HISTÓRIA: Um ônibus de duas caras

Monobloco biarticulado foi projetado para andar em pistas com guias laterais e tinha duas frentes

ADAMO BAZANI

Os transportes coletivos limpos sempre foram uma busca de países desenvolvidos e das principais fabricantes de veículos. São ônibus, bondes, monotrilhos e trens que tentam aliar conforto, eficiência e alta capacidade de atendimento.

Na feira de transportes de Hannover de 1981, a Mercedes-Benz apresentou um trólebus biarticulado, no mínimo curioso. Era o monobloco O 305G2.

Um dos objetivos era unir a praticidade dos ônibus com as operações ferroviárias. O veículo tinha duas articulações, capacidade para 238 passageiros e os dois motores elétricos, que recebiam a energia da rede aérea e rendiam 250 kW cada um.

O trólebus tinha guias laterais em trilhos e tinham duas dianteiras como se fossem trens.

Segundo o site alemão da Mercedes-Benz era a introdução do “O-Bahn” nos ônibus.

o-bahn

17021639_1364321150293944_2411246918459337130_n

De acordo com o pesquisador de transportes, Francisco José Becker, o fato de o veículo não poder circular fora do trajeto exclusivo acabou desmotivando a continuidade dos testes

O modelo batizado de Mercedes-Benz O 305G2 tratava-se de um protótipo bidirecional preparado para andar em pistas com guias laterais. Ele possuía 4 eixos (dois na primeira e dois na segunda composição) e dois motores elétricos e portas em ambos os lados. O fato de ser bidirecional, somado a forma da distribuição das portas e a ausência do volante, deixaram o O 305G2 com aparência de um ‘bonde sobre rodas’ e ironicamente o modelo não poderia rodar fora da guia com trilhos. Por este motivo após um ano de testes o mesmo seria abandonado.

Mas a solução trouxe legado.

Ônibus elétricos com guias laterais foram adotados em diversas partes do mundo, inclusive atualmente ainda circulam.

O Brasil só não teve esta solução por causa das dificuldades políticas e da falta de transparência no trato com dinheiro público. O projeto original do Fura Fila, promessa de Maluf e Pitta apara a Capital Paulista, contemplava trólebus biarticulados com as guias, o que garantiria uma característica de metrô aos serviços e também mais eficiência. Vale lembrar que o trajeto do Fura Fila completo equivale ao atual trecho do Expresso Tiradentes e o monotrilho 15-Prata, que depois de cinco anos da primeira data prometida para a entrega, só tem 2,3 quilômetros em funcionamento  dos 26,7 quilômetros de extensão do projeto.

Relembre a história: https://diariodotransporte.com.br/2015/09/15/trolebus-com-guias-laterais-e-micro-onibus-sem-motorista-sao-apostas-tecnologicas-na-europa/

trolebus-guiado_3-1

O Fura Fila. Solução tecnológica que depois de promessas políticas e falta de transparência no uso do dinheiro público nunca saiu do papel

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

9 comentários em HISTÓRIA: Um ônibus de duas caras

  1. Ainda bem que o projeto não foi pra frente, se é pra por trilhos, que seja para os trens que levam muito mais passageiros.
    Ônibus é bixo solto, não faz sentido andar sobre trilhos.

  2. William de Jesus // 18 de junho de 2017 às 14:43 // Responder

    Excelente matéria, Adamo! Isso mostra o quando conhecemos pouco do que já foi feito pelo transporte. Aprendi 3 coisas: 1ª a Mercedes já fabricou onibus biarticulado; 2ª eu nao sei se fizeram testes a fio, mas pela imagem o fato do onibus nao ter rodas na composição do meio poderia trazer muitos problemas de manutenção devido o peso dos passageiros ali, fora o risco de ocorrer acidentes e 3ª é possivel um ônibus ter “duas frentes”.

    Queria uma esclarecimento da ideia das guias laterais, pois nao entendi muito bem a utilidade delas. Levando em conta que há um condutor (nesse caso o motorista) e que ele é quem tem o controle da direção, não haveria chances de um erro de virar um pouco mais ou menos o volante e o carro bater nas guias ou algo do tipo?

  3. Seria interesse as duas frentes dos onibus separace sozinho com botão de acionar o outro motoristas em determinado metade do caminho e ter escolha de 2 destinos .

  4. Amigos, bom dia.

    Adamo, mateira sensacional, aprendi mais uma que eu nem fazia ideia, parabéns.

    Esse buzão é o meu sonho, agora observem um detalhe a baixa altura da via elevada e agora pensem no expresso Tiradentes lá nas alturas.

    Com certeza com o dinheiro, o concreto e os ferros que foram gastos no Expresso Tiradentes, dava no mínimo para fazer dois iguais esse ai da foro.

    Já postei aqui dois filmes um do Japão com o buzão aéreo e um do Paraná de UNião da Vitória que o buzão andava sobre os trilhos da ferrovia.

    Bom solução tem e até demais, o problema são os Jurássicos e seus egos.

    Afinal nada em prol do interesse público, só o interesse dos bolsos.

    Att,

    Paulo Gil

1 Trackback / Pingback

  1. Um ônibus de duas caras | Campione

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: