Deputados querem mudar nomes de estações da CPTM

Estação Água Branca é uma das que tem proposta para mudança de nome. Imagem: Astradifortitus (Clique para Ampliar)

Até mesmo onde não há operações, existem projetos de nomenclaturas novas

ADAMO BAZANI

A CPTM transporta até três milhões de pessoas por dia numa malha de aproximadamente 270 km.

Essencial para o deslocamento principalmente de pessoas que moram em locais mais afastados onde a infraestrutura e a oferta de emprego são menores, a rede passou por vários avanços nos últimos anos (nem dá para comparar com a precariedade das épocas de Fepasa e CBTU), mas ainda enfrenta diversos problemas, como controle de trem e sinalização de tecnologia ultrapassada, estações sem acessibilidade plena, vandalismo e uma verdadeira invasão de vendedores ambulantes que comercializam de tudo nos carros (vagões), desde balinhas até remédios e, pasmem, contratos para a venda de imóveis.

Entretanto, apesar dos problemas, os nomes das estações são preocupações de parlamentares estaduais.

Na pauta desta quarta-feira, 24 de outubro de 2018, estão projetos, alguns antigos e já vetados em primeiras votações, que dão denominações diferentes às estações.

Em 2016, o deputado Luiz Fernando T. Ferreira apresentou o projeto de lei nº 43 para mudar o nome da Estação Água Branca da Linha 7 – Rubi da CPTM para “Estação Nacional – Água Branca”.

O projeto de 172, de 2006, do deputado Jorge Caruso, voltou à pauta, provavelmente para sair de maneira definitiva já que tinha sido vetado. A proposta quer alterar o nome da Estação Grajaú da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM para a “Estação Sebastião Zillig”.

Há projetos também para nomes de estações que não operam e que nem foram inauguradas.

O deputado Luiz Cláudio Marcolino apesentou em 2014 o projeto 1333 que denomina de “Santa Cabrini” uma das estações da extensão da linha 9 Esmeralda, que  fica no Jardim São Bernardo Vila Natal, Distrito do Grajaú.

Já o deputado Marcos Neves, em 2011, propôs que a estação central de trem da CPTM em São Roque, passasse a se chamar “Estação São Roque: Recanto dos Imigrantes”.

Na ocasião, havia um projeto do Governo do Estado para transformar a estação numa parada de trem turístico e, em 2013, para uma linha de trem regional, como mostra uma nota da prefeitura de São Roque na época: – http://www.saoroque.sp.gov.br/portal/noticias/0/3/3357/CPTM-define-prazo-para-inicio-das-obras-do-trem-de-passageiros-que-ligar%C3%A1-S%C3%A3o-Roque-a-S%C3%A3o-Paulo

Nada se concretizou.

MUDANÇAS DE NOMES PODEM CUSTAR QUASE R$ 1 MILHÃO:

Muitos passageiros podem pensar que a alteração do nome de estações é uma medida simples, mas as mudanças podem custar de R$ 500 mil a R$ 900 mil.

É o que mostra um estudo apresentado na 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária, de 2016, da Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô – AEAMESP.

De autoria de Clercia Mara de Oliveira Nisti, Helena da Silva Andrade e Thiago dos Santos da Silva, o trabalhou analisou as estações da CPTM na época.

Os custos se referem a novas placas, sinalizações, regravações do áudio de anúncio de paradas e atualizações de mapas.

Dependendo do caso, a mudança também deve ser feita em outras estações do sistema. São os casos de estações-terminais ou que fazem integrações com outras linhas tanto da CPTM como do Metrô.

As alterações de nomes de estações também provocam mudanças em placas de sinalização de trânsito e letreiros de ônibus.

Confira o estudo:

ESTUDO-MUDANÇA-DE-NOMES-CPTM

Resumo dos projetos de mudanças de nomes de estações:

 Veto – Discussão e votação – Projeto de lei nº 1333, de 2014, (Autógrafo nº 31400), vetado totalmente, de autoria do deputado Luiz Cláudio Marcolino. Dá a denominação de “Santa Cabrini” à estação da linha “9 – Esmeralda” da Companhia Paulista de Transportes Metropolitanos CPTM, no Jardim São Bernardo Vila Natal, Distrito do Grajaú, na Capital. (Artigo 28, § 6º da Constituição do Estado).

– Veto – Discussão e votação – Projeto de lei nº 43, de 2016, (Autógrafo nº 31826), vetado totalmente, de autoria do deputado Luiz Fernando T. Ferreira. Dá a denominação de “Estação Nacional – Água Branca” à atual “Estação Água Branca” da Linha 7 – Rubi da CPTM, na Capital. Parecer nº 222, de 2017, da Comissão de Justiça e Redação, favorável ao projeto. (Artigo 28, § 6º da Constituição do Estado).

Veto – Discussão e votação – Projeto de lei nº 172, de 2006, (Autógrafo nº 31195), vetado totalmente, de autoria do deputado Jorge Caruso. Dá a denominação de “Estação Sebastião Zillig”, à Estação Grajaú da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM, na Capital. (Artigo 28, §6º da Constituição do Estado).

Veto – Discussão e votação – Projeto de lei nº 1128, de 2011, (Autógrafo nº 31194), vetado totalmente, de autoria do deputado Marcos Neves. Dá a denominação de “Estação São Roque: Recanto dos Imigrantes” à estação central de trem da CPTM em São Roque. (Artigo 28, § 6º Da Constituição do Estado)

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

19 comentários em Deputados querem mudar nomes de estações da CPTM

  1. João Luis Garcia // 24 de outubro de 2018 às 09:58 // Responder

    Vergonha da nossa classe política
    Com tantos problemas a serem resolvidos
    É para isso que esses Srs foram eleitos e alguns até reeleitos ?

    • Nilton Cesar da Rosa // 25 de outubro de 2018 às 21:12 // Responder

      Com tanta coisa a ser feita, com tantas leis para aerse aprovadas, esses bostas tão preocupados com nomes de estacoes? Vai tomar no cu. Porque eles não batizam seus cachorros e filhos com esses nomes. Nome de estação não muda a vida de ninguém

  2. Uma lástima. Desde que o metrô passou a rebatizar estações a moda pegou. Pior que agora a moda é dois nomes. Tudo para complicar a localização urbano/espacial do usuário no mapa desta intrincada cidade. Se para os habitantes de Sao Paulo já é difícil a compreensão imagina para um turista.

  3. Saí uma fortuna das contas públicas para o pagamento desse pessoal que não tem nada mais a fazer , senão pensar em coisas fúteis.
    Elês não devem saber, mais a função deles e discutir melhorias para adicionar suado cidades e não mudança de nomes, isso não leva nada, a não ser gastos em besteiras que só agradar a eles e seus companheiros e amigos

  4. PAULO CAIO PEÇANHA // 24 de outubro de 2018 às 12:04 // Responder

    OLA
    REALMENTE, ESSA HISTORIA DE MUDAR NOMES DE ESTAÇÕES DE TREM E DE MTRÔ, PARA HOMENAGEAR COISAS INUTEIS, E SÓ AUMENTAR DESPEZAS, É MESMO FALTA DO QUE FAZER.
    REALMENTE, HA NECESSIDADE URGENTE DE UMA AMPLA REFORMA POLITICA, PARA DIMINUIR O NUMERO DE SENADORES, DE DEPUTADOS FEDERAIS, DE DEPUTADOS ESTADUAIS E DE VEEADORES.
    VEJA, SOMENTE AQUI NO ESTADO SÃPO PAULO, HA NOVENTA DEPUTADOS ESTADUAIS.
    É MUITA GENTE INUTIL, QUE NEM SABE PARA QUE ESTA LA,
    E POR NÃO SABEREM NADA SOBRE NADA, PARA JUSTIFICAR SUAS FUNÇÕES, APRESENHTA ESSE TIPO DE IDIOTCE.
    VAMOS FZER UM MOVIMENTO CONTRA ESSAS BBBABAQUICESS, DE MUDAR NOME E DE ESTAÇAO DE TREM., POIS ISSO SÓ SERVE PARA GASTAR O DINHEIRO PUBLICO JÃ TÃO ESCASSO, EM COISAS INUTEIS.
    VAMOS TODODS OS MORADOERES DO NOSSO ESTADO, FAZER UM MOVIMENTO FORTE, PARA QUE ISSO NÃO SEJA APROVADO NUNCA.
    POIS ELES PODEM QQUERER APROVEITAR O FIM DO MANDATO PARA APROVAR ESSAS IMBECILIDADES.
    VAMOS TAMBEM FAZER CAMPANHA PAARA QUE O GOVERMADOR VETE TUDO ISSO.
    AGRADEÇO A ATENÇÃO

  5. Inacreditável……………………..aca!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! estão de brincadeira.

  6. Fernando Seiti Nonobe // 24 de outubro de 2018 às 13:20 // Responder

    Que tal um projeto pra proibir essas mudanças que só atrapalham a populaçao pois descaracteriza a referencia da localidade. É muita idiotice pra um país só.

  7. Esse e um dos motivos que mudaram praticamente metade dos senadores e deputados nessas eleições, e que continue assim, não esqueçam, toda eleição de presidente sempre avaliem esses pra saber o que fizeram pela cidade ou estado, a troca já começou aos poucos, e espero que troquem todos e coloque lá quem realmente ira fazer algo pelo povo, não esses imbecis, que estão lá só pra usurpar do dinheiro publico.

  8. Que tal reativar a malha ferroviária para trens de passageiros até o interior de
    SP?

  9. Celso aparecido Lopes // 24 de outubro de 2018 às 15:54 // Responder

    E mole…! Eles nan tem o que fazerem? Preocupados com nomes de estações!…. absurdo.eles teem que se preocupar em modernizar o sistema Desde que substituíram os trens, agora mais modernos, fala-se à cinco anos que estão modernizando….e ate agora…naaada! Tratem de respeitar a ferrovia em nosso estado. Retomem os trens de passageiros para o litoral e etc!

  10. esses vagabundos deveriao se preocupar com a pessima operaçao da cptm mas nao quer dar nomes que nao tem nada a ver

  11. Esses políticos não tem o menor respeito para com a população, não estão nem aí para a qualidade do transporte público. Querem é achar uma maneira de desviar mais recursos públicos, nosso dinheiro…

  12. Nossa…..
    O que seria de nós sem os nosso valiosos deputados.

  13. Ricardo Dos Santos Gonçalves // 24 de outubro de 2018 às 18:53 // Responder

    Faltou as legendas das criaturas

  14. Por que invés de gastar com mudança de nome da estação Água Branca, não constroi uma passarela?
    Ja que essa é a unica estação da linha em que os pedestres tem que atravessar por cima dos trilhos.

  15. Bando vagabundo só sabe roubar .tantos problemas na extensão da linha procurando mais uma pra roubar .os deficientes não tem o mínimo de respeito por eles com tanto a fazer .querendo mudar nome.

  16. Estações deveriam ter os nomes das cidades ou bairros apenas, quando há mais de uma no mesmo município, não o nome de pessoas.

  17. Esses deputados não tem o q fazer ? Será q não tem coisas realmente importante pra esses “representantes” do povo ocupar o tempo q é custeado pelos dinheiro dos impostos? Bando de desocupados. É isso q da votar nos ””tiriricas” da vida.

  18. João Gabriel Lima Barbosa // 25 de outubro de 2018 às 10:19 // Responder

    Bando da deputado inutil! Gastando nosso dinheiro no lixo

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: