Justiça impede antecipação de pagamentos na recuperação da Comil e encarroçadora vai apresentar proposta em assembleia nesta quinta, 22

Ônibus da Comil. Empresa tenta reverter decisão – Foto: Adamo Bazani (Clique para ampliar)

Se conseguir aval de credores, fabricante de carrocerias de ônibus deve encaminhar resultado da assembleia à Justiça

ALEXANDRE PELEGI/ADAMO BAZANI

A fabricante de carrocerias de ônibus Comil, de Erechim, do Rio Grande do Sul, quer reverter a decisão da justiça que suspendeu a antecipação dos pagamentos para a Classe Trabalhista.

A empresa vai colocar a proposta para a votação na Assembleia Geral de Credores que ocorre no dia 22 de novembro de 2018, “se assim se fizer necessário pela eventualidade de nova suspensão”.

Segundo a fabricante, o objetivo “é buscar a concordância dos credores de todas as classes para reestabelecer os pagamentos, o mais breve possível”. Assim que aprovada em assembleia, a proposta será encaminhada à justiça.

“Prezando pelos seus trabalhadores e sabendo que esta antecipação em nada prejudica os demais credores, em virtude de que o plano prioriza o pagamento à Classe Trabalhista, a Comil conta com a colaboração de todos os credores”, finaliza o comunicado enviado inicialmente à mídia local, e não para a imprensa do setor.

A assembleia geral dos credores no processo de recuperação da encarroçadora de ônibus Comil, que deveria ser realizada no dia 18 de setembro de 2018, foi suspensa por 60 dias após parecer favorável pela suspensão por 97,14% dos participantes, segundo informações da empresa.

Relembre: Assembleia de credores da Comil é suspensa por 60 dias para negociação com instituições financeiras

https://diariodotransporte.com.br/2018/09/18/assembleia-de-credores-da-comil-e-suspensa-por-60-dias-para-negociacao-com-instituicoes-financeiras/

No último comunicado, a empresa disse que é a segunda maior fabricante de carrocerias de ônibus rodoviários do país e que sua produção no acumulado do ano até agora cresceu 38% em relação ao mesmo período de 2017.

Adamo Bazani  e Alexandre Pelegi, jornalistas especializados em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. vagligeirinho disse:

    Torço pela recuperação da Comil. Quanto mais empresas diferentes e com qualidade, melhor o Brasil tem em transporte.

  2. MarcoV disse:

    Eu também penso do mesmo modo.

  3. Gean Teixeira disse:

    Torço pela recuperação da Comil primeiramente para não termos mais e mais pais de família desempregados, e em segundo lugar para termos uma concorrência saudável no setor. A Marcopolo já está muito batida. Chega!!

Deixe uma resposta