Greve do Metrô de BH: TRT defere liminar e exige escala mínima de 80% no horário de pico

Foto: Divulgação

Metroviários mantém paralisação total após as 9h:30, alegando que não receberam notificação

ALEXANDRE PELEGI

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Minas Gerais deferiu liminar impetrada pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) determinando uma escala mínima de 80% dos trens em circulação entre 5h30 e 10h e das 16h às 20h.

A sentença é do desembargador Márcio Vidigal, primeiro vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT).

O magistrado determinou ainda que nos demais horários o metrô deve manter 60% das viagens.

Em caso de descumprimento da medida judicial, o sindicato dos metroviários está sujeito a punição de multa de R$ 300 mil.

Os metroviários mantêm a paralisação para esta quinta-feira, quando irão parar durante todo o dia, sob alegação que não foram notificados.

A greve dos metroviários mineiros, que entrou hoje em seu segundo dia, paralisa as atividades do metrô após o intervalo de 5h30 às 9h30 da manhã.

A CBTU informou por meio de nota que hoje, dia 30 de maio, 48.428 pessoas passaram nas 19 estações, menos de 25% do total de passageiros diários.

Segundo a Companhia, “estima-se que a operação parcial do metrô ao longo desta semana afeta em média 350 mil pessoas, que deixam de ser atendidas nas 19 estações. A restrição na circulação de composições implica em prejuízos estimados em mais de R$ 1,2 milhão para os cofres públicos, considerando os dias em que a atividade será totalmente suspensa nas estações, como também aqueles em que haverá apenas a circulação parcial de trens”.

A categoria está em campanha salarial. O sindicato reclama que não houve avanços na audiência de conciliação, onde não teria sido apresentada sequer uma proposta oficial da CBTU.

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) havia proposto na segunda-feira, dia 28 de maio, uma escala de funcionamento integral do metrô das 5h30 às 9h e de 16h30 às 20h. No horário intermediário, entre 9h e 16h30, os trens rodariam com 50% da capacidade. Em assembleia, a categoria rejeitou a tabela de horários, e vai trabalhar apenas no início da operação. Em audiência os trabalhadores recusaram a escala. A CBTU entrou com pedido de medida cautelar.

Os metroviários reivindicam o INPC de 2017/2018, em torno de 4,9%. O Tribunal Superior do Trabalho (TST) sugeriu índice de reajuste menor, de 3,98%. A CBTU sugeriu, extraoficialmente, 3,26% de aumento (80% do INPC de 2017/2018).

Em nova assembleia nesta quarta-feira os metroviários definiram que vão paralisar totalmente as atividades nesta quinta-feira (dia 31) e no domingo (dia 3). Na sexta-feira e sábado, o funcionamento é até 9h30.

A próxima reunião da categoria ficou marcada para sexta-feira, dia 1º de junho.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta