Ministro da Fazenda confirma acordo anunciado por Maia e Eunício e Governo vai zerar Cide do diesel

Eduardo Guardia disse que acordo vai permitir diesel mais barato. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil – Clique para ampliar

Eduardo Guardia pediu que os caminhoneiros voltem ao trabalho

ADAMO BAZANI

O Ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, confirmou agora há pouco que o Governo Federa vai zerar a Cide do óleo diesel para reduzir o preço do combustível.

O ministro pediu aos caminhoneiros que acabem com os protestos que ocorrem em diversas partes do País.

A greve dos caminhoneiros começou nesta segunda-feira, 21. Os protestos nesta terça-feira foram menores, mas continuaram em diversas cidades.

Empresas de ônibus já registraram problemas de abastecimento e houve impactos também na entrega de querosene de aviões.

Os caminhoneiros protestam contra os aumentos consecutivos dos combustíveis. Desde 03 de julho de 2017, a Petrobrás adota uma política de preços que acompanha as variacoes do preço internacional do barril tipo Brent.

“Hoje fechamos um acordo com os presidentes da Câmara e do Senado e o que acordamos é que iremos eliminar a Cide incidente sobre o diesel e, ao mesmo tempo, o Congresso irá aprovar um projeto de reoneração da folha”. – disse o ministro em entrevista coletiva.

O ministro confirmou o acordo anunciado nesta tarde pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o presidente do Senado, Eunício Oliveira.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/05/22/rodrigo-maia-e-eunicio-de-oliveira-anunciam-acordo-com-governo-federal-para-reduzir-preco-do-diesel-e-da-gasolina/

Em troca da medida de redução de preços, os presidentes das casas se comprometeram pela aprovação da reoneração das folhas de pagamento, que deve ocorrer até 2020 e aumentar a arrecadação.

Segundo o Ministério da Fazenda, a Cide sobre o diesel gera arrecadação anual  de R$ 2,5 bilhões. O imposto hoje, segundo a pasta, tem um impacto menor que R$ 0,05 por litro de diesel.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta