Primeiro binário de Fortaleza democratiza o espaço público, aumenta a velocidade dos ônibus e triplica número de ciclistas nas vias

Av. Santos Dumont (Foto: Queiroz Netto, Prefeitura de Fortaleza)

Neste mês de junho o binário das avenidas Dom Luís e Santos Dumont, o primeiro de Fortaleza, completa três anos de implantação, com resultados excelentes para quem usa transporte coletivo

ALEXANDRE PELEGI

O binário – a solução de transformar ruas paralelas em mão única, uma para cada sentido – tem sido já há alguns anos uma das soluções encontradas por algumas prefeituras para amenizar o trânsito.

Em Fortaleza, no entanto, o principal efeito tem sido outro e muito melhor. Ao invés do trânsito de carros, o binário tem sido excelente solução para aumentar a velocidade operacional dos ônibus, o que reduz o tempo de deslocamento dos usuários. Mais pessoas, e não veículos, estão sendo beneficiadas pela solução.

Neste mês de junho o binário das avenidas Dom Luís e Santos Dumont, o primeiro de Fortaleza, completa três anos de implantação – passou a funcionar em junho de 2014. E os resultados foram positivos para os ônibus, segundo indicam os dados da Secretaria de Conservação e Serviços Públicos (SCSP).

Em ambas as vias os coletivos aumentaram a velocidade. Na Avenida Santos Dumont, quando comparado ao cenário anterior, o ganho de velocidade já chega a 207%, o que implica redução de 31,3 minutos na duração das viagens. Na Avenida Dom Luís o ganho foi menor, mas mesmo assim importante: 143% de aumento na velocidade dos ônibus, reduzindo o tempo dos trajetos em 14,6 minutos.

Além do transporte coletivo, o binário trouxe importantes melhorias para os ciclistas. As ciclofaixas implantadas em ambas as avenidas redundaram no aumento do número de adeptos da bicicleta como modal, que passou de 50 ciclistas/hora/pico em 2014 para 180 ciclistas/hora/pico, aumento de 260%.

O projeto do binário das avenidas Dom Luís e Santos Dumont foi o primeiro de 14 binários existentes atualmente em Fortaleza. Naqueles que possuem faixas exclusivas para ônibus, os ganhos em velocidade operacional dos coletivos foram semelhantes.

Já consolidado, o binário Dom Luís/Santos Dumont, segundo avaliação de Victor Macêdo, engenheiro da Prefeitura Municipal, teve reflexos no trânsito de toda a região, conforme ele informa ao jornal Diário do Nordeste. Victor conta que o binário “reordenou os acessos da área, trouxe travessias de pedestres facilitadas e teve a criação das ciclofaixas, que fez crescer o número de ciclistas”.

A principal mudança causada pelo binário, na visão do engenheiro, foi “uma nova cultura de inclusão do transporte não motorizado e priorização do transporte coletivo. Isso impulsionou a democratização do espaço público”.

Como toda mudança que retoma o espaço das ruas para o transporte coletivo, o binário também desagradou os donos de automóveis particulares. Desde o início da implantação, os donos de carros se queixaram da redução do espaço nas vias para seus veículos.

FORTALEZA TERÁ MAIS BINÁRIOS:

Segundo o engenheiro Victor Macêdo, mais cinco binários serão implantados em Fortaleza ainda em 2017. Três já estão com projetos em andamento, e estão localizados na área oeste da Cidade.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes