Polêmica sobre ar condicionado em ônibus de Belém faz prefeitura baixar decreto para analisar custos na tarifa

Comissão criada pela prefeitura terá prazo de 20 dias para apresentar relatório detalhando custos da climatização dos ônibus da capital caso projeto seja aprovado na Câmara de Vereadores. Depois da análise da comissão, prefeitura marcará audiência pública para avaliar e decidir climatização (Foto: Fernando Araújo – Diário do Pará)

ALEXANDRE PELEGI

Conforme noticiamos, no dia 9 de maio os vereadores da Câmara Municipal de Belém votaram contra um projeto de lei que exigia que as empresas de ônibus urbanos instalassem ar-condicionado em todos os coletivos da cidade. (Leia: https://diariodotransporte.com.br/2017/05/18/vereadores-de-belem-derrubam-pl-que-obriga-instalacao-de-ar-condicionado-nos-onibus-urbanos/)

O argumento dos vereadores contrários ao PL era de que já existe uma lei que determina essa providência. O problema é que até hoje ela não foi cumprida no município.

O debate esquentou na cidade, motivado em boa parte pelo aumento da temperatura na capital do Pará. Dados do Instituto Nacional de Meteorologia dão conta de que a temperatura na capital paraense aumentou quase um grau nos últimos 100 anos. A percepção do calor é ainda maior pela sensação térmica, pois a capital Belém, com menos árvores a cada ano, sofre com o clima tropical úmido.

Para piorar a situação de desconforto dos usuários de ônibus há os congestionamentos, provocados pela falta de integração no transporte público e a superlotação dos ônibus.

DECRETO

A Prefeitura de Belém resolveu dar números à perspectiva de climatização dos ônibus. Quer saber quanto custaria de fato a instalação dos equipamentos, e qual seu impacto na tarifa.

Através de um decreto, a administração local criou a Comissão de Análise de Estudos dos Impactos com a Instalação de Ar-condicionado na Frota de Transporte Coletivo de Belém. Com um nome extenso o grupo terá um prazo curto para apresentar resultados: 20 dias, a contar da última quinta-feira, 18, quando foi publicada sua criação no Diário Oficial do Município.

O relatório a ser apresentado deverá detalhar os custos da operação, caso um projeto com esta finalidade seja aprovado na Câmara municipal.

A comissão é formada por representantes da Semob da Prefeitura (Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém), dos vereadores da Câmara de Belém, do Ministério Público do Estado do Pará, do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará, da Ordem dos Advogados do Brasil/Seção Pará e do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese/PA).

O documento a ser elaborado deverá ser submetido a uma audiência pública. Após os debates, deverá ser incluído num processo licitatório referente ao transporte coletivo de Belém, previsto para junho deste ano.

Alexandre Pelegi – jornalista especializado em transportes

1 comentário em Polêmica sobre ar condicionado em ônibus de Belém faz prefeitura baixar decreto para analisar custos na tarifa

  1. Amigos, boa noite.

    OOOOOOOOOOOOoolha o EFEITO BRASIL aiiiiii gente.

    Comissões, comissões e mais comissões e NADA.

    Sempre discutindo sexo de anjos e sem saber fazer as continha da Tia Cotinha.

    MUDA BARSIL.

    Att,

    Paulo Gil

1 Trackback / Pingback

  1. Belém terá ônibus elétricos com tecnologia da BYD – Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: