Em assembleia, Comil aprova pagamento de funcionários demitidos

Comil está em processo de recuperação judicial. Foto: Divulgação.

Proposta será encaminhada à Justiça e nova reunião foi marcada para 14 de fevereiro de 2019

JESSICA MARQUES

Durante a Assembleia Geral de Credores que ocorreu nesta quinta-feira, 22 de novembro de 2018, a fabricante de carrocerias de ônibus Comil, de Erechim, do Rio Grande do Sul, aprovou o pagamento dos funcionários demitidos.

A proposta será encaminhada à Justiça, com o objetivo de reverter a decisão que suspendeu a antecipação dos pagamentos para a Classe Trabalhista.

Uma nova assembleia foi marcada para 14 de fevereiro de 2019. Segundo informações do jornal Boa Vista, até o próximo encontro os advogados da empresa continuarão as negociações com as instituições bancárias.

Ainda segundo a reportagem, de Edigio Lazzarotto, o primeiro votado foi a antecipação dos pagamento dos credores trabalhistas, que são aqueles funcionários que foram demitidos. Em seguida, foi votada a suspensão da assembleia dos credores.

As pautas foram aprovadas por 92,4% e 94% dos presentes, respectivamente, na tarde desta quinta-feira.

Segundo a fabricante, o objetivo desta assembleia “é buscar a concordância dos credores de todas as classes para restabelecer os pagamentos, o mais breve possível”.

“Prezando pelos seus trabalhadores e sabendo que esta antecipação em nada prejudica os demais credores, em virtude de que o plano prioriza o pagamento à Classe Trabalhista, a Comil conta com a colaboração de todos os credores”, finaliza o comunicado enviado inicialmente à mídia local, e não para a imprensa do setor.

A assembleia geral dos credores no processo de recuperação da encarroçadora de ônibus Comil, que deveria ser realizada no dia 18 de setembro de 2018, foi suspensa por 60 dias após parecer favorável pela suspensão por 97,14% dos participantes, segundo informações da empresa.

Relembre: Assembleia de credores da Comil é suspensa por 60 dias para negociação com instituições financeiras

No último comunicado, a empresa disse que é a segunda maior fabricante de carrocerias de ônibus rodoviários do país e que sua produção no acumulado do ano até agora cresceu 38% em relação ao mesmo período de 2017.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Valerio Pereira de Macedo Filho disse:

    Vamos torcer para que chegue a um entendimento….e a empresa…tao importante no mercado de onibus brasileiro…possa implacar seus trabalhos de forma segura e responsavel a bem do brasil e de seus trtbalhadores e fornecedores… Boa sorte Comil…

  2. luiz fernandes de oliveira disse:

    Pé na tabua.

  3. Cleiton dutra disse:

    Se é tão representativa assim como se diz, como chegou nessa situação? A má administração e administração familiar cada vez mais comprovando a sua incompetência! Uma pena, essa última geração d carroceria comil esta linda..olha q ate melhor do q Marcopolo

    1. Fábio disse:

      A fábrica de Lorena e o programa do governo federal ferraram com a Comil e desde que lançaram o Invictus, as vendas aumentaram consideravelmente. Tanto que eu considero que foi a última jogada no qual está dando certo.

  4. Cleiton dutra disse:

    Se é tão representativa assim como se diz, como chegou a essa situação? Adm familar ou nao.profissional comprova a incompetência!

Deixe uma resposta