Mudança de nome de estações custa R$ 1 milhão ao Metrô de São Paulo e quase R$ 900 mil à CPTM

Neste ano, estação Liberdade da Linha 1-Azul ganhou novo nome. Foto: Diário da CPTM

Em ambas as companhias, alterações de sinalização ainda não foram realizadas completamente

JESSICA MARQUES

A mudança de nome de estações no Estado de São Paulo tem previsão de custar aproximadamente R$ 1 milhão à Companhia do Metropolitano, o Metrô, e quase R$ 900 mil à CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

Em ambas as companhias, as mudanças de nomes foram feitas nos últimos dez anos, mas ainda não foram realizadas todas as alterações de sinalização necessárias para orientar os passageiros. As informações foram obtidas pelo Diário do Transporte via Lei de Acesso à Informação.

No caso do Metrô, a estação Liberdade, da Linha 1–Azul, teve o nome alterado para Japão-Liberdade em julho de 2018, após decreto assinado pelo governador de São Paulo, Márcio França, em 24 de julho.

Por sua vez, a estação Jardim São Paulo, da mesma linha, teve a nomenclatura alterada para Jardim São Paulo – Ayrton Senna em outubro de 2011.

Conforme informado pelo Metrô de São Paulo ao Diário do Transporte, por meio de Lei de Acesso à Informação, o custo aproximado para alteração é de R$ 1 milhão para troca e substituição dos seguintes materiais: “mapas da Região Metropolitana, do Transporte Metropolitano e das Linhas nas estações e nos trens do sistema; bem como as placas, marcos luminosos e totens dos acessos das estações”.

Em nota, a Companhia do Metropolitano de São Paulo informou que o nome da estação Japão-Liberdade já foi atualizado nos mapas das plataformas e nas estações de metrô. Os trabalhos estão previstos para serem concluídos em janeiro de 2019.

As mudanças de nome em ambas as estações ocorreram por meio de leis que foram aprovadas pela Assembleia Legislativa na época em que as mudanças ocorreram.

Confira a nota do Metrô de São Paulo na íntegra:

“O nome da estação Japão-Liberdade já foi atualizado nos mapas das plataformas e nas estações de metrô. As atualizações da sinalização no interior dos trens estão em andamento conforme o cronograma elaborado pela Companhia. A previsão é de que o trabalho seja concluído no próximo mês de janeiro. Na estação Jardim São Paulo – Ayrton Senna a alteração foi feita na época da mudança do nome, em 2011. Mudanças de nomes de estações acontecem por força de Lei aprovadas pela Assembleia Legislativa”.

MUDANÇAS NA CPTM

f00c5387-2cac-4367-ad72-5cf20c193ae3.jpg

Apenas trens novos da Linha 10-Turquesa mostram nomes atualizados de estações. Foto: Adamo Bazani

As mudanças de nome foram realizadas em três estações da Linha 10 – Turquesa da CPTM nos últimos dez anos. A informação foi obtida pelo Diário do Transporte por meio da Lei de Acesso à Informação.

O trajeto da Linha 10 liga o ABC Paulista à cidade de São Paulo, partido de Rio Grande da Serra até o Brás, no centro da capital, passando pelas cidades de Ribeirão Pires, Mauá, Santo André e São Caetano do Sul.

Em 2013, a estação Ribeirão Pires foi renomeada para Ribeirão Pires – Antonio Baspalec, devido à Lei Nº 15.051, de 24 de junho do mesmo ano. Sancionado pelo governador da época, Geraldo Alckmin, o projeto é de autoria da então deputada estadual Vanessa Damo.

Neste caso, o custo aproximado de gastos com mão de obra e materiais para adequação à legislação foi de R$ 4.539,37, segundo a CPTM.

No ano seguinte, a Estação São Caetano teve o nome modificado para Estação “São Caetano do Sul – Prefeito Walter Braido”. O motivo foi a Lei Nº 15.623, de 19 de dezembro de 2014, também sancionada por Alckmin. O projeto de lei é de autoria do então deputado José Bittencourt.

Para a mudança, os gastos com mão de obra e materiais para adequação à legislação foram de R$ 3.593,91, ainda de acordo com o que foi informado pela CPTM.

Por fim, no próximo ano, foi a vez da Estação Mooca ter o nome modificado para Estação Juventus – Mooca. Desta vez, a Lei Nº 16.018, de 26 de novembro de 2015 também foi aprovada por Alckmin, após um projeto de lei de autoria do então deputado Carlão Pignatari.

Na época, o custo estimado de gastos com mão de obra e materiais para adequação à legislação foi de R$ 3.981,45.

A Companhia informou ao Diário do Transporte, também via Lei de Acesso à Informação, que “os custos para a atualização definitiva das informações, envolvendo a comunicação visual de trens e estações, serão de aproximadamente R$ 896 mil”.

“Cabe salientar que os mapas no site da CPTM e nos aplicativos oficiais disponibilizados já se encontram atualizados”, informou ainda a Companhia.

Em nota, a CPTM afirmou que o nome das estações da Linha 10-Turquesa já estão escritos da forma modificada em mapas e estações. No interior dos trens, porém, nem todos os carros estão com as informações atuais e não foi informado prazo para o fim da atualização.

“O nome das estações Ribeirão Pires, São Caetano e Mooca já foram atualizados nos mapas das plataformas e das estações da CPTM, com recursos do orçamento. As atualizações no interior dos trens estão em andamento conforme o cronograma previsto para a frota”, informou a CPTM, em nota.

Ao passar pelas estações, porém, é possível observar que os nomes ainda estão com a grafia anterior, sem os demais nomes que foram acrescentados após a sanção das leis.

MAIS MUDANÇAS

Os deputados do Estado de São Paulo ainda trazem na pauta sugestões de mudanças de nome para diversas estações da CPTM. O assunto foi colocado em discussão em outubro deste ano.

Relembre: Deputados querem mudar nomes de estações da CPTM

Em 2016, o deputado Luiz Fernando T. Ferreira apresentou o projeto de lei nº 43 para mudar o nome da Estação Água Branca da Linha 7 – Rubi da CPTM para “Estação Nacional – Água Branca”.

O projeto de 172, de 2006, do deputado Jorge Caruso, voltou à pauta, provavelmente para sair de maneira definitiva já que tinha sido vetado. A proposta quer alterar o nome da Estação Grajaú da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM para a “Estação Sebastião Zillig”.

Há projetos também para nomes de estações que não operam e que nem foram inauguradas.

O deputado Luiz Cláudio Marcolino apesentou em 2014 o projeto 1333 que denomina de “Santa Cabrini” uma das estações da extensão da linha 9 Esmeralda, que  fica no Jardim São Bernardo Vila Natal, Distrito do Grajaú.

Já o deputado Marcos Neves, em 2011, propôs que a estação central de trem da CPTM em São Roque, passasse a se chamar “Estação São Roque: Recanto dos Imigrantes”.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. André disse:

    Tantas coisas importantes pro governo se preocupar e vem logo com essa frescura gastar dinheiro com nome de estação, e o fim mesmo.

    1. Hermes de Aquino disse:

      Gasto completamente desnecessário, incrível a capacidade de ideias para desviar dinheiro

    2. Marcio Luiz disse:

      Esses deputados nao tem o que fazer, e ficam inventando jeito de gastar dinheiro onde nao deve., isso é falta do que fazer.

  2. Super útil mesmo gastar esse dinheiro todo só pra mudar nome de estação de metrô. Tanta melhoria que poderia ser feita com essa grana, mas não. Que palhaçada.

  3. SIMONE BEZERRA disse:

    Inverter os nomes das estações Paulista, que fica na Consolação e estação Consolaçao, que fica na Paulista, causando uma GRANDE confusão na cabeça do usuário ninguém pensa, né? Essa alteração seria a única de utilidade pública por motivos óbvios…
    Ah, faça-me o favor.

  4. Iris disse:

    poderia usar esse dinheiro em saúde e educação. Alguém tá ganhando com isso. Quanto dinheiro jogado fora.

  5. Colocar uma equipe de futebol, como Palmeiras-Barra Funda, ou Corinthians-Itaquera, até dá pra engolir. Mas colocar o nome de um político junto é uma falta de respeito com o dinheiro público.

    1. Daniel disse:

      Tirou as palavras da minha boca.

  6. Sara Vieira Santos disse:

    Ridículo,cada nome sem noção…deixa como esta,vai fazer comfusao na cabeça do povo,fora que e um gasto obviamente desnecessário…nos poupe né!

  7. Paulo Prado de Medeiros disse:

    mudar o nome de uma das estações lapa, de duas linhas diferentes e que sempre causa confusão ninguém muda! eu estava com um senhor de idade amigo meu, e queríamos ir para uma delas, não sabíamos que tinham duas… o balcão de informações do metro na estação barra funda nós disse para irmos para uma linha. chegando lá, perguntando para um segurança onde ficava a rua que iríamos, ele nos disse que teríamos que ir para a outra estação “lapa”, de outra linha! o senhor passando mal e tivemos que voltar o caminho todo até a barra funda… absurdo! MUDEM LOGO O QUE DEVE SER MUDADO! depois façam as homenagens que quiserem!

  8. Jose Milton disse:

    Deveriam construir mais estações para poderem nomeá-las em vez de ficarem renomeando-as. O governo Serra fez muito isso.

  9. Marlene Carnevali disse:

    É uma vergonha, gastar um montante desse para uma coisa tao supérflua. Com tantas outras necessidades que garantem a seguranca da população, nem pensar. O que o França tem na cabeça? Sempre torra nosso dinheiro sem nos perguntar se precisamos disso.

  10. Tio Sam disse:

    Quero saber o quanto de propina é o quanto de verba é desviado em cada alteração dessa…

  11. Gabrielle disse:

    Alem de ser uma tremenda falta de gestão eficiente, é desnecessário e medíocre. Uma vergonha para a intelectualidade humana.

  12. Flávia disse:

    As mudanças de nomes que são necessários que é a da Lapa e da Paulista e Consolação eles não mudam, agora ficam gastando fortunas com coisas inúteis. Patifes!!!

  13. Sergio disse:

    Eis que descobriram uma nova forma de desviar dinheiro.

  14. Vitor disse:

    Ver! Go! Nha!

  15. Leonardo Barbosa Mendes disse:

    Cofres públicos são latrinas utilizadas pelos políticos conforme o que eles tem na cabeça.

  16. Nilde Morelli disse:

    Quantas desnecessidades……….
    Só governantes pifeos, incompetentes se apegam a essas mixarias com gastos altíssimos……. RIDÍCULOS.

  17. Hermes de Aquino disse:

    Esse país é uma vergonha, só tem pilantras no comando.

  18. Rogério disse:

    Falta de respeito com a memoria urbana, só isso.

  19. Ivo disse:

    Paulista e Consolação não precisam de mudança, seus nomes estão perfeitos. Só alguém desatento para se confundir.

  20. Pcesar disse:

    A questão que se mantém é sempre relacionada com a cornucópia da propina. Homenagens são possiveis, mas em novas estações, novas obras de qq natureza. Pode até não ser, mas parece com caminhos de propina e desvios de grana, muita grana.
    No mínimo é burrice administrativa ou incompetência mesmo!

  21. Celso disse:

    Por que a população só é informada depois de consumado?????????

  22. Luiz Aguiar disse:

    João Doria não deixe gastar inutilmente , com essas mudanças não é necessário e o dinheiro e nosso, use para outros fins para ajudar o povo.

  23. Sobrinho disse:

    País de ladrões, agora mais 4 anos de roubalheira. Uma vergonha! Com certeza esse dinheiro das placas é desviado para o bolso dos políticos.

  24. Aleksander Brunhara disse:

    Meu deus do céu!!! Isso é revoltante!! Tantos problemas para serem resolvidos e esses deputados inúteis perdendo tempo com essas alterações que nao agregam nada para a sociedade!! E pior ainda foram os governadores que aceitaram tais mudanças! Revoltante!

  25. Os nomes das estações deveriam ser para identificar o local ou algum ponto de referência e não ficar colocando nome de outro país, time de futebol, tampouco nome de político.

  26. Mauro Ramon disse:

    Tinha que fazer um projeto de lei único: que proibisse todas as alterações de nomes de estações ou, no mínimo, fosse com consulta pública.

  27. Rodrigo Zika! disse:

    Isso acontece porque o povo tem memória curta, e ira votar nos mesmos, povo gado merecem os governantes que tem.

  28. David disse:

    Como os políticos brasileiros em geral é um bando de alienado e que não servem para nada. Precisamos diminuir a quantidade de doentesd no poder.

  29. Thiago disse:

    Essas mudanças vão ser utúte para o povo…

  30. jefferson ribeiro disse:

    Gasto desnecessário e valor absurdo para apenas trocar um nome dinheiro jogado fora.

  31. Francisco Eduardo De Albuquerque Oliveira disse:

    Mudar nome de estacao ou ruas é um crime! As estacoes tem nome de bairros ou cidades vc mudavccomo vi em uma delas para um nome proprio ( no caso de político) vc faz com que o usuario perca a referencua! Esses nossos amaldicoados politicos pensam que o usuario da estacao e apenas o morador local, como ficam os usuarios de outros municipios estados e ate outros paises? Falta seriedade e compromisso com o interesse publico!!!!

Deixe uma resposta