Ônibus em São Paulo já rodam sem cobradores, aceitando apenas Bilhete Único

sem cobrador Adesivo alerta que passagem só pode ser paga com dinheiro

Empresas do sistema estrutural dizem que se trata de testes. Sindicato dos rodoviários diz repudiar medida

ADAMO BAZANI

Entre os ônibus do subsistema local, composto pelas ex-cooperativas, a prática já tem sido comum, mas agora, coletivos de empresas do sistema estrutural, das viações tradicionais, já estão rodando na cidade de São Paulo sem cobradores.

É o que tem acontecido com veículos da linha 576-C 10  – Metrô Jabaquara/ Terminal Santo Amaro, da Mobibrasil, que opera na zona sul de São Paulo e outras linhas devem eliminar os profissionais.

A linha tem ao menos cinco veículos alternados que não possuem mais o cobrador e que ostentam no para-brisa um adesivo advertindo que o pagamento só pode ser feito com Bilhete Único.

A reportagem recebeu imagens de um destes veículos. Na parte interna, onde ficava o assento do cobrador, foi colocada uma divisória de vidro, acrílico e com balaústres.

sem-cobrador-2

Em entrevista ao Diário do Transporte na tarde desta quarta-feira, 29 de março de 2017, o presidente do SPUrbanuss, sindicato das empresas de ônibus, Francisco Christovam, disse que as operações com esses ônibus são apenas testes e que não há data para a implantação da medida definitivamente.  Christovam também afirmou que cada empresa do sistema vai repassar uma relação de linhas à SPTrans para que mais testes desse tipo sejam realizados em todas as áreas operacionais da cidade.

“Quero tranquilizar a todos e dizer que não haverá demissões de cobradores. Na verdade, esses testes são para preparar o sistema. Vamos verificar com essa experiência como ficarão questões como  evasão de passagens, comportamento dos motoristas e dos usuários. No ano passado,.já realizamos alguns desses testes, mas paramos com a mudança da gestão. Tudo está sendo feito com monitoramento da SPTrans. Cada empresa vai selecionar as linhas para submeter à SPTrans para autorização desses testes. Temos o compromisso firmado com poder público, com sindicato de que a medida não poderá trazer desemprego”

No ano passado, houve testes semelhantes, de acordo com Francisco Christovam, nas empresas VCD – Viação Cidade Dutra, Mobibrasil e Tupi, todas na zona sul de São Paulo.

Entretanto, os testes não têm agradado o Sindmotoristas, sindicato que representa os motoristas e cobradores de ônibus da capital paulista.

Por telefone, ao Diário do Transporte, o assessor da presidência do Sindmotoristas, Romualdo Santos, disse que a entidade vai entrar em contato com o poder público contra a medida.

“Nós não aceitamos e repudiamos a forma como isso tem sido colocada. Nós não fomos consultados sobre esses testes e vamos agir contra. Precisa de diálogo”

O sindicalista lembrou também que, por decisão judicial, os ônibus do subsistema estrutural de São Paulo não podem circular sem cobradores.

Em nota, a SPTrans – São Paulo Transporte, gerenciadora do sistema de ônibus da capital paulista, informou que autorizou os testes.

A SPTrans autorizou, em caráter experimental, a operação de cinco veículos da viação MobiBrasil na linha 576C/10 Metro Jabaquara-Terminal Santo Amaro, sem a presença de cobrador, de forma intercalada. Ao todo operam 17 ônibus na linha. Existe um compromisso da empresa com a SPTrans para que não haja demissão de cobradores.

A eliminação dos postos de cobradores já é discutida há algum tempo em São Paulo. De acordo com estimativas da prefeitura e das empresas de ônibus, os profissionais representam um custo entre R$ 800 milhões e R$ 1 bilhão por ano ao sistema e seriam responsáveis por trazer R$ 300 milhões, isso porque, apenas 6% dos passageiros hoje em São Paulo pagam com dinheiro.

No dia 06 de fevereiro deste ano, ao andar de ônibus pela primeira vez como prefeito na cidade, João Doria, admitiu que os cobradores podem deixar de existir.

“Gradualmente, com o tempo, é possível que isso venha a ocorrer [extinção do cobrador], mas sem desemprego. Nós estamos solicitando que as empresas capacitem os cobradores para serem motoristas” – disse à época. Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2017/02/06/doria-anda-em-onibus-nota-7-em-sao-paulo/

Prefeitura empresas, entretanto, dizem que não haverá desemprego em massa e que os atuais profissionais serão aproveitados em outras funções dos transportes.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes