Obra da Linha Leste do Metrô de Fortaleza ainda sem previsão de reinício

Sem previsão de reinício de obra, Seinfra autorizou a empresa americana The Robbins Company a iniciar a montagem das quatro máquinas tuneladoras que serão usadas na construção da Linha Leste do Metrô de Fortaleza

 

Tatuzões chegaram a Fortaleza em 2013, mas só agora começaram a ser montados, mas sem dinheiro não há o que fazer

ALEXANDRE PELEGI

As obras do Metrô de Fortaleza estão atrasadas. A Linha Leste é o caso mais grave, pois sequer começou – a obra, orçada em R$ 2,3 bilhões, avançou apenas 1% desde que contrato foi assinado no final de 2013, e sequer tem previsão de retomada.

Já a Linha Sul aguarda o término das obras das estações Juscelino Kubitschek e Padre Cícero, no bairro Damas.

A Linha Leste, que fará a conexão do Centro da capital com o bairro Edson Queiroz, foi assumida em outubro de 2013 pelo consórcio Cetenco-Acciona, vencedor da licitação.

Em 2015, a Cetenco, líder do consórcio, abandonou o empreendimento alegando atrasos no pagamento por parte do governo do estado. Em seu lugar entrou a Construtora Marquise S/A.

Há uma semana a empresa espanhola Acciona notificou extrajudicialmente a Secretaria de Infraestrutura do Ceará (Seinfra) de que poderá abandonar o projeto por falta de pagamento.

Para retomar os serviços a Seinfra afirma estar trabalhando junto ao Governo Federal para garantir a liberação dos recursos da licitação.

O estado do Ceará possui R$ 1 bilhão de financiamento para o metrô junto ao Banco Nacional do Desenvolvimento Social (BNDES). Além deste valor há mais R$ 1 bilhão, parte do Orçamento Geral da União (OGU). O BNDES condicionou a liberação de sua parte na obra se o Governo Federal liberar os recursos do OGU. Como a União não libera sua parte, está feito o imbróglio, que já se arrasta há tempos.

O governador do Ceará, o petista Camilo Santana, tem lutado para liberar a verba do Orçamento da União. Em julho deste ano chegou a apesentar a linha Leste do Metrô ao presidente do China Development Bank (CDB), Hu Huaibang, que visitou Fortaleza.

Sem o repasse de verbas a Seinfra iniciou as montagens de quatro máquinas tuneladoras, conhecidas popularmente como “tatuzões”, que serão usadas na construção dos túneis da Linha Leste. Estas máquinas chegaram ao estado em 2013 e estavam até então sem qualquer uso.

A previsão do governo é que dois dos tatuzões fiquem prontos para entrar em operação até março de 2018, e os demais, seis meses depois.

Em nota, a Seinfra informa que o objetivo da montagem é realizar “uma manutenção preventiva da forma mais adequada e econômica para o Estado”, além de “preservar a integridade dos equipamentos e a extensão da garantia”.

Sem a previsão da liberação dos recursos, no entanto, as obras da Linha Leste continuarão paralisadas e sem qualquer perspectiva de retomada. Quando pronta, a Linha terá 13 estações, 13,2 km de extensão, sendo 12,4 km subterrâneos e 0,8 km em superfície.

A Linha Sul, que faz a conexão de 24 km entre o Centro e o município de Pacatuba, na Região Metropolitana de Fortaleza, tem obras finais após de cinco anos. Ela opera comercialmente desde 2014. Com 18 estações previstas, incorporou mais dois pontos de parada: as estações Juscelino Kubitschek e a Padre Cícero, ambas no bairro Damas.

Veja o vídeo da maquete eletrônica da Linha Leste do Metrô de Fortaleza, postado no Youtube em 2013:

 

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

1 Trackback / Pingback

  1. Metrô de Fortaleza: tatuzões comprados em 2013 seguem desmontados – Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: