Exposição conta a história do primeiro Metrô do Brasil

Estação Memória é inaugurada na Sé, em São Paulo

JESSICA MARQUES

Quem gosta de história e quer conhecer mais sobre o transporte metroferroviário brasileiro, poderá visitar uma exposição que conta a história do primeiro Metrô do Brasil Na estação Sé, na capital paulista, será inaugurada a “Estação Memória”, nesta quarta-feira, 7 de novembro de 2018.

Segundo informações do Metrô, a exposição ficará aberta ao público por dois anos, sempre de segunda-feira a sexta-feira, das 9h às 18h.

A iniciativa ocorre em comemoração ao cinquentenário de fundação da Companhia do Metropolitano de São Paulo. O Metrô completou 50 anos em 24 de abril de 2018.

A “Estação Memória” vai contar a história do primeiro Metrô do Brasil por meio de painéis, totens e telas interativas.

Na Estação Sé, a mais movimentada de todas as estações de metrô da capital paulista, foi montado um túnel de 40 metros. No local, o passageiro terá a oportunidade de conhecer o sistema de transporte e sua evolução tecnológica.

“No túnel, o visitante poderá também viajar ao passado por meio de fotos, objetos e vídeos históricos organizados em três módulos: ‘A cidade antes do Metrô’, ‘Saindo do papel’ e ‘A todo vapor’. Em cada um deles foram abordados temas como tecnologia, infraestrutura, cultura, transformações urbanas, atendimento aos usuários e a importância dos funcionários. Informações e imagens que mostram a complexidade das obras de expansão estarão expostas pelo ambiente”, informou o Metrô, em nota.

Também será possível experimentar a sensação de estar na cabine e operar um dos trens da primeira frota usada pelo Metrô: o A35. Uma reprodução da cabine do trem em tamanho real foi montada no mezanino da Estação Sé e, ao longo da exposição, terá um painel no qual será possível simular a operação do trem.

Durante a visita na “Estação Memória”, os usuários ainda poderão conhecer a maquete da rede atual, que identifica as estações de metrô inseridas na escala da cidade.

Leia também: De A35 para J35, o retorno que revelou o carinho da população pelo Metrô de São Paulo

Em maio deste ano, a Estação Sé recebeu uma réplica de trens antigos, uma maquete que representa o sistema e uma exposição fotográfica.Na ocasião, foi colocada no mezanino da estação uma réplica de vagão da extinta Frota A.

Relembre: Metrô celebra 50 anos com atrações culturais em maio

CURIOSIDADES

O sistema metroviário paulista conta hoje com seis linhas, 96 quilômetros de extensão (com 415 mil metros de trilhos) e 84 estações, todas obras construídas pela Companhia do Metropolitano de São Paulo.

Desde sua inauguração, o Metrô já transportou 28 bilhões de passageiros. Este número é 135 vezes a população do Brasil ou 3,7 vezes a população da Terra.

Ao longo desses anos, foram percorridos mais de 500 milhões de quilômetros pelos trens do Metrô, o que representa 1.298 vezes a distância entre a Terra e a Lua.

Diariamente, são realizadas 3,8 mil viagens programadas, 3 milhões de abertura e fechamento de portas e percorridos 64,6 mil quilômetros para transportar os 3,7 milhões passageiros nas linhas operadas pela Companhia do Metrô.

TREM A35, UM PIONEIRO NA FROTA DO METRÔ DE SÃO PAULO

(Adamo Bazani e Alexandre Pelegi)

A série  da qual fazia parte o A35 integrou a primeira frota do Metrô de SP. Os trens foram produzidos entre os anos de 1972 e 1976 na fábrica da Mafersa, no bairro paulistano da Lapa, sob licença da empresa norte-americana The Budd Company, inspirados em modelos de trens norte-americanos.

Passando por testes em 1972, circulando entre o pátio da estação Jabaquara e a estação Saúde – à época a Linha Norte-Sul ainda em obras (hoje chamada de Linha 1-Azul) , apenas em 1974 essas composições entraram em serviço. Para ser mais preciso, isso se deu no dia 14 de setembro de 1974, entre as estações Jabaquara e Vila Mariana. Apenas no ano seguinte a linha 1 seria estendida até a estação Santana.

Por causa da demanda crescente da linha Norte-Sul, a única linha metroviária da capital até então, os 33 trens que compunham a frota receberam o reforço de mais 18 unidades, fabricadas entre 1974 e 1976. As diferenças entre a primeira e segunda geração de produção eram mínimas, com o design interno e externo idênticos.

Esses novos trens passaram a rodar na Linha Leste-Oeste (hoje linha 3-Vermelha), até então sem frota própria, para só então passarem a operar na linha Norte-Sul.

Somente em 2009 o Metrô de SP passou a revitalizar sua frota, levando seus 51 trens para um processo de modernização, efetuados por dois consórcios: Modertrem (Alstom e Siemens), responsável pela modernizarão dos trens da numeração A01 até A25; e o consórcio BTT (Bombardier, Tejofran e Temoinsa), que cuidou de reformar e modernizar os trens de número A26 até A51.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: