Governo anuncia acordo para fim da greve dos caminhoneiros com 10% de desconto no diesel por 30 dias e fim da Cide neste ano

Paralisação hoje dos caminhoneiros no Rodoanel, em São Paulo

Reajustes do diesel serão feitos a cada 30 dias . Reoneração não valerá para transportes de cargas

ADAMO BAZANI/ALEXANDRE PELEGI

Ministros da equipe do presidente Michel Temer anunciaram agora, noite de quinta-feira, 24 de maio de 2018, os termos de compromisso do Governo Federal no acordo proposto aos caminhoneiros para terminar com a greve da categoria.

Entre os pontos acordados estão:

– Zerar a CIDE sobre o diesel até o fim do ano

– Estender o desconto no preço do diesel de 10% de 15 dias para 30 dias. A União fará a compensação financeira para a Petrobras dos últimos 15 dias. Os primeiros serão assumidos pela estatal do petróleo.

– As mudanças de preços no diesel serão feitas a cada 30 dias, e não a cada flutuação do preço internacional do petróleo, como ocorre desde 3 de julho de 2017.

– O governo se comprometeu a não reonerar a folha de pagamento do setor de transportes de cargas.

O Governo Federal garante ainda que estas propostas não trarão prejuízo para a Petrobrás. Hoje as ações da estatal despencaram quase 15% após o anúncio de redução no preço do diesel. Com a queda, a Petrobras voltou a perder o posto de maior empresa brasileira de capital aberto em valor de mercado.

A proposta do Governo é que os caminhoneiros suspendam a greve por 15 dias. Após esse prazo, será feita uma nova reunião para verificar se as promessas foram cumpridas.

A Abcam (Associação dos Caminhoneiros), contudo, disse que manterá o movimento e que não concorda com a política do governo. A associação, que representa 700 mil caminhoneiros, quer continuar com a manifestação até a isenção de impostos se transformar em lei, e abandonou a reunião antes que se chegasse em um acordo.

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, disse que a política de preços da Petrobras está mantida, com base no preço internacional do Petróleo, mas que as variações serão compensadas diariamente pela União e não mais pelos transportadores.

“Preservamos a política de preços da Petrobras e a cada 30 dias temos a dotação (para compensar a Petrobras).”

Adamo Bazani e Alexandre Pelegi, jornalistas especializados em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. LUIZ CARLOS DIRENZI disse:

    Vejam como são as coisas. Os caminhoneiros estão em greve por um motivo justos, porém ninguém diz nada sobre nossa ferrovias.Me parece que os trens de cargas estão circulando normalmente inclusive tracionando vagões de combustíveis de Paulínia para algumas distribuidoras. É o caso de Bauru que me parece não esta sendo tão afetada com falta de combustíveis como tantas localidades que não se utilizam desse modal.

Deixe uma resposta