Viação Osasco e Viação Paraty já estão com as primeiras unidades dos ônibus da Busscar para apresentar aos funcionários

Publicado em: 16 de junho de 2018

Vissta Buss 340 – Mercedes-Benz, na garagem da Viação Osasco, da Grande São Paulo – Clique na foto para ampliar – Crédito Willian CF – Texto: Adamo Bazani

Veículos, porém, ainda não foram licenciados

ADAMO BAZANI

As duas primeiras unidades dos ônibus fabricados pela Busscar já chegaram às empresas que inauguraram, na prática, o retorno da marca ao mercado de transportes.

Os ônibus Vissta Buss 360, da Viação Paraty, da região de Araraquara, interior Paulista, e Vissta Buss 340, da Viação Osasco, da Grande São Paulo, começaram a ser apresentados aos funcionários que devem operar os veículos.

As unidades “encabeçam” a série inicial desta primeira fase da Busscar que conta ainda um Vissta Buss DD (de dois andares) usado para exibição ao mercado.

Mais unidades já estão em produção para atender encomendas que a empresa já recebeu.

Como divulgou o Diário do Transporte, em primeira mão, em entrevista exclusiva com o diretor industrial da Busscar, Maurício Lourenço da Cunha, no segundo semestre devem ser produzidos também o Vissta Buss 400 (LD – Low Driver) e o El Buss 320, mais simples, para chassis de motores dianteiros.

Entre 2012 e 2017, a empresa esteve envolvida num conturbado processo de falência, com diversas decisões favoráveis e contrárias à família Nielson.

No dia 21 de março de 2017, o parque fabril e a marca foram comprados por um grupo de investidores, dentre os quais, alguns que integram o quadro societário da Caio, encarroçadora com destaque em modelos urbanos, mas o negócio não se consistiu na compra da Busscar pela Caio.

Abaixo você confere imagens realizadas na manhã deste sábado na garagem da Viação Osasco.

Como é política de ética e profissionalismo do Diário do Transporte, um canal jornalístico do setor de mobilidade, todas as fotos são publicadas com prévio aviso e consentimento do autor. Respeite os créditos:

Além de novidades estéticas, mas mantendo linhas de design tradicionais da Busscar, empresa diz que modelos trazem novas soluções funcionais para deixar manutenção mais simples e barata, como peças intercambiáveis entre diferentes modelos

Luzes de leitura, sinal de acionamento de parada, defletores individuais de ar-condicionado e alto-falante no conjunto sobre cada dupla de poltronas

Detalhe da costura e da marca Busscar nas poltronas

Poltronas têm carregadores individuais USB para celulares e outros dispositivos móveis

Poltronas são feitas de espuma que se amolda ao corpo e possuem estampa sóbria

Display de controle no painel do veículo

Conjunto ótico conta com luzes diurnas e led

EXCLUSIVO: Busscar apresenta oficialmente sua nova linha de ônibus

Fabricante de carrocerias já tem pedidos de outras grandes empresas, além das que já foram divulgadas pelo mercado

ADAMO BAZANI

A Busscar divulgou oficialmente em primeira mão ao Diário do Transporte nesta segunda-feira, 04 de junho de 2018, sua nova linha de carrocerias de ônibus e já possui encomendas de grandes transportadoras de passageiros, muitas das quais já eram clientes da marca, quando ainda a fábrica de Joinville era comandada pela família fundadora, Nielson.

Como já havia adiantado o diretor industrial da Busscar com exclusividade ao Diário do Transporte, Maurício Lourenço da Cunha, os modelos mantêm as mesmas linhas de design que marcaram os produtos da encarroçadora, mas com modernizações, em especial nos conjuntos óticos dianteiros e traseiros.

Luzes de LED e iluminação diurna estão entre os destaques. O formato de lanternas e faróis também recebeu modificações, com mais arredondamentos e ângulos, mas nas mesmas posições dos modelos tradicionais da Busscar.

É o “DNA” da linha de design que foi mantido e pode ser visto em vincos, áreas das janelas e ângulos de caída do teto na frente.

Entretanto, a Busscar garante que as modernizações não são apenas estéticas.

A nova linha de produtos conta com o emprego de materiais mais leves e há peças intercambiáveis entre os modelos, para facilitar e reduzir os custos com manutenção.

As carrocerias também estão mais limpas, com menos detalhes que antes dificultavam a limpeza e pintura.

É o que diz a encarroçadora em nota:

O Departamento de Engenharia Experimental trabalha com a realização de cálculos estruturais e aerodinâmicos, contando com o suporte de software de tecnologia de ponta alemã para tal atividade. Os modelos possuem conjunto óptico intercambiáveis entre si, o que facilita a reposição, e farol de rodagem diurna (DRL) em Led. Os clientes podem optar por diferentes modelos de poltronas e revestimentos, que agregam estilo, elegância e harmonia visual à decoração interna. As poltronas, tradicionalmente conhecidas pelo conforto superior que proporcionam ao passageiro, possuem design funcional e ergonômico. Como opcionais, entrada. USB, porta-revistas, cinto de segurança retrátil, de 2 ou 3 pontos, entre outros. Os materiais, a iluminação, a suavidade das formas e acabamentos internos, propiciam conforto visual e aconchego, promovendo o ambiente ideal para uma viagem perfeita. Esse conjunto de atributos visam a qualidade, segurança e sofisticação, associadas à eficiência operacional e durabilidade dos produtos. Para a Busscar, é de primordial importância o conforto e segurança dos usuários, aliados à total satisfação das necessidades de cada cliente, oferecendo produtos de eficiência operacional superior, com design, manutenção ágil e a custo compatível. As raízes da Busscar continuam presentes nessa nova fase, que é o recomeço de uma marca sinônimo de excelência em qualidade, por apreço e cuidado com cada um de seus clientes.

A Busscar, em nota, também destaca os atributos dos três lançamentos: Vissta Buss 340, Vissta Buss 360 e Vissta Buss DD:

VISSTA BUSS 340:

O DNA de excelência da Busscar é mantido em todos modelos da nova linha de produtos. Apresentamos o Vissta Buss 340, um produto com o padrão de qualidade superior já conhecido pelo mercado. O modelo possui comprimento de 12.000mm a 15.000mm*, largura externa de 2.600 e altura de 3.400mm. Configurações de poltronas e layouts internos, totalmente personalizáveis às necessidades de cada cliente.

VISSTA BUSS 360:

 

O Vissta Buss 360 possui o mesmo design moderno e harmônico do VisstaBuss 340. Tem como dimensões, de 12.000mm a 15.000mm de comprimento, largura externa de 2.600 e altura de 3.600mm. A configuração interna, com diversas opções de poltronas e revestimentos, pode ser personalizada conforme a necessidade do cliente.

VISSTA BUSS DD:

O veículo super luxo da Busscar exibe sofisticação nos detalhes e cuidado nos acabamentos, assim como os outros modelos lançados. Seu grande diferencial é a presença de dois pisos que, dependendo da configuração interna, podem abrigar o modelo e a quantidade de poltronas que melhor atender às necessidades do cliente. Seu design arrojado mantém as linhas características de um produto Busscar, tornando o modelo ainda mais imponente. O modelo possui comprimento de 14.000mm a 15.000mm, largura externa de 2.600 e altura de 4.100mm a 4.250mm

Não só os modelos, mas a fábrica e as formas de produção tiveram de ser modernizadas, já que a fábrica estava há cinco anos sem produção plena.

Entre 2012 e 2017, a empresa esteve envolvida num conturbado processo de falência, com diversas decisões favoráveis e contrárias à família Nielson.

No dia 21 de março de 2017, o parque fabril e a marca foram comprados por um grupo de investidores, dentre os quais, alguns que integram o quadro societário da Caio, encarroçadora com destaque em modelos urbanos, mas o negócio não se consistiu na compra da Busscar pela Caio.

A Busscar já foi uma das maiores encarroçadoras de ônibus do Brasil e também tinha forte presença no mercado externo, em especial nos países vizinhos da América Latina.

Os três primeiros modelos produzidos são o Vissta Buss 360, vendido para a Viação Paraty, da região de Araraquara, interior de São Paulo; o Vissta Buss 340, para Viação Osasco, que fará linhas metropolitanas na Grande São Paulo, e o DD (Double Decker) – dois andares, que será exibido para o mercado.

Os próximos lançamentos, no início do segundo semestre deste ano, devem ser o Vissta Buss 400 (LD – Low Driver) e o El Buss 320, mais simples, para chassis de motores dianteiros.

Ainda na nota, enviada ao repórter Adamo Bazani pela Busscar, a empresa diz que a preferência é pela mão de obra de Joinville e diz que os investimentos iniciais foram para modernização das linhas e produtos

A marca que possui mais de 70 anos de história retorna efetivamente ao mercado, gerida pela Carbuss, Indústria Catarinense de Carrocerias Ltda, que a adquiriu, juntamente com o parque fabril, em junho de 2017. Cumprindo com o que foi anunciado, a Busscar priorizou a contratação de mão de obra joinvillense, altamente qualificada no setor, e inicia a comercialização de seus produtos no primeiro semestre de 2018, exatamente 12 meses após o ato solene de posse. O lançamento de três modelos: Vissta Buss 340, Vissta Buss 360 e Vissta Buss DD, pontuam a retomada das atividades fabris, que contou com investimentos destinados à atualização de projetos, reestilização do design dos produtos, atualização e modernização do parque fabril e também as áreas de apoio.

BREVE HISTÓRICO:

A Busscar foi fundada oficialmente como Nielson no dia 17 de setembro de 1946, com iniciativa de Augusto e Eugênio Nielson que começaram uma pequena oficina em Joinville, atuando na construção de móveis e utensílios e fazendo reparos em carrocerias de caminhões e cabines. Em 1948, a Nielson fez seu primeiro veículo de transporte coletivo, uma jardineira – ônibus simples feito de madeira. O veículo da Nielson foi uma encomenda da empresa Abílio & Bello Cia Ltda, que fazia a linha Joinville – Guaratuba, em Santa Catarina.

Foi na época do surgimento empreendimento dos Nielson, que o Brasil começava assistir mais intensamente o crescimento das cidades e também das relações comerciais entre as diferentes localidades. Tudo isso demandava uma maior oferta de transportes. Assim muitos empreendedores compravam chassis de caminhão, como da Ford e da GM, e precisavam transformá-los em ônibus para enfrentar as difíceis estadas de terra e verdadeiros atoleiros. Nesta época, a Nielson & Cia Ltda. tinha o comando do patriarca da família, Bruno, e do filho Harold.

Em 1958, um dos marcos para a Nielson foi o projeto de estrutura metálica para os ônibus.

No início dos anos de 1960, ganhavam as estradas os modelos Diplomata, carroceria de dois níveis que lembravam os Flxibles norte-americanos que, quando foram importados pela Expresso Brasileiro Viação Ltda eram chamados de Diplomata. A Nielson então conquistava definitivamente o mercado.

Nos anos de 1980, Nielson cresce mais e no segmento de rodoviário travava disputa acirrada com a Marcopolo e no segmento urbanos, a briga era com a Caio, praticamente de igual para igual.

A linha Diplomata tinha recebido novas versões e o Urbanuss ganhava atenção dos frotistas.

Por uma estratégia de negócios, a Nielson mudou a marca para Busscar. Inicialmete a marca foi conhecida como Busscar-Nielson. Surgiram os rodoviários El Buss e Jum Buss  e os urbanos da linha Urbanuss.

Em 2002, a Busscar começa enfrentar dificuldades financeiras. A família Nielson alegava problemas motivados pela variação cambial e também dificuldades de créditos, mas já havia também erros administrativos internos. O BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social chegou a realizar empréstimos para empresa, que não foram plenamente honrados. A recuperação não foi plena, havendo novamente outro problema financeiro em 2004. A última crise da Busscar começou em 2008, quando a empresa começou a atrasar salários.

Em 2007, a encarroçadora de ônibus Caio, do Estado de São Paulo, já havia procurado sócios da Busscar para uma fusão. As negociações não avançaram.

Em janeiro de 2010, a Busscar criou um programa de demissões voluntárias para redução de custos. Ainda em crise, a empresa atrasou salários e benefícios, o que motivou uma greve em 15 de abril de 2010.

Em setembro de 2011, antes mesmo da falência da Busscar, sócios da Caio já tinham confirmado interesse na encarroçadora de Joinville. Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2011/09/28/busscar-caio-fala-em-primeira-mao-com-blog-ponto-de-onibus/

Em outubro daquele ano, porém, a Justiça indeferiu a proposta dos sócios da Caio que previa pagamento de R$ 40 milhões pelo complexo.

Para saldar dívidas, os primeiros bens da Busscar foram leiloados em setembro de 2011. A expectativa era arrecadar R$ 1,5 milhão, mas só foi possível conseguir R$ 21 mil.

No dia 3 de novembro de 2011, o juiz Maurício Cavallazi Povoas, da 5ª Vara Cível de Joinville,  aceitou o pedido de recuperação judicial feito pela Busscar. No dia 31 de dezembro de 2011, a empresa apresentou o plano.

No entanto, não houve os resultados esperados e o plano não se mostrou viável. Em junho de 2012, a Justiça determinou que fosse apresentado um novo plano.

Depois de uma dívida que se aproximou de R$ 2 bilhões, contando juros, impostos e débitos com fornecedores, trabalhadores e bancos, a empresa teve a falência decretada em 27 de setembro de 2012 pelo juiz Maurício Cavalazzi Povoas. A decisão, no entanto, foi anulada em 27 de novembro de 2013, após recursos judiciais. No entanto, os recursos caíram em 5 de dezembro de 2013. A família Nielson chegou a apresentar um novo pedido de recuperação judicial, mas o juiz Luis Felipe Canever, de Santa Catarina, após negativa por parte dos credores, decretou no dia 30 de setembro de 2014, nova falência da encarroçadora de ônibus Busscar, que já foi uma das maiores do Brasil.

Os negócios continuam na América Latina com a atuação em parceira de outros grupos, com destaque para as operações na Colômbia.

A Busscar Colômbia foi formalizada no ano de 2002 sendo fruto de uma aliança entre a indústria local Carrocerías de Occidente, empresa fundada em 1995, e a Busscar Ônibus do Brasil, fundada pela família Nielson em 17 de setembro de 1946.

Em 15 de fevereiro de 2012 foi anunciada a criação de uma joint venture formada pelos acionistas das duas gigantes da produção de carrocerias de ônibus: Caio e Marcopolo.

A parceria envolve a Twice Investimentos e Participações, integrada por acionistas da Caio Induscar, e a controlada da Marcopolo, Syncropats Comércio de Distribuição de Peças Ltda.

As empresas propuseram em fevereiro de 2013, à Quinta Vara Cível de Joinville, que cuidava do processo de falência da Busscar, o aluguel/arrendamento do Parque Fabril da companhia.

Para isso, pagariam um valor de R$ 300 mil por mês. – Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2013/02/28/caio-e-marcopolo-querem-alugar-a-busscar/

Foram várias tentativas de leilão da Busscar, três somente em 2016. Todas esvaziadas. A cada uma delas, o valor caía.

– Primeira tentativa: 15 de março de 2016, as três unidades fabris (Unidade Joinville SC – Fábrica de Carrocerias / Unidade Pirabeiraba – Joinville SC – Fábrica de Peças / Unidade Rio Negrinho SC – Fábrica de Peças)  custariam R$ 369.305.922,65 (trezentos e sessenta e nove milhões, trezentos e cinco mil, novecentos e vinte e dois reais e sessenta e cinco centavos)

– Segunda tentativa: 29 de março de 2016.  O valor seria de R$ 221,5 milhões (incluindo ativos reivindicados na Justiça, e incertos) ou, na prática, R$ 176,5 milhões (descontados os ativos) por todas as empresas do grupo. – 60% do valor do primeiro leilão

– Terceira Tentativa: No dia 8 de julho, terminou sem lance o terceiro leilão da empresa. Seria aceita oferta de quantia igual ou superior a 49% do valor da avaliação- do primeiro leilão.  R$ 133.151.088,11. Também sem propostas.

No final de outubro de 2016, foi apresentada uma proposta de compra por R$ 67,15 milhões por um grupo de investidores com o objetivo de retomar as produções em meados de 2017.

Em dezembro do mesmo ano, foi liberado um lote de R$ 18 milhões para saldar parte das dívidas trabalhistas.

Também em dezembro de 2016, dois grupos internacionais, o português a Imparável Epopeia UniPessoal Ltda e o chinês Liaoyuan Group demonstraram interesse na compra da Busscar.

Em 07 de janeiro de 2017 terminou o prazo para as empresas estrangeiras apresentarem a documentação exigida.

A proposta ficou somente pelo grupo da Caio. No dia 08 de janeiro, advogado da Caio esteve em Joinville e confirmou valor proposto de R$ 67,15 milhões.

Em 21 de março de 2017, o juiz da 5ª Vara cível de Joinville, Valter Santin Júnior, aprovou em sentença definitiva a compra da Busscar por sócios da Caio, encarroçadora de ônibus de Botucatu/SP, que tem como principal sócio o Grupo Ruas, de empresas de ônibus de São Paulo. O valor da compro foi de R$ 67,15 milhões. O montante foi dividido em um sinal de R$ 9,4 milhões e mais 50 parcelas do restantepelos próximos quatro anos, compreende as unidades da Busscar em Joinville, Pirabeiraba e Rio Negrinho, assim como seus terrenos, edificações, maquinário e móveis, além da maca. As parcelas terão correção monetária.

No dia 22 de março de 2017, os sócio-diretores da Caio/Induscar Marcelo Ruas e Maurício Lourenço da Cunha foram à Joinville, em Santa Catarina e assinaram o documento de compra da Busscar, na 5ª Vara Cível na cidade.

Em 28 de março de 2017, a assessoria de comunicação da Caio informou, em primeira mão ao Diário do Transporte, que na compra também envolveu a marca Busscar.

No dia 29 de março de 2017, o Sindicato dos Mecânicos de Joinville decide não impugnar a venda. Mesmo o valor de R$ 67,15 milhões sendo bem abaixo que os débitos trabalhistas de R$ 250 milhões, a entidade disse acreditar ser a solução mais concreta de um problema que se arrasta há anos. Um eventual outro comprador, por exemplo, poderia não produzir mais ônibus, usando os imóveis para outros fins.

Em 12 de junho de 2017, os sócios da Caio assumem formalmente a massa falida da Busscar.

A nova administração da empresa lançou no ar um site para cadastramento de currículos para iniciar um processo de contratação.

Em 04 de julho de 2017, entrevista publicada no site Diário do Transporte, o diretor Industrial da Caio Induscar e um dos investidores da Busscar, Maurício Lourenço da Cunha, diz que Caio e Busscar poderão atuar em sinergia, trocando informações, conhecimentos, estruturas de distribuição e tecnologia, no mercado de transportes.

Em 30 de agosto de 2017, o diretor Industrial da Caio Induscar e um dos investidores da Busscar, Maurício Lourenço da Cunha, voltou a falar com o Diário do Transporte e revelou que a empresa já tinha 55 funcionários trabalhando, entre os quais, engenheiros para elaborar novos produtos.

Em 04 de outubro de 2017, representantes da Carbuss, empresa criada para a operar a Busscar e a marca, se reuniram com o secretário-ajunto da Secretaria da Fazenda de Santa Cataria, Rodrigo Prisco Paraíso, secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável do Estado de Santa Catarina, Carlos Chiodini, com o objetivo de acertar os detalhes da reabertura da fábrica. Também esteve no encontro, um dos donos da Exit Comunicação, agência responsável pela análise de mercado e projeto de atuação da nova Busscar, Paulino Duarte.

Em 01º de março de 2018, o diretor industrial da Busscar, Maurício Lourenço da Cunha, revelou ao Diário do Transporte que depois da compra de uma unidade pela Viação Paraty, de Araraquara, em janeiro, a segunda companhia a adquirir modelo da marca foi a Viação Osasco, para linha seletiva da EMTU, e que já tinham sido definidos quatros até então: Vissta Buss 360, Vissta Buss DD , Vissta Buss 340 motor traseiro a serem produzidos a partir da segunda metade de abril, e o Vissta Buss 400 LD entre maio e junho.

Em 12 de abril de 2018, o diretor industrial da Busscar, Maurício Lourenço da Cunha, revelou ao Diário do Transporte que em 02 de maio começam as produções efetivas. Para isso, serão contratados mais200 trabalhadores. Até agosto, a Busscar deve ter 700 funcionários. Maurício Lourenço da Cunha ainda revelou que Paulo Corso, que ficou 39 anos na Marcopolo assumiu o cargo de diretor comercial e que no segundo semestre, a empresa vai lançar mais um modelo para a gama. Uma carroceria para o segmento de fretamento, desenvolvida para chassis de motor dianteiro.

No dia 02 de maio de 2018, com cerca de 500 pessoas trabalhando em toda a planta de Joinville, a Busscar retoma oficialmente a linha de produção.  Na ocasião já estavam sendo finalizados três protótipos “cabeças de linha”, o Vissta Buss 360, vendido para a Viação Paraty, da região de Araraquara, interior de São Paulo; o Vissta Buss 340, para Viação Osasco, que fará linhas metropolitanas na Grande São Paulo, e o DD (Double Decker) – dois andares, para ser exibido para o mercado. A Busscar já tinha nesta data encomendas de outros grandes frotistas.

Em 04 de junho de 2018, a empresa divulga em primeira mão ao Diário do Transporte sua nova linha de produtos, inaugurada pelo Vissta Buss 340, Vissta Buss 360 e Vissta Buss DD.

As primeiras unidades comercializadas pela Busscar, o Vissta Buss 360 para a Viação Paraty de Araraquara, interior de São Paulo, e o Vissta Buss 340, para a Viação Osasco, da Grande São Paulo, começam a chegar às garagens em 14 de junho para serem apresentadas aos funcionários.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Danilo Mendonça Vasconcelos disse:

    Gostei muito do Vissta Buss 340 da Viação Osasco, em especial o designer das poltronas, ficou lindo o carro e parece ser bem econômico.

  2. Alberto Santos Mattos disse:

    Prezado(a) Senhor(a) Boa tarde!
    Ótima notícia.
    Boa sorte a todos do Grupo Busscar.
    Abraço a todos!
    Alberto Santos Mattos-SP-SP

  3. Ronaldo Duarte disse:

    Gostei bastante da frente e das laterais do novo Busscar. Fico no aguardo de um possível upgrade do Jum Buss no futuro.

  4. Ronaldo Duarte disse:

    Gostei bastante do design do Vissta Buss, a frente e as laterais ficaram perfeitas! Uma sugestão seria a retomada da produção do modelo Jum Buss, um verdadeiro ícone da encarroçadora desde os anos 90.

  5. Jcc12101995 disse:

    Eles vão voltar a fabricar o busscar micruss ?

  6. Emerson Belo disse:

    Bela reportagem Adamo. O design da Busscar é diferenciado e ficou muito bonito . Boa sorte a empresa e que venham novos modelos para os admiradores como nós apreciarmos !!!

  7. Rogério dos Santos Lopes. disse:

    Meus cumprimentos a todos que diretamente ou indiretamente, contribuíram para que esse momento se tornasse uma realidade.
    Todos nós, ex-funcionários, estamos felizes com esse retorno.
    Parabéns a todos.

  8. Cristiano disse:

    Uma exelente carroçeira muito firne e se mantem integra e duravel, bem feito isolamento acustico ñ apresenta ruidos, otima carroçeria parabéns à buscar.

  9. Christian disse:

    Graças a Deus a buscar voltar kkk porque já não aguento essa carroceria G7 que é uma bosta kkkk

  10. Renato Pabst disse:

    Parabéns a todos pois uma marca destas ( Busscar ) e inconfundível quando se diz qualidade e conforto.
    PARABÉNS a Caio pela continuidade desde Nome mais uma vez parabéns

  11. jackson disse:

    A Busscar teria que retomar além da produção do micruss também a de modelos urbanos pois consolidaria ainda mais a liderança no seguimento já liderado com folga pela Caio mas que tinha a Busscar como 2º no seguimento de urbanos..

  12. Sandro R dos Santos disse:

    Muito bonito ficou os detalhes da nova busscar, aguardamos o sucesso novamente que sempre tiveram

  13. Luciano Vicente disse:

    Parabens Adamo pela excelente cobertura do retorno da Busscar, agora resta conhecer mais clientes que já estão adquirindo os novos veículos .

  14. Carlos Robert o disse:

    Será também fabricado urbano em Joinville??

    1. blogpontodeonibus disse:

      Não

Deixe uma resposta