Belém terá 39 ônibus elétricos com tecnologia da BYD

Serão 39 ônibus, fabricados no Brasil com o uso de tecnologia chinesa da Byd Energy. Os ônibus pertencem à empresa paraense Transuni, que opera em Belém com ônibus tradicionais

ALEXANDRE PELEGI

Com informações Diário do Pará

Belém vai utilizar ônibus elétricos no transporte coletivo. A boa notícia para o meio ambiente na capital paraense foi anunciada nesta terça-feira (dia 23 de maio) pelas empresas parceiras. O diretor da BYD Energy, Alexandre Liu, foi recebido pelo professor Carlos Maneschy.

Serão 39 ônibus, fabricados no Brasil com o uso de tecnologia chinesa da Byd Energy. Os ônibus pertencem à empresa paraense Transuni, que opera em Belém com ônibus tradicionais. As linhas que passarão a usar elétricos são: Eduardo Angelim-São Brás, Outeiro-Castanheira (via Tapanã) e Outeiro-Pratinha (Praça São Cristóvão).

O presidente da Transuni, Francinaldo Barros, garantiu que os ônibus vão operar a partir de agosto, com o maior padrão de conforto que há no mercado brasileiro de frota coletiva. As novidades não impactarão no valor da tarifa: ar-condicionado, wi-fi, GPS e poltronas com carregadores de celular.

Reunião entre diretores da BYD, prefeitura e empresa de ônibus – Foto: Divulgação/ND On line

Como se sabe, os ônibus elétricos têm a vantagem de não poluir o meio ambiente, o que não ocorre com a frota tradicional, que utiliza motor a diesel. O representante da BYD, Alexander Liu, lembrou que a tecnologia é muito avançada, e tem vida útil de 20 anos.

Só para lembrar, a questão da climatização do transporte coletivo em Belém vem sendo debatida nas últimas semanas. (Leia aqui: https://diariodotransporte.com.br/2017/05/21/polemica-sobre-ar-condicionado-em-onibus-de-belem-faz-prefeitura-baixar-decreto-para-analisar-custos-na-tarifa/ e https://diariodotransporte.com.br/2017/05/18/vereadores-de-belem-derrubam-pl-que-obriga-instalacao-de-ar-condicionado-nos-onibus-urbanos/).

A BYD complementou em nota que a previsão de entrega destes veículos é até o final do ano.

“O pedido de compra foi feito pela Transuni, mas ainda existem algumas aprovações necessárias por parte do governo local. Também precisam ser analisadas e realizadas  as adequações da infraestrutura do abastecimento. Com todas as aprovações e ajustes  efetivados, a previsão é de que a entrega seja até o final de 2017”, 

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes