Gestão Doria diz que não faltarão recursos para corredores de ônibus, mas fala em prioridades na definição dos investimentos

Ônibus de grande porte, como articulados, superarticulados e biarticulados teriam melhor desempenho em corredores

Decreto transferiu R$ 192 milhões que eram para a implantação de espaços para o transporte coletivo para recapeamento de vias de trânsito comum

ADAMO BAZANI

A SPTrans – São Paulo Transporte informou na noite desta sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018, que não irão faltar recursos para a implantação de novos corredores de ônibus na cidade, mesmo com a transferência de R$ 192 milhões reservados para este fim e que foram remanejados para o programa de recapeamento de ruas e avenidas que recebem trânsito comum, contando com o transporte individual.

O decreto transferindo os recursos foi publicado na edição desta sexta-feira do Diário Oficial da Cidade e revelado em primeira mão pelo Diário do Transporte, já no início da manhã.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/02/23/doria-tira-r-192-milhoes-de-corredores-de-onibus-para-asfaltar-ruas-e-avenidas-de-transito-comum/

Em nota ao Diário do Transporte, a SPTrans disse que os remanejamentos são permitidos por lei e que seguem as “prioridades” da gestão. A gerenciadora dos transportes ainda afirmou que não haverá prejuízos às estimativas de novos corredores, que vão contar com recursos do fundo do trânsito.

“A SPTrans informa que as alterações são definidas pelas prioridades da gestão. O remanejamento orçamentário é permitido por lei, no limite de 9% do seu total.

 Esta alteração não acarreta qualquer prejuízo à implantação de corredores na cidade. O orçamento para este fim está mantido, proveniente do Fundo Municipal de Desenvolvimento de Trânsito (FMDT).”

A cidade possui em torno de 130 quilômetros de corredores de ônibus, sendo que apenas oito quilômetros são de BRT – Bus Rapid Transit, o Expresso Tiradentes, que desde 5 de fevereiro está com um trecho de 300 metros interditado, entre a rua Dona Ana Néri e o Terminal Parque Dom Pedro II, devido ao afundamento da pista. – Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2018/02/06/trecho-do-expresso-tiradentes-afunda-e-prefeitura-interdita-300-metros/

A falta de espaços adequados para os ônibus é apontada por profissionais de transportes como um dos motivos de o sistema não ter a eficiência e qualidade esperadas pela população.

No ano passado, das 35.428 reclamações sobre o sistema de ônibus, em primeiro lugar apareceram as queixas motivadas pelo tempo de espera nas paradas, com 9.285 registros.

Na nota ao Diário do Transporte, a SPTrans diz que tanto o número de queixas totais, como especificamente pelos intervalos entre os ônibus, caiu no ano passado em relação a 2016.

“A SPTrans esclarece ainda que em 2017, o número de reclamações de passageiros caiu 27%. Houve 9.285 queixas por intervalo excessivo da linha, número que é 12,4% inferior ao registrado em 2016, quando foram anotadas 10.611 reclamações desse tipo. A fiscalização eletrônica sobre o sistema de transporte foi ampliada e uma série de medidas foi adotada pela SPTrans, com base nas queixas mais comuns dos usuários, com o propósito de melhorar a qualidade dos serviços prestados.” – completa a nota.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Jair disse:

    dificil administrar uma cidade como São Paulo e não poder dar continuidade aos corredores projetados pela administração anterior, já licitados e suspenso pelo tribunal de contas por ilicitos ( sendo que 1 deles teve obras iniciadas e interrompidas pelo TCM) todos na zona Leste.
    Faltam novos projetos?????

Deixe uma resposta