de 2018. Conhecida por defender os direitos das mulheres e das comunidades indígenas, a nova prefeita é defensora histórica das causas ambientais. Claudia já ocupou o cargo de Secretária de Meio Ambiente de 2000 a 2006, e atuou, na condição de cientista, no grupo “Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima”, que venceu o Prêmio Nobel da Paz por sua contribuição para o Quarto Relatório de Avaliação do IPCC para a ONU.

Com esse curriculum de ativista e cientista ambiental, Claudia tornou-se uma esperança para quem defende investimentos em transporte de massa limpos e sustentáveis. A importância de se investir em transporte coletivo, no entanto, vai além da questão ambiental. Dados da pesquisa Origem Destino de 2017 apontaram que micro-ônibus e pequenos veículos fazem três em cada quatro viagens por transporte público na capital mexicana.

Logo de saída, a prefeita divulgou seu plano para o setor de transportes da capital: vai destinar 10 bilhões de pesos (cerca de meio bilhão de dólares, quase 2 bilhões de reais) para investimentos em metrô, trens e trólebus.

Quase metade dos recursos (cerca de 1 bilhão de reais) será usada para a manutenção de trens, trilhos e estações do grande sistema de metrô da capital.

Outros 30% serão destinados para a construção de dois novos teleféricos, ligando pontos elevados da cidade a estações de metrô.

Dos 20% restantes, a prefeita Claudia Sheinbaum destinará parte para o sistema de ônibus da cidade conhecido como RTP – serão 600 milhões de pesos (cerca de 120 milhões de reais) para comprar novos ônibus e modernizar a frota atual.

O Metrobus, o sistema estruturado de ônibus da capital, que este ano começou a operar ônibus Double-Decker como os de Londres em uma das suas sete linhas, deve receber 1 bilhão de pesos (cerca de 200 milhões de reais) para a implantação de duas linhas adicionais.

Para o sistema STE (Sistema de Transporte Elétrico, que inclui o Trem Leve e a rede de trólebus) serão destinados 500 milhões de pesos (quase 100 milhões de reais) para concluir os trabalhos de manutenção no sistema de trilhos leves que opera no sul da cidade e para a compra de novos trólebus. O Trem Leve tem apenas uma linha, de 13 km e 18 estações.

O sistema de trólebus conta com oito linhas, que somam mais de 203 km e são operadas com 290 veículos. Essa frota permite, segundo a operadora STE, um intervalo médio de quatro minutos. O sistema vem perdendo demanda: de 2016 para 2017 houve uma redução de 24,83% no total de passageiros/ano. Em 2016 foram transportados pelos trólebus 73,7 milhões de passageiros, número que caiu para 55,4 milhões em 2017.

METAS AMBICIOSAS E MENOS BUROCRACIA NO SISTEMA DE TRANSPORTE

O plano de transporte estratégico do novo governo da cidade do México busca “aumentar a acessibilidade para os cidadãos, reduzir os tempos de viagem e melhorar as condições de viagem“.

Além dos investimentos em manutenção das atuais redes e na compra de novos equipamentos e veículos, a prefeita promete também unificar o sistema de bilhetagem, com a criação de um único cartão para toda a rede de transporte público da Cidade do México. Ela garantiu que não haverá aumento de tarifas.

Claudia quer estimular também os modos ativos de transporte: vai encorajar os moradores a viajar mais de bicicleta e a pé. Para isso, planeja construir novas ciclovias e enormes estacionamentos para bicicletas, integrando o programa de compartilhamento de bicicletas ao departamento de transportes da cidade, construindo novas passarelas de pedestres nas estações de metrô.

Mas a prefeita destacou que um ponto importante de sua gestão será eliminar a corrupção na burocracia de transportes da cidade.

Não podemos pensar em melhorar o sistema [de transporte] se a corrupção não for erradicada”, disse ela.

Além da corrupção, a tabela abaixo indica que o investimento em modos de transporte coletivo limpos e sustentáveis deve ser fonte principal de preocupação para os mexicanos. Por sorte, a nova prefeita tem não apenas propostas nesse sentido, como uma larga experiência na área ambiental.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Rogerio Belda disse:

    “México lindo y querido”. Se você não foi lá, então vá! Mas desconfie de comparações entre as metrópoles de São Paulo e México. A região já foi um lago, a cidade é sujeita a terremotos e a rede de trens é uma sistema mais leve sobre pneus em sua maior parte.

    1. blogpontodeonibus disse:

      Sim, amigo Belda, mas tem uma prefeita que além de ambientalista, defende não só a recuperação do sistema de Trólebus (saudoso Adriano Branco que bem conhecemos!), como define o investimento em transporte coletivo como missão prioritária. A quanto tempo não temos prefeitos, governadores e presidentes assim? Salve Belda, um dos fundadores da ANTP e um dos mais antigos e produtivos metroviários, responsável por exemplo pela elaboração da Pesquisa OD.

Deixe uma resposta