Idec mostra como anda a prioridade ao transporte coletivo em 12 capitais do país

Ônibus em faixa exclusiva em São Paulo. Capital ocupa apenas o 3º lugar no ranking de prioridade ao transporte coletivo sobre pneus, segundo pesquisa IDEC

Curitiba e Porto Alegre são as capitais com maior proporção de faixas e corredores de ônibus dentre todas as pesquisadas. São Paulo vem na sequência

ALEXANDRE PELEGI      

Como está a situação da prioridade ao transporte coletivo por ônibus nas principais capitais brasileiras? As prefeituras têm investido na infraestrutura para o transporte coletivo, ampliado a extensão de corredores e faixas exclusivas?

Aproveitando a efeméride do mês da mobilidade, o IDEC – Instituto de Defesa do Consumidor divulga hoje, dia 5 de setembro de 2018, uma pesquisa sobre a quantidade de faixas e corredores exclusivos para ônibus nas 12 capitais mais populosas do Brasil.

Os dados para realizar o trabalho foram obtidos diretamente com as prefeituras, por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI) e em contato com as secretarias de transporte.

Como era de se esperar, São Paulo e Rio de Janeiro, as duas maiores capitais, ostentam números maiores que as demais, figurando assim no topo do ranking absoluto. Veja abaixo:

iDEC_PESQ_03

Na comparação com características estruturais e socioeconômicas das cidades, no entanto, a pesquisa do IDEC mostra outra realidade: Curitiba e Porto Alegre são as capitais que conferem maior preferência ao transporte público em ruas e avenidas.

Os critérios de proporcionalidade foram dois: o levantamento comparou a extensão em quilômetros das faixas e corredores em relação às vias existentes na capital, e depois em relação à população local.

Em nota, o IDEC explica os critérios para o levantamento. Segundo o pesquisador em Mobilidade Urbana do Instituto, Luiz Marcelo Teixeira Alves, é importante fazer a comparação entre a extensão das faixas e corredores com as características de cada cidade. “Precisamos relativizar com o número de habitantes e de vias para saber quem mais investe na qualidade e rapidez do transporte público. Por isso que o destaque nessa pesquisa fica para as duas capitais do Sul do Brasil”, explica.

O levantamento aponta a capital Porto Alegre, com a 4ª maior extensão absoluta entre corredores e faixas de ônibus, em 1º lugar no ranking relativo. Ou seja, quando se compara o número de quilômetros de vias preferenciais com o total de vias existentes na cidade. Pelo mesmo critério Curitiba aparece em segundo lugar, e São Paulo em terceiro. Manaus e Salvador ocupam a lanterna do ranking que reúne as 12 capitais.

iDEC_PESQ_01

Ao se comparar a extensão das vias com prioridade ao transporte coletivo com a população, Curitiba se destaca em relação a Porto Alegre. As duas capitais, novamente por esse critério, apresentam maior extensão do que São Paulo. Manaus e Salvador novamente ficam na rabeira da lista.

iDEC_PESQ_02

OUTROS CRITÉRIOS: USO DE FAIXAS POR TÁXIS

O levantamento do IDEC qualificou a prioridade ao transporte público por ônibus de outra maneira: pela possibilidade de uso das vias exclusivas por veículos como táxis.

O IDE lembra que as capitais Curitiba, Porto Alegre, Belém e Salvador são as únicas que proíbem o compartilhamento das vias exclusivas para ônibus com outros veículos. Veja:

iDEC_PESQ_04

O Instituto considera esse um critério importante de qualidade, pois revela “outro ponto da importância dada ao transporte coletivo e da adesão à Política Nacional da Mobilidade Urbana”.

CIDADES BRASILEIRAS ESTÃO MUITO AQUÉM DO IDEAL

Em nota sobre os resultados obtidos pelo estudo, o IDEC conclui que ele mostra que as principais cidades do Brasil ainda estão muito aquém do ideal, “não atingindo sequer 5% de priorização das vias ao transporte coletivo”.

O estudo também conclui, segundo o IDEC, que a opção por infraestruturas mais simples, como a faixa de ônibus, “é uma saída interessante para as prefeituras, pois garante o espaço exclusivo aos ônibus usando menos recursos e podendo ser transformado em corredor de ônibus no futuro”.

“O incentivo a investimentos efetivos em infraestrutura de transporte público sobre trilhos, corredores de ônibus e ciclovias e garantia de tarifas de transporte acessíveis à população estão entre as propostas da Plataforma dos Consumidores do Idec, ferramenta interativa em que candidatos nas Eleições 2018 podem se comprometer com 10 pautas relacionada a defesa do consumidor”, conclui o comunicado do IDEC.

A pesquisa pode ser obtida no link: Relatório – Pesquisa de prioridade nas vias

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta