Greve dos motoristas de ônibus de Guarujá é descartada

Ônibus circulam normalmente nesta quarta-feira. Foto: Divulgação.

Após audiência, categoria consegui acordo que estabelece 2,5% de reajuste salarial

JESSICA MARQUES

A greve dos motoristas de ônibus de Guarujá, no litoral de São Paulo, foi descartada. A decisão foi tomada em assembleia com os funcionários da empresa Translitoral, após audiência que garantiu reajuste salarial de 2,5%.

A greve havia sido decretada na última quinta-feira, 28 de junho de 2018, quando a categoria afirmou que pararia os serviços nesta semana.

Relembre: Guarujá poderá ter greve de ônibus na terça-feira, 3 de julho

Contudo, na noite desta terça-feira, 3 de julho de 2018, o sindicato dos trabalhadores em transportes rodoviários de Santos e região aceitaram a proposta da empresa, feita durante uma audiência de conciliação que ocorreu no TRT (Tribunal Regional do Trabalho).

O reajuste salarial de 2,5% refere-se a 1,69% desde a data-base de maio, correspondente à inflação de um ano, e 0,81%, em outubro. Conforme informações do G1, a diferença terá efeito retroativo a maio e será paga em outubro, de uma vez.

Além disso, a categoria também conseguiu aumentar de 7,41% para 9,17% o retroativo, em forma de abono, compensando o parcelamento. Também houve aplicação dos 2,5% na cesta-básica e na PLR (Participação de Lucros e Resultados). O vale-refeição diário também teve aumento de 4,35%, passando de R$ 23 para R$ 24.

Na época em que os funcionários anunciaram a paralisação, a Prefeitura de Guarujá divulgou nota informando que o pedido de reajuste tarifário feito pela Translitoral não foi atendido.

O motivo, segundo a nota, é a “precariedade da relação contratual existente, ou seja, o ‘termo de autorização’ para exploração do transporte, e por entender tal situação como irregular”.

O contrato com a Translitoral, com duração de 15 anos, venceu em 12 de junho de 2017 e, por recomendação do Ministério Público, não pode ser renovado ou prorrogado.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta