UITP prevê mais de 200 novas linhas de metrô em todo o mundo para os próximos anos

Metrô de Shenzhen, na China, está no ranking dos 10 mais extensos do mundo

Relatório da entidade aponta que a ascensão da frota automatizada, que tem sido destaque nos últimos anos, será predominante daqui para a frente

ALEXANDRE PELEGI

O Statistics Brief sobre os metrôs do mundo, parrudo relatório produzido pela UITP – International Association of Public Transport (Associação Internacional de Transporte Público), traz uma série de informações importantes para quem gosta de acompanhar a evolução do sistema metroviário no mundo. A data de publicação é setembro de 2018.

Como lembra a entidade internacional logo de saída, os metrôs são de importância crítica para a mobilidade à medida em que as sociedades estão se tornando cada vez mais urbanizadas.

Segundo o relatório, no final de 2017 havia metrôs em 178 cidades em 56 países, transportando em média um total de 168 milhões de passageiros por dia. FROTA DE TRENS

Para este relatório, a UITP coletou dados de material rodante para todos metros no mundo pela primeira vez. Para 2017, a frota operacional total era composta por 114.000 vagões.

Desde o ano 2000, foram inaugurados 75 novos metrôs, um crescimento de 70%. “Este massivo crescimento deve ser creditado em grande parte a investimentos feitos em alguns países da Ásia”, diz o documento.

Mais à frente no documento, a UITP volta a falar da Ásia: “Olhando para a história do desenvolvimento do metrô, nunca houve um desenvolvimento tão forte desde que a Ásia começou a investir maciçamente em sistemas metroviários nos anos 70. Houve um aumento significativo na atual década, que nem sequer terminou, em grande parte devido à China e à Índia”.

Repare no gráfico abaixo, que nesta década (2010-2019) enquanto a Ásia inaugurou 33 sistemas de metrô, a América Latina abriu apenas 3.

uitp_03

Para o Statistics Brief, a UITP coletou uma série de indicadores-chave de todos os metrôs do mundo, incluindo número de passageiros, número de linhas, comprimento da rede, número de estações e tamanho da frota.

Segue um breve resumo dos principais tópicos:

USUÁRIOS

Em 2017, os 178 sistemas de metrô representaram um total anual usuários de 53.768 milhões de passageiros.

Veja o Mapa da distribuição por regiões:

uitp_01

Nos últimos seis anos, o número de usuários de metrôs cresceu globalmente em 8.716 milhões de passageiros (+ 19,5%).

Repartida por continente, a taxa de crescimento de passageiros entre 2012 e 2017 foi mais robusta na região do Oriente Médio e Norte da África (MENA – Middle East and North Africa) com +58%, seguida da Ásia (+ 28%) e da América Latina (+ 20%). América do Norte e Europa registraram 10% de aumento, enquanto a Eurásia perdeu 3% dos passageiros.

A Ásia é o lar de nada menos do que sete dos dez mais movimentados metrôs do planeta. Em comparação com o mesmo relatório de 2015 (Statistics Brief), Nova Delhi (Índia) subiu entrou no Top 10, tomando o lugar do Metrô de Paris.

Pequim, Xangai, Seul, Guangzhou e México se mudaram para a parte de baixo no ranking, enquanto Moscou subiu para o número dois. Veja o ranking (Top 10):

uitp_02

INFRAESTRUTURA

Em 31 de dezembro de 2017, os 178 sistemas de metrô juntos tinham 642 linhas, para um comprimento total de 13.903 km e 11.084 estações.

Entre o começo de 2015 e o final de 2017, 1.901 km de nova infraestrutura de trilhos foram colocados em serviço. Isso inclui as novas linhas que abriram nos 19 novos metrôs em cidades da China, Índia e Irã (577 km), mas também novas linhas em cidades metropolitanas já estabelecidas (820 km), bem como extensões de linhas (504 km).

Quanto a metrôs individuais, em comparação com a situação no final de 2014, Shenzhen se juntou ao Top 10 dos sistemas de metrô mais longos, substituindo a Cidade do México. Seul subiu uma posição para o número três e Guangzhou subiu do número nove para o número sete no ranking. Londres, Moscou e Madri desceram uma posição.

A Ásia é o lar de nada menos que seis dos dez maiores metrôs do planeta.

Veja a relação (dados do fim de 2017):

uitp_04

Mais seis metrôs passaram a ter um comprimento superior a 200 km: Cingapura (265 km), Chongqing (260 km), Cidade do México (226 km), Teerão (221 km), Nova Deli (220 km), Paris (215 km) e Wuhan (204 km). Nova Delhi provavelmente entrará no Top 10 em 2018.

A ASCENSÃO DA FROTA AUTOMATIZADA

Em março de 2018 o comprimento total da linha de operação totalmente automatizados (FAO – Fully Automatic Operation) atingiu o marco de 1.000 km com a inauguração da Linha Pujiang em Xangai.

Metrôs totalmente automatizados representam atualmente 7% do comprimento total dos ativos do metrô instalados. Apesar de parecer modesto, deve-se ter em mente que os metrôs totalmente automatizados surgiram nas décadas de 1980 e 1990, em comparação com 150 anos de história do metrô.

No período 2015-17, dez novas linhas de metrô projetadas para operar totalmente automatizadas (FAO / GOA4) entraram em serviço em dez cidades, com extensão total de 157km. O GOA 4 é uma operação de trem sem supervisão, onde o início e a parada, o funcionamento das portas e o manuseio de emergências são totalmente automatizados, sem qualquer equipe no trem.

Juntamente com nove extensões de linha, o novo GOA4 totaliza 274km e representa 12% do total do metrô infraestrutura instalada em 2015-17. “Se excluirmos a China, que está apenas começando o metrô da FAO e está afetando desproporcionalmente os números de crescimento, os novos metrôs do GOA4 representam 32% de todos os novos metrôs aberto durante o mesmo período”, afirma o documento da UIPT.

A UITP aposta que o forte “mainstreaming” dos metrôs padrão GOA4 em todo o mundo será confirmada nos próximos anos, agora que a China adotou resolutamente a abordagem de metrô totalmente automatizada.

PROJEÇÕES DE CRESCIMENTO

Nos próximos cinco anos, mais de 200 novas linhas (convencionais e GOA4) e ainda mais extensões devem ser abertas na maioria das regiões, incluindo a África Subsaariana.

No verão de 2018, cerca de 5.400 km foram reportados estar em construção ou em fase de testes, outros 1.700 km nos estágios de projeto e licitação, indica o Statistics Brief do metrô da UITP.

O gráfico abaixo ilustra a infraestrutura cumulativa esperada evolução nos próximos cinco anos, bem como a forte integração dos metrôs totalmente automatizados (GOA4) no mundo todo. 32 linhas desse padrão devem entrar em operação comercial em 16 cidades chinesas até 2022.

uitp_05

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Rogerio Belda disse:

    Informações sobre evolução das redes de transporte de alta capacidade são interessantes, porém tais comparações merecem cuidados. Lembrar de um caso que se tornou clássico:
    A comparação dos metrôs mexicano e paulistano. São metrópoles grandes que, no entanto, dispõem de sistemas absolutamente distintos. No México o metrô é mais leve e trafega sobre pneus predominantemente, devido a condições locais (terremotos), embora disponha também de trechos ferroviários).Tal escolha se deve a condicionantes geológicos. Simples comparações utilizando apenas extensões das redes, levaram a alguns equívocos de interpretação. Há que se considerar, também, a capacidade de transporte da escolha tecnológica feita e, especialmente, os condicionantes da diretriz técnica que foi adotada.

Deixe uma resposta