Scania se une à fabricante de baterias para eletrificação de ônibus e caminhões

Publicado em: 27 de janeiro de 2018

Citywide LF, de piso baixo total, é o modelo elétrico da Scania que deve ganhar as ruas na Suécia já em 2018. Foto: Dan Boman 2017

Investimentos em projetos serão de 10 milhões de euros e terão início na Suécia

ADAMO BAZANI

A Scania anunciou nesta sexta-feira, 26 de janeiro de 2018, uma parceria com a fabricante sueca de baterias de lítio Northvolt para a eletrificação de ônibus e caminhões pesados.

Um dos focos principais será o desenvolvimento de tecnologia de células de bateria.

Os investimentos devem ser de cerca de 10 milhões de euros.

As equipes da fabricante de baterias e da montadora vão instalar uma planta de pesquisas, a Northvolt Labs, em Västerås, na Suécia para desenvolver e comercializar as células de bateria destinadas para os veículos comerciais. As empresas também entraram em um acordo de compra para células de bateria.

Em nota, o presidente e CEO da Scania, Henrik Henriksson, acredita que a eletricidade será o futuro da mobilidade, mas que neste momento, as baterias não estão desenvolvidas o suficiente para atender a todas as necessidades das operações de ônibus e caminhões.

“A eletrificação desempenhará um papel fundamental na mudança para um sistema de transporte livre de combustíveis fósseis. No entanto, a tecnologia atual de células de bateria deve ser desenvolvida para atender aos requisitos comerciais dos clientes de ônibus e caminhões pesados”, – disse

Já o co-fundador e CEO de Northvolt, Peter Carlsson, diz que o objetivo da empresa, constituída em 2015, é fazer as chamadas “baterias verdes”, cujo processo de produção tem baixas emissões de carbono e há possibilidade de reciclagem de quase todo o material.

Hoje uma das preocupações sobre os carros, caminhões e ônibus elétricos são os impactos ambientais da produção das baterias e depois, o destino destes componentes com o esgotamento total da vida útil.

O executivo disse que as “baterias verdes” são recomendadas para os veículos pesados.

“Com a experiência em produtos e negócios da Scania combinada com nosso processo de fabricação de ponta, estamos convencidos de que podemos produzir células de bateria econômicas e verdes, com a mais alta qualidade para o mercado de veículos comerciais pesados”

Inicialmente, a parceria vai abranger a atuação das marcas na Suécia e em países próximos.

Não somente as baterias e os ônibus e caminhões serão estudados, como também haverá o desenvolvimento de infraestrutura de redes de carregamento das baterias, tanto nas garagens e pátios, como em portos secos e armazéns (no caso de caminhões) e em terminais e estações (para os ônibus).

Neste ano, deve já ganhar as ruas de Estocolmo, o modelo elétrico Citywide LF, de piso baixo total.

Enquanto os modelos elétricos ainda serão desenvolvidos na Europa, para a América Latina a Scania aposta no Gás Natural Veicular – GNV e biometano (gás oriundo da decomposição do lixo).

A tecnologia, hoje mais usada pela marca na Suécia, no continente europeu, já é realidade também nas operações de ônibus da Scania na América Latina, tendo por exemplo, cidades da Colômbia, como Bogotá, Medellín e Cartagena. No Brasil, a marca apresentou um modelo que funciona com GNV ou biometano  a diversas cidades. Em São Paulo, há um modelo em testes na Viação Gato Preto, da Zona Oeste. Os resultados devem ser divulgados entre março e abril e, de acordo com o diretor nacional de vendas de ônibus da Scania do Brasil, Silvio Munhoz, em entrevista ao Diário do Transporte, outra empresa da capital paulista se interessou em testar o modelo e uma companhia da região de Campinas não descarta a possibilidade de compra.

Confira:

https://diariodotransporte.com.br/2018/01/25/entrevista-scania-deve-crescer-acima-da-media-do-mercado-de-onibus-e-mais-uma-empresa-de-sao-paulo-se-interessou-por-modelo-a-gnv/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Esse buzão devia se chamar “GLASSBUZ”, observem a quantidade de vidros que tem, muito interessante; penso que é para diminuir o peso.

    Após ler a matéria, deixo aqui 4 questões para reflexão de todos, inclusive da Scania.

    1) A licitação de Sampa é a maior do mundo, mas nem um “Citywide LF” vem para testes em Sampa; Por que será ??

    Sei que deve haver razões para tal, mas isto me intriga.

    Mesmo se tratando de “baterias verdes” haverá necessidade da energia elétrica e quando se fala neste assunto aqui no Barsil, pelo meno seu não vejo ninguém responsável pela geração de energia, falar a respeito do assunto, o Buzão Bateca.

    2) Haverá energia elétrica para tal ???

    Com a Palavra o Ministério Competente, a Eletrobrás, Itaipu e as demais usinas geradoras do Barsil.

    Lembrando que a bandeira da tarifa da energia elétrica no Barsil está quase sempre no vermelho.

    3) E como será e quanto cu$tará a estrutura para abastecimento ??? (Nesta questão, peguei um gancho da colocação feita pelo SPUrbanuss)

    4) E a Usina de Belo Monte, há quantas anda ?????

    Fica ai para a reflexão de todos, e quem sabe a Scania se anima em enviar uma unidade do do “GLASSBUZ”, para testes aqui em Sampa, seria bem legal estar par e passo com a tecnologia Scania da europa.

    ACORDA SAMPA, MUDA BARSIL.

    Att,

    Paulo Gil

    1. Faço minhas, as palavras do O Juliano, Este nosso País, é tão vergonhosamente fajuto e sem escrúpulos, Que num instante, um maldito político, inventará um imposto maldito para cobrar sobre o carregamento das baterias. Temos como ótimo exemplo o proalcool, Onde no Início para que houvesse muitos carros e consumidores o governo oferecia seu próprio rabo. Agora é ele que nos estupra. Se é Brasil? Lamento mas, NÃO TEM JEITO OU SAÍDA.

    2. Zé Tros disse:

      Paulo Gil, a impressão de ter maior quantidade de vidros é pq o veículo é um piso baixo como os que rodam aí em São Paulo. Não é pra diminuir peso não. Os píso baixo aí de São Paulo tbm são assim.

      Segue links:
      http://www.onibusbrasil.com/foto/5608116/
      http://www.onibusbrasil.com/foto/5627385/
      http://www.onibusbrasil.com/foto/5700476/
      http://www.onibusbrasil.com/foto/5700335/
      http://www.onibusbrasil.com/foto/5661398/
      http://www.onibusbrasil.com/foto/5660550/
      http://www.onibusbrasil.com/foto/5538016/

  2. O.Juliano disse:

    O problema dessas tecnologias não virem pa DP começa com uma licitação muito mal montada desde o início dela. Como pode em qualquer revisão se achar inúmeros equívocos que amadores não cometeriam!? Inclusive a falta de estudos técnicos, como o referente ao maior uso de uma possível frota elétrica. Realmente fica difícil muitas inovações desse jeito por aqui. Terão de passar mais 15 ou 20 anos para uma nova licitação que incluirá esse tipo de ônibus (talvez ainda num nível básico) quando na Europa e quem sabe até em outros países da América do Sul eles já tenham chegado.

    1. O.Juliano disse:

      “pa Dp” = para SP

  3. Arthur Bluetec 5 Lira disse:

    Bem que esse poderia vir pro Brasil, e com a licitação dos transportes urbanos de SP, que é maior do mundo, seria um motivo a mais.

Deixe uma resposta