Kalil abre “caixa-preta” dos transportes de BH e se surpreende com tarifa a R$ 6,35

Publicado em: 21 de dezembro de 2018

Ônibus do sistema municipal de Belo Horizonte. Foto: Daniel da Silva (Clique para Ampliar)

Prefeito de BH se diz assustado com valor, que garante ser “inviável”, mas não descarta reajuste em 2019

ALEXANDRE PELEGI

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, convocou a imprensa nesta sexta-feira, dia 21 de dezembro de 2018, para revelar os resultados da auditoria realizada pela empresa Maciel Consultores sobre o que ele próprio convencionou chamar de “caixa-preta” da BHTRANS.

Além de não encontrar irregularidade nos contratos firmados entre a BHTrans e as empresas de ônibus, os cálculos e análises dos auditores levaram à conclusão de que a tarifa de ônibus na capital mineira deveria custar hoje R$ 6,35.

Dizendo-se assustado com o valor, Kalil afirmou que o preço é inviável. Mesmo assim, ele não descartou um possível reajuste na tarifa em 2019.

O último reajuste da tarifa (9,04%) ocorreu em dezembro de 2016. Quando as empresas que prestam o serviço de transporte solicitaram um novo reajuste, a prefeitura condicionou qualquer aumento à análise das contas do sistema.  O preço praticado atualmente é de R$ 4,05.

“Eu esperava abrir uma caixa-preta, mas nós, praticamente, tivemos 400 caixas da BHTrans abertas. Eu estou assustado. Não temos a menor condição em tarifar esses valores”, afirmou Kalil.

Para chegar ao valor de R$ 6,35, a empresa contratada pela prefeitura de BH levou em consideração uma série de dados, como a receita, os custos, as áreas de investimento e o lucro das empresas entre 2013 a 2016. Kalil informou que a investigação realizada pela Maciel Consultores levou em conta cerca de 104 mil documentos que regem os contratos do transporte na capital.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Oswaldo disse:

    Esse Kalil fala demais. Todos sabem que o custo de tudo no Brasil está subindo, até quando vai segurar o reajuste?Enquanto isso a prefeitura se preocupa em “dar” R$600 mil a blocos de carnaval que deveriam arrecadar dinheiro através de patrocínio….

Deixe uma resposta para Oswaldo Cancelar resposta