OPINIÃO: A roda da história não pode ser paralisada pelas normas legais

O setor de transportes deve lutar pelo seu espaço. Plataformas digitais podem reforçar o papel social do transporte público

Jurandir Fernandes, presidente da UITP América Latina, da Cidade do México

A mobilidade oferecida como um serviço integrado através de plataformas digitais e de aplicativos reforçará o papel social do transporte público.

As inovações em andamento, bem como sua importância num mundo em crescente urbanização, colocaram a mobilidade urbana na agenda dos governantes, do público em geral, da indústria e do setor de serviços.

Neste cenário, os atores do setor mobilidade precisam demonstrar que estão cientes de sua importância social e econômica e, principalmente, devem demonstrar que são capazes de se adaptarem aos novos tempos. O setor deve liderar este processo de inovação e não tentar impedi-lo!

A população, de posse de quase duzentos milhões de telefones inteligentes, certamente irá em busca de um transporte mais inteligente.

Os sistemas de fretamento e os rodoviários serão os primeiros a serem absorvidos por aplicativos. Resta a estes setores optarem por: desenvolverem uma plataforma própria ou passarem a prestar serviços a um novo player como aconteceu com os taxis frente à “uberização” ocorrida sobre eles.

Em vez de ficar na retranca achando que o juiz vai apitar o final do jogo e que tudo continuará na mesma, é melhor partir para o ataque. A começar por lutar para que os contratos passem por aditivos permitindo que os atuais concessionários de transportes possam prestar o serviço por aplicativos e começar urgentemente a prestar o serviço sob demanda nos entre-picos, nos finais de semana, nas linhas noturnas, nas linhas alimentadoras de baixa demanda, etc… O importante é começar e ir se aperfeiçoando com a participação dos usuários como faz o Moovit, o CittaMobi, o 99, o Cabify, o Uber, o Blablabla.

Aliás, esta conversa eu tive com o sindicato paulistano dos ônibus fretados há mais de um ano. O advogado do sindicato, depois de me ouvir, respeitosamente perguntou: “Por que o senhor está dizendo isto tudo?

Talvez hoje a resposta lhe esteja mais clara.

Jurandir Fernandes é presidente da UITP – União Internacional de Transporte Público na América Latina e está na Cidade do México em evento mundial de mobilidade, onde nesta quinta-feira, 19 de abril de 2018, proferiu a palestra a respeito dos impactos da IV Revolução Industrial sobre o setor de transportes. 


MATÉRIAS RELACIONADAS AO TEMA:

Temendo concorrência, empresários de ônibus querem que poder público imponha mais limites a aplicativos – https://diariodotransporte.com.br/2018/04/20/temendo-concorrencia-empresarios-de-onibus-querem-que-poder-publico-imponha-mais-limites-a-aplicativos/

UBus: São Bernardo do Campo terá “Uber” no Transporte Coletivo – https://diariodotransporte.com.br/2018/03/22/ubus-sao-bernardo-do-campo-tera-uber-no-transporte-coletivo/

ANTT se reúne com AGU para discutir Buser e diz que pode rever normas do setor – https://diariodotransporte.com.br/2018/03/15/antt-se-reune-com-agu-para-buser-e-diz-que-pode-rever-normas-do-setor/

1 comentário em OPINIÃO: A roda da história não pode ser paralisada pelas normas legais

  1. O artigo acima esclareceu muito bem sobre as inovações que estão em andamento no tocante a mobilidade
    Parabéns!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: