Ônibus em São Paulo já rodam sem cobradores, aceitando apenas Bilhete Único

sem cobrador Adesivo alerta que passagem só pode ser paga com dinheiro

Empresas do sistema estrutural dizem que se trata de testes. Sindicato dos rodoviários diz repudiar medida

ADAMO BAZANI

Entre os ônibus do subsistema local, composto pelas ex-cooperativas, a prática já tem sido comum, mas agora, coletivos de empresas do sistema estrutural, das viações tradicionais, já estão rodando na cidade de São Paulo sem cobradores.

É o que tem acontecido com veículos da linha 576-C 10  – Metrô Jabaquara/ Terminal Santo Amaro, da Mobibrasil, que opera na zona sul de São Paulo e outras linhas devem eliminar os profissionais.

A linha tem ao menos cinco veículos alternados que não possuem mais o cobrador e que ostentam no para-brisa um adesivo advertindo que o pagamento só pode ser feito com Bilhete Único.

A reportagem recebeu imagens de um destes veículos. Na parte interna, onde ficava o assento do cobrador, foi colocada uma divisória de vidro, acrílico e com balaústres.

sem-cobrador-2

Em entrevista ao Diário do Transporte na tarde desta quarta-feira, 29 de março de 2017, o presidente do SPUrbanuss, sindicato das empresas de ônibus, Francisco Christovam, disse que as operações com esses ônibus são apenas testes e que não há data para a implantação da medida definitivamente.  Christovam também afirmou que cada empresa do sistema vai repassar uma relação de linhas à SPTrans para que mais testes desse tipo sejam realizados em todas as áreas operacionais da cidade.

“Quero tranquilizar a todos e dizer que não haverá demissões de cobradores. Na verdade, esses testes são para preparar o sistema. Vamos verificar com essa experiência como ficarão questões como  evasão de passagens, comportamento dos motoristas e dos usuários. No ano passado,.já realizamos alguns desses testes, mas paramos com a mudança da gestão. Tudo está sendo feito com monitoramento da SPTrans. Cada empresa vai selecionar as linhas para submeter à SPTrans para autorização desses testes. Temos o compromisso firmado com poder público, com sindicato de que a medida não poderá trazer desemprego”

No ano passado, houve testes semelhantes, de acordo com Francisco Christovam, nas empresas VCD – Viação Cidade Dutra, Mobibrasil e Tupi, todas na zona sul de São Paulo.

Entretanto, os testes não têm agradado o Sindmotoristas, sindicato que representa os motoristas e cobradores de ônibus da capital paulista.

Por telefone, ao Diário do Transporte, o assessor da presidência do Sindmotoristas, Romualdo Santos, disse que a entidade vai entrar em contato com o poder público contra a medida.

“Nós não aceitamos e repudiamos a forma como isso tem sido colocada. Nós não fomos consultados sobre esses testes e vamos agir contra. Precisa de diálogo”

O sindicalista lembrou também que, por decisão judicial, os ônibus do subsistema estrutural de São Paulo não podem circular sem cobradores.

Em nota, a SPTrans – São Paulo Transporte, gerenciadora do sistema de ônibus da capital paulista, informou que autorizou os testes.

A SPTrans autorizou, em caráter experimental, a operação de cinco veículos da viação MobiBrasil na linha 576C/10 Metro Jabaquara-Terminal Santo Amaro, sem a presença de cobrador, de forma intercalada. Ao todo operam 17 ônibus na linha. Existe um compromisso da empresa com a SPTrans para que não haja demissão de cobradores.

A eliminação dos postos de cobradores já é discutida há algum tempo em São Paulo. De acordo com estimativas da prefeitura e das empresas de ônibus, os profissionais representam um custo entre R$ 800 milhões e R$ 1 bilhão por ano ao sistema e seriam responsáveis por trazer R$ 300 milhões, isso porque, apenas 6% dos passageiros hoje em São Paulo pagam com dinheiro.

No dia 06 de fevereiro deste ano, ao andar de ônibus pela primeira vez como prefeito na cidade, João Doria, admitiu que os cobradores podem deixar de existir.

“Gradualmente, com o tempo, é possível que isso venha a ocorrer [extinção do cobrador], mas sem desemprego. Nós estamos solicitando que as empresas capacitem os cobradores para serem motoristas” – disse à época. Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2017/02/06/doria-anda-em-onibus-nota-7-em-sao-paulo/

Prefeitura empresas, entretanto, dizem que não haverá desemprego em massa e que os atuais profissionais serão aproveitados em outras funções dos transportes.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

17 comentários em Ônibus em São Paulo já rodam sem cobradores, aceitando apenas Bilhete Único

  1. Leandro Rodrigo Silva Meireles // 29 de março de 2017 às 17:37 // Responder

    Isso e uma vergonha quantos pais de família perderão o emprego e outra logico que haverá demissão em massa pois nao havera onibus suficiente pra realocar os cobradores doria está mentindo como gestor que e claro que vai favorecer aos empresários e nao os empregados.

    • William de Jesus Santos // 29 de março de 2017 às 18:53 // Responder

      Mas Leonardo, onde o Dória mentiu? Ele desde quando foi eleito vem dizendo que uma das prioridades é retirar os cobradores de ônibus. Da forma que São Paulo é hoje, não tá dificil não. Isso estimula que cada vez mais pessoas adquiram um cartão e dessa forma eliminará 100% a forma de pagamento em dinheiro.

      Sobre a medida de tirar o cobrador e o motorista NÃO TER QUE COBRAR, também é muito válida. Na prática, não sobrecarrega o motorista e ele não fica parado um tempão dando troco pra ninguém.

      Sobre as demissões, concordo contigo! Demitir em massa sem dar maiores esperanças é muita sacagem. O correto seria criar estações (como ocorre em Curitiba) e realocar esses cobradores para esses locais. Dessa forma, não apenas mantem os empregos destes como ainda precisará contratar mais pessoas, vide a quantidade de pontos que há na cidade.

  2. Amigos, boa noite.

    Tudo nesta vida, depende do referencial.

    Este e um caminho sem volta que ja vem sendo modificado ha decadas.

    Esta mudanca e uma oportunidade para os cobradores mudarem de funcao e terem um salario melhor.

    Alem de tudo o mais importante e que fara bem a saude dos cobradores, pois ficar uma jornada toda, ocioso, faz mal a saude de qualquer trabalhador.

    Mudem o referencial, mudem o pensamento.

    Mas infelizmente o que precisa mesmo ser retirado do buzao, ainda nao tem nem uma chance.

    O que de fato precisa ser retirado do buzao de Sampa, sao as malditas catracas e aquele monte de ferro retorcidos que as acompnham.

    Sindicato, o mundo mudou, mudem tambem e se atualizem, esse pensamento nao ajudara nunca os cobradores.

    Lembrem que a Linha 4 Amarela, nao tem mais maquinista e drives less.

    E os buzoes nao tripulados ja estao chegando, melhor ja ir pensando no fim da fincao do piloto, pois a de cobrador caminga pro fim e sem retorno.

    Pelo menos, cob3ador dentro do buzao.

    Att,

    Paulo Gil

  3. Sr Paulo Gil vc confiaria em um busco não tripulado aqui são Paulo no lugar do profissional qualificado se um busco e em média de 600.000 a 1.3000.000rs quando vai custar essa sua fantasia se não tripulado os metros vive batendo por aí imagine busco no trânsito ce tá loco meu coloca sua família para ir todos os dias para o trabalho aliás vc não deve fazer uso de transporte coletivo não fala bosta cara

    • Joel, boa noite.

      Isto nao e fantasia minha e infelizmente nao fui eu quem desenvolveu o buzao sem piloto, basta voce ler as materias postadas aqui no blog.

      A evolucao nao depende de mim nem de voce ela chega, qier nos gostemos ou nap.

      Em 1976, quando eu era garoto e tive o prazer de utilizar a linha Azul do metro, na epoca uma super novidade.

      E a partir da linha 4 Amarela do metro, este e operado sem maquinista e todos utilizam, jovens, adultos, criancas idosos, PNEs e outros.

      E eu vivi ate hoje e utilizo a linha 4 e fico maravilhado em ver os trens operando sozinho e olha que eu nem tinha lido nada ou fantasiado tal modernidade e hoje ela esta ai presente no dia a dia de todos.

      Eu adoro dirigir e nao gostaria de andar num buzao sem piloto, mas pelo o que eu tenho lido aqui no blog o buzao driver less, vai chegar antes do que podemos imaginar.

      Veja as coisas de uma maneira mais aberta, pois o mundo muda independentemente da vontade de qualqier terraqueo.

      Veja qie legal a Internet proporciona a todos, estamos conversando um asunto e nem nos conhecemos.

      Nao e legal isto ???

      Entao, as novidades chegam e nos passaremos.

      Abcs,

      Paulo Gil

      • Opa amigo, bom dia!!!
        Só complementando seu comentário que observei sobre veículos autônomos, e que assim como os trens dá linha amarela que já viajei algumas vezes eos veículos que estão sendo testados na Europa são acompanhados por um profissional no interior do veículo (no caso dos ônibus um motorista e do trem linha amarela um maquinista) que acompanha a operação dos veículos.
        No caso do trem ,esses operadores ficam com uma espécie de rádio próximo do painel do trem que fica em baixo de um tampão na parte dianteira do trem ,caso de alguma pane, ele abre esse tampão e assume o comando.
        No caso dos ônibus ,os motoristas viajam normalmente dentro do veículo e assumen o comando quando o veículo vai passar por trechos mais difíceis (ruas estreitas com carros estacionados nos dois lados e manobras) ou até mesmo em caso de pane.
        O importante a saber e que veículos autonomos não são 100% autonomos.
        Eles precisam de profissionais para fazer acompanhamento na sua condução e assumir a condução desses veículos sempre que preciso.
        No caso dos cobradores , e muito triste ver essa situação que está acontecendo referente a esses profissionais , pois eles tem um papel fundamental no sistema de transporte coletivo Brasileiro, eles mantem a ordem dentro dos coletivos , não cobram só passagem , mas auxiliam motoristas nas manobras, auxiliam no embarque/ desembarque do interior dos coletivos , auxiliam o embarque de passageiros com necessidade especial.

        Sem mais ,um forte abraço!!!

      • Vcm, boa tarde.

        Oportuno o seu comentário e aproveito para esclarecer alguns pontos.

        Eu não sou contra os cobradores e nem contra qualquer outra profissão, muito pelo contrário, os cobradores e pilotos do buzão sempre foram meu ídolos, basta você ler o meu comentário aqui no Diário sobre o tema “Porque eu gosto do buzão”, logo no ínicio do Blog do Ponto de Ônibus.

        Até porque sou um trabalhador e não um empresário, muito menos do buzão, infelizmente.

        Sou neto de ferroviário e no tempo do meu avô existia o telégrafo e a profissão de telegrafista e eu me lembrei disto depois que eu escrevi a resposta ao Joel.

        Agora com o seu comentário, esclareço que o meu raciocínio sobre os cobradores atualmente, se equipara aos telegrafistas, ou seja, surgiram outras inovações tecnológicas que automaticamente substituíram o telegrafo e consequentemente a extinção da profissão/função de telegrafista.

        Concordo com suas argumentações, porém por diversos fatores a automação na operação de pagamento do buzão vai mudar, quer queremos ou não; claro que não será do dia para a noite.

        Então é isso, são mudanças que chegam e mudam simplesmente, mas sem esse preconceito de categoria, eliminação, pai de família, etc etc e etc.

        Temos de ver por outro lado, os cobradores serão requalificados e realocados e isso será bom para eles, podendo até ganhar mais.

        Eu não tenho os números, mas quantos cobradores atualmente podem se capacitar e passarem a ter a devida habilitação profissional e técnica para passar a exercer uma nova função inclusive com uma melhor remuneração.

        É bom lembrar que no Brasil há falta de motoristas profissionais, por isto a grande maioria não será prejudicada e sim beneficiada.

        Precisa é sair da ZONA DE CONFORTO, que deixa todo mundo “deitado em berço explendido”

        Os telegrafistas conseguiram reverter a situação ?

        E tantas outras profissões que ainda serão eliminadas, alteradas, removidas, transformadas,
        ou seja lá qual o nome da moda for dado.

        É isso, sugiro que pensem de outra forma, principalmente o sindicato, essa batalha ele não vencerá a exemplo dos telegrafistas.

        Nos Corredores, BRT´s, e outros bichos não haverá cobrança e MUITO MENOS CATRACA (assim eu espero), está ai o corredor ABD que não tem cobrador e funciona numa boa.

        Abçs,

        Paulo Gil

  4. E a tendência é que a moda chegue aqui nas cidades do ABC Paulista, em que muitas cidades como Santo André, dentre outras, que os cobradores estão inexistentes e o motorista contando dinheiro e dirigindo ao mesmo tempo, distraído e colocando a sua vida e à dos passageiros em risco de morte. Bem, se esse sistema pegar por aqui também, pelo menos, os motoristas não ficarão distraídos na direção e vai ajudar na segurança, porque não existirá a presença de dinheiro nos coletivos, reduzindo os riscos de assaltos. A cidade de São Paulo está tendo uma Excelente Gestão porque é um empresário que está no comando e que a cidade é uma Empresa, e é assim que a cidade vai de bom para melhor, porque colocar um Político para ser Prefeito,…? Não dá certo e que nunca deu certo !!!

  5. E lindo falar em gestão, prefeito com ambições, mas vamos voltar no X da questão aquele que trabalha na função cobrador, maravilha a tecnologia do cartão bilhete único, mas e o ser humano atrás da catraca, vc se imagina o que passa na cabeça desse homem ou mulher, prestes a perder seu emprego, sua dignidade, um homem sem emprego e de cabeça vazia e a tentação, o nível de escolaridade de cada um desses profissionais e baixo, se um Dr. não consegue um emprego, imagina o que tem e muito pouco o primário, aonde irá se recolocar, as empresas não tem esse poder de contratos todos são hoje uns 15.000 profissionais distribuídos em várias linhas, como fica, muitos hoje depende não só do salário, mas da cesta básica, do seu convênio médico do seu Vale Refeição, na questão demissão não e o cobrador que vai perder o emprego, e a esposa, o filho ou filha, um parente que mora com ele que necessita de ajuda uma mãe, pai ou mesmo a sogra ou sogro, muitos pagam aluguel ou mora em comunidades, será que esses também não estão sentido na pele isso, e muito fácil fazer gestão assim, mas se houvesse empregos em São Paulo, mas no país todo, vivemos uma recessão das piores possível e aonde recolocaremos esses profissionais, muitos deficiente físico, muitos com problemas grave de saúde, será que não está na hora de repensar, estamos falando de seres humanos, não descartáveis, muitos desses homens e mulheres dependem desse emprego para sobreviver e se perder como fica…li comentários sobre o sistema da cidade de Curitiba lindo lá, já fizeram uma analise do índice de roubos (assaltos), o povão não está preparado para isso, pois falta o simples, EDUCAÇÃO, aonde no próprio ônibus mulheres são assédiadas e o cobrador está lá inibindo isso, o roubo, dando informações, ajudando o motorista, enfim, isso muitos desconhecem ou ignoram a pessoa, nem um bom dia ou boa tarde, noite se dá a essa pessoa que está atrás da catraca, vamos se ponham no lugar desse profissional…Prefeito falar em gestão, colocar uniforme de gari, visitar UBS’s e tentar mudar São Paulo e fácil o díficil e vc ver um filho seu pedir um alimento e não ter na mesa..o Sr. que teve um professor altura o então Prefeito e saudoso Jânio Quadros, ele daria um jeito de mudar isso, tentaria recolocar cada um desses profissionais, como sempre fez.

  6. A empresa de onibus nao pode obrigar os passageiros pagar somente com o cartao sendo que todos tem seu livro arbito isto esta errado nao vomos deixar que tires o cobrador

  7. Só acho que o motorista poderia cobrar os poucos passageiros que pagarão com dinheiro, até por que, quando isso acontece, trata-se de uma emergência(esqueci o bilhete/esqueci de carregar o bilhete), afinal, na maioria das vezes não tem onde carregar por perto.

    Mas o mais importante é garantir a recolocação dos cobradores, seja na mesma empresa, ou no mercado de trabalho. Um bom gestor de verdade não os deixaria a própria sorte.

  8. Favor retificar…a msg que aparece informa que a passagem só pode ser paga em dinheiro e não com bilhete único como está no para-brisa dianteiro do onibus.

  9. Quero ver quando os noias invadirem pela porta de trás, como o motorista vai fazer, larga o volante e toma providencias ou finge que não viu nada? Uma vergonha, já que o salario do cobrador vai pro bolso dos empresarios, e a passagem vai ter o mesmo preço.

  10. Para contornar as demissões em massa cada cobrador demitido deve receber uma maquininha de carregar bilhete único sem tributação mais um ponto de comércio legalizado de 5 x 5 metros para continuar no mercado produtivo. pois vai faltar lugar para carregar o cartão.

  11. Acho poderia cria na catraca uma maquina de moedas e notas pra guarda o dinheiro.

    Quanto aos cobradores saído dos onibus e poderia ser usado pra outras funções e tipo carregar bilhetes únicos nos pequenos pontos finais dos onibus em bairros, e ter carteira de motorista pra aumenta o numero de onibus nas linghas.

  12. Em Goiânia já é assim a mais de 10 anos

  13. Se fosse pra pra te um salário melhor não ia querer tirá o cobrador de desminuir custos

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Sindicato dos rodoviários em São Paulo promete lutar contra ônibus sem cobrador – Diário do Transporte
  2. Doria diz que em cidades civilizadas não há mais cobradores de ônibus – Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: